sábado, 17 de janeiro de 2015

Professores são treinados para atender pessoa com deficiência em atividades físicas.

  

A Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude – em parceria com a Secretaria da Pessoa com Deficiência – treinou 150 professores de Educação Física para o atendimento a pessoas com deficiência e fez busca ativa nas escolas de educação especial da cidade para divulgar a programação disponível.

Essa é uma das iniciativas adotadas, desde o início da atual gestão, para incluir cada vez mais pessoas com deficiência nas atividades regulares oferecidas nos espaços públicos de esporte e lazer.

Também está sendo oferecido um número mínimo de vagas para pessoas com deficiência em todas as atividades, atitude definida por portaria conjunta das duas secretarias. Para garantir um atendimento adequado a cada caso, quando necessário as pessoas interessadas passam por uma triagem antes de iniciarem os exercícios.

O orientador de esporte e lazer Darlan França Junior, um dos responsáveis pela capacitação, explica que os professores foram orientados sobre como trabalhar com cada tipo de deficiência: “É preciso perder o medo. Com conhecimento eles poderão indicar a atividade adequada para cada pessoa sem comprometer a integridade física dela”, diz.

Willian Pacheco de Oliveira, de 33 anos, é usuário de cadeira de rodas há oito. Em 2010, ele começou a treinar basquete na Associação de Deficientes Físicos do Paraná. Levado para conhecer a academia do Centro de Atividade Física Professora Judith Passos, onde aconteceu a capacitação, Oliveira demonstrou que é possível fazer os exercícios com segurança caso tenha a orientação adequada.

“O esporte é muito importante para mim, mas mesmo nas academias particulares é difícil encontrar locais preparados. Prevalece a lógica de que as pessoas com deficiência precisam se adaptar e não o contrário”, afirma.

Além da capacitação foi feito um trabalho de busca ativa nas escolas especiais da cidade para que os responsáveis pelas crianças e jovens com deficiência tenham conhecimento das atividades oferecidas perto dos locais onde moram ou estudam.

A orientação para quem quer se matricular em alguma atividade é que procure o núcleo da Secretaria do Esporte na sua administração regional. Nos casos em que houver necessidade será feita a triagem. A expectativa é que o trabalho de capacitação e busca resulte em mais pessoas com deficiência praticando atividades físicas na cidade em 2015.

Trabalho intensificado

Desde 2013, com a criação da coordenação de Paradesportos na Secretaria do Esporte, o trabalho na área ficou mais consistente. Em 2014 foi realizado o primeiro torneio de Vôlei de Praia para Surdos, um festival de videogame para crianças e adolescentes com Síndrome de Dushenne (que limita o movimento do corpo aos dedos das mãos), o primeiro piquenique da inclusão no Ciclolazer e a terceira etapa da Copa Brasil de Paraciclismo.

Além disso, em novembro a Mostra de Dança Especial de Curitiba lotou o Centro de Esporte e Lazer do Xaxim. Entre as atividades realizadas constantemente pela secretaria estão treinamentos de bocha paralímpica, basquete em cadeira de rodas e power soccer, com uma média de atendimento a 90 atletas por mês.

Ministério Público quer adequar concursos da Polícia Civil para deficientes físicos.

   

O Ministério Público do Estado do Ceará, através dos promotores de Justiça Hugo Frota Magalhães Porto Neto e Paulo Roberto Barreto de Almeida, ajuizou, no dia 11, uma ação civil pública contra o Estado do Ceará em virtude da ausência de qualquer adaptação das fases das provas de capacidade física e de treinamento e formação profissional nos concursos para os cargos de delegado, inspetor e escrivão, para pessoas com deficiência. Segundo os promotores de Justiça, os editais dos certames estabelecem a mesma prova para pessoa com deficiência e não deficientes.

Para os representantes do Ministério Público, tal conduta é tida como discriminatória, ferindo frontalmente a legislação, conforme demonstrado no teor da petição inicial. A primeira prova objetiva do referido concurso está marcada para 18 de janeiro de 2015. Eles lembram que foram mantidas três reuniões com os delegados responsáveis pelo concurso, inclusive adentrando o início da noite de sexta, havendo recalcitrância para as alterações necessárias nos editais.

Na ação, o Ministério Público requer que a Justiça conceda a tutela antecipada, sem a audiência da parte demandada. Alternativamente, no caso de indeferimento da tutela antecipada requerida ou caso se entenda pela necessidade de ser ouvida a parte demandada antes da análise da tutela antecipada, que seja suspenso o referido certame. A ação quer a condenação do Estado do Ceará a remover as ilegalidades existentes no edital, providenciando-se o atendimento, de forma definitiva, a todas as exigências mencionadas no pedido de tutela antecipada, atento que o concurso para Escrivão de Polícia Civil não possui a fase de exame de capacidade física, mas que não observa das demais exigências legais supramencionadas.

Os promotores de Justiça querem que seja estipulada multa, no valor proporcional ao grave dano a ser causado aos direitos da pessoa com deficiência em serem discriminados nos seus direitos de acesso a cargos públicos, para o caso de não obediência às determinações da Justiça pela parte demandada.

Deficientes ganham aplicativo para monitorar ônibus em Maceió.

por Assessoria


Imagem Internet/Ilustrativa
A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito de Maceió lançará, na próxima segunda-feira (19), o aplicativo de monitoramento de ônibus desenvolvido para deficientes visuais, o CittaMobi Acessibilidade. O lançamento acontecerá no auditório do prédio das promotorias da Capital, localizado na Av. Juca Sampaio, Barro Duro , às 9h.

O diferencial do CittaMobi Acessibilidade, comparado ao disponibilizado atualmente à população, será o áudio liberado no aplicativo, que informará o ponto de parada mais próximo, as linhas selecionadas pelo usuário pela voz, além de realizar buscas por ônibus adaptados para cadeirantes. “É um aplicativo de fácil manuseio, assim como o outro, para quem possui limitações. Por isso, acreditamos que não haverá problema quanto à utilização”, afirmou a assessora especial de Transportes da SMTT, Fernanda Cortez.
O objetivo, segundo a SMTT é tornar acessível a nova ferramenta para todos os usuários de coletivos de Maceió. “A intenção é atingir 90% dos usuários, a fim de oferecer conforto e melhor qualidade na prestação de serviço. Atualmente, mais de 74 mil downloads do aplicativo já lançado e nosso intuito é que cresça a cada dia”, salientou o superintendente Tácio Melo.
Além dele, estarão presentes no lançamento o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, deficientes visuais e representantes do MPE que colaboram para o desenvolvimento de projetos relacionados à acessibilidade dos deficientes visuais.
CittaMobi será disponibilizado para Windows Phone
Também a partir da próxima segunda-feira (19) será disponibilizado aos maceioenses o aplicativo para celulares Windows Phone. A SMTT, junto com a Cittati Tecnologia, responsável pelo desenvolvimento e gerenciamento da ferramenta, estava à espera da liberação da Microsoft para que o aplicativo funcionasse no sistema operacional.

Além do Windows Phone, o aplicativo é liberado, ainda, nas plataformas Android e iOS. Porém, a ferramenta pode ser acessada ainda pelo site www.cittamobi.com.br.

Aluna da Apae de Salvador vence concurso nacional de desenho.

Ao todo, 190 mil trabalhos foram inscritos na disputa.
Participaram alunos de várias partes do Brasil, com e sem deficiência.

Do G1 BA, com informações da TV Bahia

   

Uma baiana de 16 anos que possui deficiência intelectual leve derrotou milhares de concorrentes e venceu o VI Concurso Nacional de Desenho e Redação, promovido pela Controladoria Geral da União. Participaram da disputa, cujo tema foi "Corrupção", alunos de escolas públicas e particulares de todo o Brasil, com e sem deficiência.
Click AQUI para ver o vídeo.
Raiana Lima mora em Salvador, e há 11 anos é acompanhada pela Apae. Na obra vencedora, a jovem desenhou um homem negro segurando um cadeado aberto, uma mulher branca segurando uma chave, e um índio. Eles estão em frente à bandeira do Brasil, que no círculo azul possui um desenho do congresso nacional.
Desenho concurso Bahia (Foto: Reprodução/TV Bahia)Desenho feito por Raiana, que venceu o concurso
(Foto: Reprodução/TV Bahia)
“Eu botei uma chave e um cadeado. Significa que essa Brasília, onde os presidentes se reúnem, também faz parte da gente. A gente quer saber o que eles fazem com os nossos impostos. Se dá para educação, transporte, alimentação das crianças”, explica Raiana.
Ao todo, 190 mil trabalhos foram inscritos em todo o país, sendo que 588 foram selecionados. Na categoria "desenho", Raiana ficou em 1º lugar.
Teodora Coelho, educadora da Apae, explica como a instituição trabalha os desenhos com os alunos: “Nós fazemos pesquisas, entrevistas, para que eles possam internalizar este conteúdo e, a partir daí, colocar em prática através do desenho”, destaca.
Em sua obra mais recente, Raiana fez uma homenagem à avó, que ela chama de mãe, porque foi criada por ela. E Dona Aurelina Santos Oliveira, cheia de orgulho, espera um futuro brilhante para Raiana.
“Ela tem vontade de ser veterinária, e eu vou lutar para ela chegar lá, porque ela tem capacidade para isso”, afirma.
Desenho concurso Bahia 2 (Foto: Reprodução/TV Bahia)Desenho mais recente de Raiana é uma homenagem à avó, que ela chama de mãe. (Foto: Reprodução/TV Bahia)Fonte: g1.globo.com

Santos ganhará esteira acessível na praia para pessoas com deficiência.

Esteira permitirá a circulação de pessoas com mobilidade reduzida.
Viabilização do projeto será discutida durante reunião.

Do G1 Santos
                                      (Foto: Reprodução/TV Gazeta)                                 
                                      Profissionais acompanham pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. (Foto: Reprodução/TV Gazeta)


A cidade de Santos, no litoral de São Paulo, vai ganhar uma esteira acessível na praia. Segundo a Agência Metropolitana da Baixada Santista (AGEM), já há verba disponível para a aquisição do equipamento.
Na tarde desta terça-feira (13), será realizada uma reunião entre o prefeito da cidade, Paulo Alexandre Barbosa, o diretor executivo da AGEM, Marcelo Bueno e o vereador Professor Kenny, para discutir a viabilização do projeto.
A esteira garantirá o acesso de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida à praia, como cadeirantes, idosos, gestantes e mães com carrinhos de bebê.
Fonte: g1.globo.com - Imagem Ilustrativa

Humanidades

Texto dedicado ao Sr. Cabral

  por Fausta Cristina*

                                Foto da(o) colunista Fausta Cristina

Foi sobre humanidades a nossa conversa, eu respondi quando minha mãe me questionou sobre o que eu conversava tanto com meu vizinho. Ela achava muito estranho uma garota de 14 anos passar a tarde conversando com aquele senhor tão idoso, que vivia sozinho após a morte da esposa.
Minha mãe sorriu como se eu estivesse brincando. “Humanidades”... ela repetiu tentando entender. Mas ela não conseguiria, ninguém poderia entender porque naquela tarde, bem como em todas as outras em que estivemos juntos eu e meu amigo, conversávamos sobre tudo o que diz respeito às relações do homem com o mundo e do homem com o homem.
Éramos uma dupla e tanto! Ele, um “analfabeto de pai e mãe” como me disse um dia e eu, que nunca fui o que se pode chamar de uma aluna brilhante. Ainda assim, a gente se metia a comentar a notícia, a economia e a política e também o jeito diferente das pessoas “de hoje em dia”, como se nós dois e nossa amizade não fôssemos tão diferentes também.
No meio das nossas conversas, vez ou outra a gente se desentendia e isso também era muito legal, fazia eu me sentir importante, o que eu falava valia a pena argumentar. Não me lembrava de nenhum adulto dando tanto crédito ao que eu dizia e ele tanto dava crédito que discutia comigo. E depois chegava como que pedindo desculpas com leite trazido da roça, queijo, pamonha e doce.
Experiências assim fundamentaram o que eu sou. Fico imaginando o quanto a gente pode fazer pelo outro apenas ouvindo e respeitando, e o quanto ganhamos quando olhamos além do padrão, desconsiderando as nossas diferenças, que são todas, no final das contas, a essência da nossa condição humana.
Quando minha filha caçula teve o diagnóstico de autismo, eu tinha alguns instrumentos internos que facilitaram muito enfrentar todo aprendizado que estava por vir. Nos momentos das birras em público, dos gritos e das crises, quando ela não conseguia se expressar e me agredia ou diante de suas manias como aquela de querer levar para a escola um rolo de papel higiênico no lugar do brinquedo... Cada momento que exigiu de mim romper com o padrão ou caminhar sem mapa, encontrou o respaldo interno da minha infância e adolescência plena do aprendizado de conviver com o diferente.
O que mais me assusta em padrões impostos é o quanto desfavorece a resiliência e quão inflexíveis nos torna. Se os pais soubessem da riqueza que é a convivência inclusiva, a educação inclusiva e o pensamento inclusivo, a palavra inclusão perderia o sentido e seria substituída pelo significado amplo da palavra viver.
Que o homem que inspirou este texto saiba, onde ele estiver, que ajudou a fazer de mim um ser humano melhor.

* Fausta Cristina é mãe de Milena, sua terceira filha, hoje com 8 anos. A gravidez de Milena foi normal. Com o passar dos dias, sua filha chamava a atenção por ser muito quieta. Fausta estranhava o fato de ela não olhar, não fixar a atenção e com o tempo, a sensação de que algo estava errado foi aumentando. Com nove meses, foi diagnosticado que Milena tem autismo. Fausta mantém o blog http://mundodami.zip.net/ 

Fonte: www.vidamaislivre.com.br

Canabidiol, substância medicinal presente na maconha, é liberado pela Anvisa.

Para o alívio das centenas de adultos e crianças que sofrem com doenças como a epilepsia, o Canabidiol, ou CBD, presente na maconha, foi liberado para uso terapêutico no Brasil.

por Redação Hypeness

   

Em anúncio realizado ontem (14), a Anvisa colocou a substância na lista C1 de medicamentos, o que quer dizer que ela pode ser prescrita por médicos em receitas de duas vias, como centenas de outros medicamentos controlados.

A mudança foi feita meses depois que o Conselho Regional de Medicina de São Paulo, oCREMESP, divulgou uma nota autorizando a prescrição de medicamentos baseados em CBD – saiba mais aqui. A substância não apresenta o mesmo princípio do THC, não causando efeitos psicoativos ou dependência. ”Não há coerência em manter o CBD proscrito, pois essa substância não causa os efeitos psicoativos do THC, como amnésia e síndrome de abstinência“, explicouJaime Oliveira, diretor-presidente da Anvisa.

Na prática e em curto prazo, a decisão não altera muito, já que a importação dos medicamentos à base de CBD continuam em caráter de exceção. De acordo com a Anvisa, um laboratório estrangeiro já teria entrado em contato para importar a substância, mas o registro não tem prazo para ser aprovado. Segundo Nelson Mussolini, presidente do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos do Estado de São Paulo, a produção de medicamentos com CBD é viável, mas resta saber se há mercado e viabilidade econômica para isso. Desde o ano passado, a Anvisa recebeu 374 pedidos para a importação do medicamento, dos quais 336 foram atendidos. Cada ampola de CBD importada dos EUA tem um custo de US$ 450 para cada 10g do óleo, um preço que não é nada viável para famílias de baixa renda.

A decisão da Anvisa é relevante no sentido de quebrar o estigma da substância e abrir caminhos para facilitar a comercialização do CBD no país. As propriedades terapêuticas da maconha têm sido amplamente debatidas, já que podem contribuir para o tratamento em diversas doenças neurológicas, como é possível ver no documentário Ilegal, que traz a história de Anny, uma garotinha de 5 anos que sofre de epilepsia e que precisa do CBD para evitar crises – clique aqui para saber mais.



   canabidiol

   canabidiol1
  Fotos © Huffington Post/Reprodução YouTube

Fonte:www.hypeness.com.br

Para-atleta brasileira é "cobaia" em tratamento contra doença rara.

Verônica Almeida possui Síndrome de Ehlers-Danlos, doença rara que afeta o tecido conjuntivo e resulta em deformações e luxações frequentes.

  Foto de Verônica sorrindo no mar

Nadar 12 quilômetros em mar aberto com um braço só e sem movimentar as pernas, entrando para o Guinness BookSite externo., o livro dos recordes. Esse foi o feito conquistado na última segunda-feira (12) em Salvador por Verônica Almeida, para-atleta brasileira. Pode parecer a maior superação de toda a sua vida, realizada em um único dia. No entanto, este último êxito na água salgada é "apenas" a mais recente vitória da baiana de 39 anos.
Os triunfos à base da superação são mais antigos. A mãe de gêmeos é medalhista paraolímpica na natação classe S7 (para atletas com limitação motora e física) e há oito anos trata de uma doença rara. A luta requer não só esforço, mas uma boa dose de coragem. O desafio encarado pela baiana é para poucos.
A vida da atleta mudou completamente em 2007, quando descobriu possuir uma doença rara, a Síndrome de Ehlers-Danlos, em que as células do corpo não conseguem produzir colágeno (proteína que fortalece e une os tecidos do corpo). O médico deu apenas um ano de vida para Verônica, que encontrou na internet a única esperança para viver: se candidatou a um tratamento experimental francês após longas buscas de informações.
Entenda a Síndrome de Ehlers-Danlos
Roberto Vital, médico do CPB (Comitê Paraolímpico Brasileiro): "É uma patologia rara do tecido conjuntivo. As células não produzem colágeno suficiente, resultando em deformações e luxações (deslocamento dos ossos) frequentes. Pode causar morte por complicações diversas, até cardiovasculares. Não há tratamento no Brasil. Por aqui é comum se tratar conforme as luxações acontecem, com cirurgia, por exemplo. O único tratamento é experimental, na França."
"Eu entrei na internet quando o médico me deu um ano de vida e tentei uma solução. Preenchi uma ficha para um teste experimental e fui escolhida para compor um grupo de 20 pessoas", contou Verônica, que atualmente não anda e não tem o movimento do braço direito.
Ser "cobaia" de testes que podem resultar até em morte assusta qualquer um. Não é diferente com Verônica e a família, mas foi justamente a partir desta decisão que a rotina da para-atleta mudou para a melhor.
Desde 2007, ela passa todos os anos um período de 10 a 30 dias na França. "É muito difícil e assustador, mas a doença não tem cura e esse tratamento é a única chance que tenho de fazê-la estabilizar. Nos primeiros anos, eu ia para França, passava um mês:  48 horas em coma induzido para fazer a aplicação do medicamento, que eu desconheço qual é. Depois desse período eu ficava muito fraca, mas me recuperei e hoje estou com a doença estabilizada há cinco anos", explicou a atleta, em tom de conquista.
A rotina é fechada pelos treinamentos de natação, em Minas Gerais. O esporte é o que começou por recomendação médica e no qual se destacou a ponto de ser convocada pela seleção brasileira paraolímpica de natação. No Brasil, ela é atendida pelo médico do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Roberto Vital. "A Verônica teve problemas nas articulações. Ela já operou o ombro e não deu resultado. O ombro sai do lugar e tem que colocar novamente, até com o uso de anestesia", explicou.
Verônica é a única dos 20 candidatos ao experimento que ainda continua com o tratamento, com duração total de 10 anos. Perguntada por qual motivo os outros desistiram, a baiana não entra em detalhes, mas lembra que o custo é alto e o período na França é muito doloroso. Ainda existe risco de morte, mas, segundo a baiana, em proporção menor depois de superar oito anos de testes, sendo os últimos cinco com a doença estabilizada.
São necessários R$ 30 mil por ano para continuar o tratamento, que faz o nível de colágeno de Verônica subir, mantendo ela viva. Verônica paga o experimento ano a ano com a ajuda de amigos e com o dinheiro de palestras motivacionais que dá contando sobre sua vida.
O período na França aumenta as chances da atleta de conseguir medalhas na seleção brasileira paraolímpica de natação. Na próxima semana, ela embarca para mais um período de tratamento. O foco é continuar com êxito no experimento para conseguir subir ao pódio em 2016.
Em 2008, a baiana foi bronze na Paraolimpíada de Pequim, também foi bronze no Mundial da modalidade de 2010, mas não conseguiu subir ao pódio em Londres-2012, ano que não conseguiu custear o tratamento. "Quando eu vou para França eu fico 20 dias muito fraca fisicamente. Mas quando não recebo o medicamento, eu me sinto muito mais fraca e por isso nadei para sexto em 2012", relembrou.
"Minha vida é toda focada para 2016. Eu optei por fazer a travessia no mar agora em janeiro justamente porque estou de férias e não iria interferir nos meus treinamentos. Estou desde Londres treinando", finalizou.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Olho biônico permite que homem enxergue pela primeira vez em 33 anos.

Sentados na sala, o norte-americano Larry Hester, 66 anos, conseguiu pela primeira vez em três décadas reconhecer a pele de sua esposa e ergueu sua mão, tocando-a no rosto.

por Redação Hypeness

   

Cego devido a uma doença herditária chamada Retinite pigmentosa, que degenera a retina, o momento foi possível graças a uma espécie de olho biônico desenvolvido pelo Dr. Paul Hahn, no Duke Eye Center, localizado na Carolina do Norte, EUA.

Larry Hester é uma das sete pessoas nos Estados Unidos a testar a tecnologia, conhecida como Argus II Retinal Prothesis Device, que conta com um sensor no olho e uma câmera embutida em óculos especiais para simular sinais luminosos de diferentes intensidades. A visão gerada pelo aparelho não é a padrão, mas permite que os pacientes identifiquem formas e cores ao emitir flashes de luz.

Por se tratar de uma nova linguagem visual, Larry Lester vai precisar aprender o que a luz simulada quer dizer. Segundo ele, a luz fica mais intensa quando a câmera captura a claridade ou objetos de cores claras. Por enquanto, Lester já conseguiu enxergar cenas como um pato em um lago ou a lua, e foi capaz de distinguir uma porta de uma janela – avanços pequenos, mas incrivelmente significativos para quem, há 33 anos, não enxergava nada além da escuridão.


   olho-bionico8

   olho-bionico9

  olho-bionico10

  olho-bionico11

  olho-bionico12

  olho-bionico13

  olho-bionico1

  olho-bionico2

  olho-bionico3

  olho-bionico5

  olho-bionico6
 Todas as fotos: Reprodução YouTube

Conheça a incrível história do baterista que perdeu um braço mas encontrou uma forma de continuar tocando.

A vida é uma caixinha de surpresas e entre os altos e baixos sempre há alguma maneira de dar a volta por cima.

por Redação Hypeness @hypeness_combr


É o caso do baterista Jason Barnes, que após sofrer um acidente, teve seu antebraço direito amputado. Mas nem por isso ele deixou de lado o seu instrumento de sonho e, com a ajuda da tecnologia, conseguiu se manter ativo na música.

Georgia Institute of Technology desenvolveu, especialmente para ele, com design de Gil Weinberg, uma prótese robótica, que funciona através da força exercida sob seu bíceps, que controla, através de sinais elétricos enviados para o mecanismo da prótese, a firmeza e velocidade de sua baqueta, fazendo com que ele consiga seguir com sua paixão de uma maneira inusitada.

Além disso, uma terceira baqueta foi adicionada para simular outros estilos, além do dele, possibilitando que Jason toque ainda mais rápido do que antes. Por ser a primeira prótese a ser acionada no cérebro, ainda existe muito para se desenvolver, mas já é possível analisar o resultado da experiência ao assistir a primeira apresentação pública que Jason fez no Atlanta Science Festival, em março deste ano. Vale a pena apertar o play:




     jason4

jason7

jason3

jason6
Fotos: wabe.org, directindustry, veooz, idtech

Fonte: www.hypeness.com.br

Perna biônica high-tech ajuda pacientes em fisioterapia e dispensa o uso de muletas.

Recuperar a capacidade de andar é um processo longo e doloroso. Exige disciplina, paciência e doses cavalares de força de vontade.

por Redação Hypeness

   

Isso tudo para alguém que já lida com o trauma de uma cirurgia no joelho, de um AVC, ou de qualquer outro evento que cause limitações de movimentos nas pernas.Mas, se depender da AlterG Bionic Leg, essa etapa da recuperação passará a ser menos sofrida. Segundo a empresa, trata-se do “primeiro exoesqueleto robótico vestível e móvel para fisioterapia dos membros inferiores”. É uma perna biônica que oferece assistência motorizada para estender e flexionar os joelhos, dispensando o uso de muletas.

Para colocá-la não é preciso qualquer intervenção cirúrgica adicional. Basta o auxílio de um clínico para prender o dispositivo na perna. A Bionic Leg é ajustável para praticamente qualquer biótipo, pesa cerca de 3,5 kg e leva apenas três minutos até ser instalada.

Mas a maior inovação fica no sapato da pessoa. Uma palmilha com quatro sensores de pressão deve ser colocada no calçado e ligada ao restante do aparato. São eles que permitem à perna reagir automaticamente e fazer as ações que se deseja. A pressão do pé sobre os sensores junto com a tensão do joelho avisam à perna biônica que a pessoa quer sentar, levantar, andar, subir um degrau. Conforme os movimentos vão evoluindo, é possível reduzir a assistência robótica para aumentar o uso natural da perna.

Click AQUI para ver o vídeo.

    alterg05

    alterg07

    alterg06

   alterg08

   alterg09

           alterg04

           alterg03

  alterg02

                    alterg11

Por enquanto, existem cerca de 80 pernas biônicas da AlterG e apenas nos Estados Unidos. Elas custam em torno de US$ 40 mil, podendo ser alugadas por 700 a mil dólares ao mês. Estudos preliminares com pacientes que sofreram AVC já indicam melhorias consideráveis no processo de reabilitação, em comparação a pacientes que seguem métodos tradicionais. Por isso mesmo, a empresa já está aumentando a produção para que a Bionic Leg fique disponível no mundo todo.

Prefeitura do Rio doará ingressos do carnaval a pessoas com deficiência.

Inscrições vão até sexta-feira (16), ou enquanto durarem os estoques, no horário das 9h às 17h.

  Foto da Marquês de Sapucaí durante desfile

Secretaria da Pessoa com Deficiência do Rio de JaneiroSite externo. abriu no último dia 12 as inscrições para ingressos gratuitos no Carnaval 2015. Os convites serão destinados a pessoas com deficiência que desejem assistir aos desfiles das Escolas de Samba do Grupo Especial, nos dias 15 e 16 de fevereiro, e também ao desfile das campeãs, no dia 21. Ao todo, serão distribuídos 300 ingressos por dia, com direito a um acompanhante, entregues por ordem de inscrição - não haverá sorteio.
De acordo com a secretaria, qualquer pessoa pode fazer a inscrição, desde que apresente documentos de identificação, com foto da pessoa com deficiência e do acompanhante, além de laudo atualizado que comprove a deficiência. Será aceita apenas uma inscrição por pessoa. Crianças menores de 7 anos não precisam dos ingressos para assistir aos desfiles, que dão acesso à frisa do Setor 13 da Passarela do Samba (Sambódromo).
As inscrições vão até sexta-feira (16), ou enquanto durarem os estoques, no horário das 9h às 17h, no Centro Integrado de Atenção à Pessoa com Deficiência (Ciad) Mestre Candeia, na sede da secretaria municipal - Avenida Presidente Vargas, 1997, centro do Rio de Janeiro.
A entrega dos convites será feita entre os dias 2 e 6 de fevereiro, no mesmo local e horários. Qualquer pessoa pode retirar os ingressos. Basta apresentar o protocolo de inscrição e o próprio documento de identificação. Para mais informações, a secretaria disponibiliza os telefones (21) 2224-1200 e 2224-1300 das 9h às 17h.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Projeto Inovador para Pessoas com Deficiência.

Novo Projeto para Pessoas com Deficiência promovido pelo SESI, SENAI.




Meu Novo Mundo
É mais do que um projeto de inclusão social para pessoas com deficiência. É um novo olhar para quem precisa de oportunidade, experiência e aprendizado de qualidade. É nova vida.

O projeto
Idealizado pela Fiesp, pelo Sesi-SP e pelo Senai-SP, e realizado em conjunto com a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE-SP), este projeto nasceu não apenas para ajudar as indústrias a cumprir as cotas estabelecidas pelas Leis Federais nº 8.213/91 e nº 10.097/00, mas também para promover a inclusão da pessoa com deficiência (PcD) e a promoção da sua integração á vida comunitária e ao mundo do trabalho.

Público – Alvo
Pessoas com deficiência a partir de 14 anos.

Como é feita a inclusão?
Durante 3 anos, a pessoa com deficiência desenvolverá atividades que englobam:

·         Esporte e qualidade de vida.

·         Identificação da vocação profissional.

·         Inclusão digital.

·         Elevação da escolaridade.

·         Cidadania.

·         Cultura.

·         Qualificação profissional

Todas as atividades irão priorizar as individualidades de cada um. O aluno será certificado de acordo com as competências alcançadas, valorizando suas conquistas e o motivando a ir cada vez mais longe.


SOU UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA 
E QUERO PARTICIPAR
·      
Click Aqui:  http://www.meunovomundo.org.br/cadastro_pcd.html para se cadastrar
Meu Novo Mundo é uma grande oportunidade para a qualificação profissional e o ingresso efetivo no mercado de trabalho da pessoa com deficiência. Ao participar do projeto, a pessoa com deficiência terá acesso
À formação profissional de qualidade
 A um certificado reconhecido no mercado
 Ao esporte como qualidade de vida
À vivência no Senai-SP, no Sesi-SP e na empresa
A um contrato de trabalho desde o início do curso
O participante será contratado na modalidade de aprendiz por uma empresa do ramo industrial por um período de três anos, e poderá acumular o Benefício de Prestação Continuada (BPC) ao salário pelo período de dois anos.

 

SOU UMA EMPRESA E QUERO PARTICIPAR


Click Aqui: http://www.meunovomundo.org.br/cadastro_empresa.html

para cadastrar sua empresa

 

O projeto Meu Novo Mundo é uma grande oportunidade para as empresas do ramo industrial, contribuintes do Sistema SESI/SENAI, realizarem a inclusão profissional e social da pessoa com deficiência de forma efetiva, além de cumprirem as cotas de aprendizagem e de pessoas com deficiência simultaneamente, com contrato de trabalho desde o primeiro dia. Conheça os benefícios:

Contratação de um aprendiz com deficiência, resultando no adiamento da cobrança da cota de PCD.

Inclusão gradual à empresa, com assistência para sensibilização dos recursos humanos e acessibilidade.

Salário mínimo-hora com base na carga horária de 16 horas.

Ao término do curso, a empresa terá um profissional qualificado disponível para contratação.

Preencha corretamente os dados abaixo e aguarde o nosso contato para o agendamento de uma reunião para mais esclarecimentos.

SOU UM ÓRGÃO PÚBLICO E QUERO PARTICIPAR

 

Click Aqui: http://www.meunovomundo.org.br/cadastro_orgaopublico.html  para se cadastrar


Ao participar do projeto, o órgão público terá mais uma ferramenta de apoio à sua missão de resgatar a cidadania e trazer inclusão social às pessoas com deficiência.
Será seu papel:
Mapear a população com deficiência na sua localidade.

Sensibilizar e motivar as pessoas com deficiência e suas famílias para o processo de
inclusão.

Dispor de mobilidade urbana.

Promover políticas públicas de apoio ao Meu Novo Mundo.

Preencha corretamente os dados abaixo e aguarde o nosso contato para o agendamento de uma reunião.

SOU UMA INSTITUIÇÃO DE APOIO E QUERO PARTICIPAR

 

Click Aqui: http://www.meunovomundo.org.br/cadastro_instituicao.html    para  cadastrar sua instituição


A instituição participante do programa terá acesso a uma ferramenta de apoio na inclusão social e profissional da pessoa com deficiência. Sua participação é fundamental porque sensibiliza e motiva as pessoas com deficiência e suas famílias a fazer parte do projeto, indicando participantes para o programa.
Preencha corretamente os dados abaixo e aguarde o nosso contato para o agendamento de uma reunião.

Mais Informações : http://www.meunovomundo.org.br

 Fonte: www.meunovomundo.org.br