sábado, 31 de janeiro de 2015

PEC estende a cuidador regras para aposentadoria de pessoas com deficiência.

Em análise na Câmara dos Deputados, a Proposta de Emenda à Constituição 433/14, de autoria da deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP), estende a cuidadores e atendentes individuais de pessoas com deficiência as mesmas regras para aposentadoria já aplicadas atualmente às próprias pessoas com deficiência.


                           cuidador

Pela legislação vigente, as pessoas com deficiência têm direito a requerer a aposentadoria com base em critérios diferenciados de tempo de contribuição e de idade, levando em conta a severidade da deficiência.

No caso de deficiência grave, são exigidos 25 anos de contribuição do segurado homem e 20 anos da mulher; se moderada, são 29 anos para homem e 24 anos para mulher; e, se leve, 33 anos para homem e 28 anos para mulher.

A lei também determina que, independentemente do grau de deficiência, os segurados podem se aposentar aos 60 anos, no caso dos homens, e aos 55 anos, para as mulheres, desde que tenham pelo menos 15 anos de contribuição com a comprovação da existência da deficiência por igual período.

Essas regras são aplicadas tanto no Regime Geral de Previdência Social quanto nos regimes próprios dos servidores públicos.

A Constituição permite a aposentadoria com 35 anos de contribuição (homens) e 30 anos (mulheres), ou com idade mínima de 65 anos, para os homens, e 60 anos, para as mulheres.

Dedicação
Mara Gabrilli ressalta que muitos cuidadores, sejam parentes, amigos ou profissionais contratados, abdicam de partes importantes de suas próprias vidas, nos campos profissional, afetivo e pessoal, para poder realizar bem essa tarefa.

Não se trata aqui de hipótese de aposentadoria especial, uma vez que não há, necessariamente, a sujeição contínua a condições que prejudiquem a saúde ou a integridade física, argumenta a autora. No entanto, não devemos esquecer que o cuidador não tem hora nem jornada certa de trabalho, pois as necessidades das pessoas com deficiência são prementes e essenciais, muitas vezes relacionadas diretamente com as próprias funções vitais e fisiológicas, completa.

Tramitação
A proposta será arquivada pela Mesa Diretora no dia 31 de janeiro, por causa do fim da legislatura. Porém, como a autora foi reeleita, ela poderá desarquivá-la. Nesse caso, o texto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania quanto à admissibilidade. Caso seja aprovado, será examinado por uma comissão especial criada especialmente para essa finalidade. Em seguida, será votado pelo Plenário. Saiba mais sobre a tramitação de PECs.

Fontes: Agência Câmara de Notícias - www.deficienteciente.com.br

Capoeira para Todos promove inclusão de jovens com deficiência.

Projeto atende também jovens em situação de vulnerabilidade social.

Nós.doc Capoeira para todos  (Foto: Globo)
Marcio dos Santos é coordenador do projeto e mestre em capoeira (Foto: Globo)



A boa ideia de Marcio dos Santos foi ensinar capoeira para pessoas com deficiência. Mestre na arte, ele criou o projeto Capoeira para Todos. A ideia começou com crianças de escolas particulares, para melhorar a vivência motora e diminuir a obesidade. Em seguida, ele levou a iniciativa para crianças em situação de vulnerabilidade social, com o objetivo de ajudar na formação do caráter. Logo depois, foi a vez de atender a pessoas com deficiência, para promover a inclusão social.

Click AQUI para ver o vídeo.

Tive essa ideia porque acho que a capoeira é uma ferramenta de cidadania. A gente aprende de pai para filho, ou de mestre para discípulo. A gente tem que desenvolver e difundir os valores humanos, como a humildade, a sinceridade, e isso a gente tem na capoeira. Ela nasceu da necessidade do negro escravo de se libertar no Brasil. E por processo de pluraridade cultural, se transformou em dança, esporte, e hoje é um processo educacional – explica o coordenador do projeto.

De acordo com Marcio, a capoeira envolve vários grupamentos musculares e articulações, que relembram a fase de maturação humana, o engatinhar, o andar... Isso reforça a reorganização neurológica do deficiente intelectual e motor. Já para o deficiente auditivo o ganho está no ritmo que vem com o som dos instrumentos. Na deficiência visual a melhoria está na locomoção, no equilibrio, e no geral, a autoestima. É uma formação global por meio de uma cultura genuinamente brasileira.

Com doença rara, estudante do ES faz quase 4 mil pontos no Enem.

Dalete Curcio, é deficiente auditiva e sofre de uma síndrome rara.
O sonho dela é cursar letras português.

Do G1 ES, com informações da TV Gazeta *



Acreditar nos sonhos é o primeiro passo para conseguir realizá-los, e foi o que a estudante Dalete Curcio fez, aos 31 anos de idade. Apesar de sofrer com uma doença rara, que a tornou deficiente auditiva, ela criou seu próprio horário de estudo para se preparar para prestar vestibular para o curso de letras. Todo o esforço resultou em quase quatro mil pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e um sentimento de que os sonhos sempre podem virar realidade. Agora, ela aguarda ansiosa o ingresso em uma faculdade.

Click AQUI para ver o vídeo.

Moradora da comunidade do Romão, bairro localizado em Vitória, Dalete descobriu que sofria com a síndrome de Alport quando tinha 25 anos. A doença causa perda progressiva das funções renal e auditiva. Segundo ela, são necessárias até internações para sessões de hemodiálise.

"Essa síndrome atinge mais os rins e, na maioria das vezes, homens. Até 50 anos, um homem vive com essa síndrome, e não passa disso. Nas mulheres ela é menos agressiva. No meu caso, ela foi até mais agressiva, segundos os médicos", explicou Dalete, justificando a perda da audição.

A estudante contou que os remédios que precisa tomar a fazem sentir sono durante o dia. Mesmo assim, os estudos continuaram a todo vapor pelas madrugadas. O marido dela, Fabiano Campelo, que acompanhou todo o esforço de perto, contou que está orgulhoso do resultado que a esposa conseguiu.

"Muitas vezes eu acordava na madrugada e quando eu percebia que ela não estava comigo, ela estava na sala estudando. Se empenhando, se esforçando para que todo o sonho dela viesse a ser realizado. E isso é muito gratificante para todos os que sonham em ter uma vida melhor, com todas as expectativas. Com todas as limitações dela, acredito que ela é uma vencedora", disse.

Dalete tirou 3.788,9 pontos no Enem. Só na redação foram 975 pontos, uma nota acima da média e que ela não esperava, mas que permite ficar orgulhosa. "Eu fiz o que eu pude, e fiz o melhor", declarou. Para Fabiano, a esposa é um exemplo de superação. "Ela é uma pessoa especial, e especial em todos os sentidos. A gente sempre procura ajudá-la de todas as formas, mas eu acredito que ela é um grande exemplo para todos nós."

O sonho de Dalete é passar no curso de Letras Licenciatura em Português, do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES), pelo qual ainda espera resultado. Com a nota do Enem, ela já conseguiu bolsas em outras universidades do estado, e agora vai decidir qual curso irá cursar.

O que a estudante aprendeu com toda a maratona de estudos e o esforço para superar as outras dificuldades diárias, ela transmite aos que ainda tem um sonho e querem realizá-lo. "Eu acredito que os sonhos são ilimitados, e que através da nossa fé, do nosso esforço, nós temos a capacidade de alcançá-los. De uma forma superior e inimaginável", finalizou.

* Com colaboração de Leandro Tedesco, da TV Gazeta

Dalete não faz da deficiência um impecilho para os estudos (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Dalete não faz da deficiência um impecilho para os estudos (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

Fonte: g1.globo.com

Jovem sofre lesão cerebral ao brincar de 'lutinha' com amigo em Santos, SP

Rapaz levou um 'mata-leão', ficou sem respirar e está em cadeira de rodas. Médicos dizem que lesão pode ser revertida e que ele ainda poderá andar.

                                  Foto de Guilherme sorrindo em sua cadeira de rodas

Um jovem de 19 anos sofreu uma lesão cerebral após receber um 'mata-leão' (espécie de enforcamento) durante uma brincadeira junto com um colega na noite de Natal em Santos, no litoral de São Paulo. Um mês após o acidente, ele se encontra em uma cadeira de rodas, precisa do auxílio de amigos e familiares para fazer atividades básicas e tem a esperança de voltar a andar. Ele e a família esperam que o caso sirva de exemplo para que outras brincadeiras não terminem assim.

O estudante de direito Guilherme Douretto do Vale Gonzalez estava reunido com amigos próximo ao posto 2, na orla da praia, na noite do dia 25 de dezembro. Já de madrugada, ele e os amigos resolveram brincar de lutar um contra o outro.

“Tudo mundo começou com a brincadeira de 'lutinha'. A gente acabou caindo no chão e ele me deu um golpe chamado 'mata-leão'. Só que ele apertou muito e eu acabei perdendo a consciência. Eu não conseguia sentir os braços e as pernas. As coisas ficaram girando. Eu lembro que tinha alguns amigos em cima de mim, falando alguma coisa. Depois apaguei de vez”, conta ele.

Guilherme foi levado para o Pronto-Socorro Central de Santos. No caminho, ele teve uma convulsão na ambulância e, em seguida, outra já no pronto-socorro. Depois, o jovem foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Beneficência Portuguesa, onde ficou três dias internado. Após mais nove dias no quarto do hospital, recebeu alta médica.

Lesão
O golpe "mata-leão" causou uma falta de oxigenação no cérebro de Guilherme. Ele teve uma lesão no cerebelo, o que afetou seu equilíbrio. Os movimentos, a intelectualidade e a fala de Guilherme foram preservados. Mas, por não ter equilíbrio, o jovem não consegue andar e nem ficar em pé sozinho. Por isso, ele precisa ficar em uma cadeira de rodas.

“Ele não tem noção do espaço. Se ele sentar sem apoio, ele vai cair. Segundo os médicos, a situação é reversível. O que ele não consegue fazer hoje, ele vai reaprender. Alguma área do cérebro vai assumir essa falta que ele tem hoje”, explica o pai do menino, Roberto Vieira Gonzalez, de 41 anos.

Guilherme diz que, no início, foi difícil acreditar no que tinha acontecido porque não imaginava que fosse causar tudo isso. “Quando eu soube foi um choque. Por causa de uma brincadeira fui parar na UTI. Teve uma época em que fiquei bastante triste, bastante desmotivado”, conta.

Recuperação
Os amigos e a família o ajudam a fazer simples atividades diárias, como se alimentar e se vestir, tarefas que ele ainda não consegue fazer sozinho. “Não consigo mais fazer coisas básicas. Dou valor para as coisas pequenas”, diz.

O jovem é estudante de direito e continuará frequentando a faculdade. O pai pretende levá-lo e auxiliá-lo nas atividades na sala, se necessário. "Sabemos que não vai ser da mesma forma, mas que o impacto seja o menor possível. Tudo que estiver ao nosso alcance, vamos fazer”, afirma o pai.

A família não quer apontar os culpados pelo acidente. Alguns amigos que estavam no local ainda visitam Guilherme e dão todo o apoio ao jovem. Outros, ele perdeu o contato. “Meu filho estava lá porque queria. Estava brincando. Ele foi a vitima pela consequência, mas poderia ser com qualquer um que estava lá”, afirma o pai.

Ele espera que a situação do filho sirva de reflexão e exemplo para os jovens. “O resultado de uma brincadeira pode causar sério danos a saúde e, de repente, até causar uma morte. Que os jovens se conscientizem. Deem valor à vida e pensem antes de fazer algumas brincadeiras, para que não fique na situação que meu filho se encontra e traga sofrimento para as famílias”, diz.

Guilherme já iniciou as sessões de fisioterapia, chamada de reabilitação neurológica. Um mês após o acidente, ainda não há uma previsão de quando o jovem conseguirá voltar a andar e fazer as atividades diárias. Ele mostra muita força de vontade para encarar a situação e conseguir ter uma vida normal.

“É o que eu mais quero agora. Estou fazendo fisioterapia todos os dias. Tenho percebido uma melhora. O que eu puder fazer estando na cadeira, eu vou fazer. O que eu puder fazer para sair dela, eu vou fazer em dobro”, finaliza o jovem.

Fontes: G1 - vidamaislivre.com.br

Garoto de Franca-SP precisa urgente de operação que custa... 1 milhão de dólares! Vamos ajudar!

No dia 30 de janeiro de 2015, a redação do Portal Terceiro Tempo recebeu o seguinte e-mail de Juliana, sobre a cirurgia do pequeno Davi Miguel. Abaixo, confira o conteúdo do e-mail:


Por Redação Terceiro Tempo 

  Foto: Dinea Gama/Arquivo Pessoal
  O bebê Davi Miguel, de 8 meses, aguarda transplante no exterior para minimizar doença rara (Foto: Dinea Gama/Arquivo Pessoal)


Bom dia!!!

Conforme falamos segue ....

Quero abordar aqui um caso aqui da cidade de Franca , do qual estou muito empenhada em ajudar e fazer acontecer principalmente , e vejo que o único meio é ir até a impressa de nível nacional para aí então comover a população e nossos governantes.

Davi Miguel nasceu com um problema raro “ inclusão das microvilosidades “ , ou seja , seu intestino é liso , é a chamada diarreia intratável . Sua única esperança é um transplante de intestino que custa cerca de 1 milhão de dólares e é feita nos Estados Unidos . Até aí vc pode me dizer que se trata apenas de mais um bebe , mas a nossa indignação chega no momento em que o pai já havia assinado o contrato com o Hospital em Miami , a UTI móvel aérea também já providenciada e o governo ter depositado na conta do Hospital cerca de +/- 50mil dólares ... e o juiz suspende a liminar ?!!!! Como se o Davi Miguel pudesse esperar !!!

Sua expectativa de vida era de ate 4 meses , hoje ele esta com 10meses , lutando com todas as suas forças .... ele esta lutando .... e o governo me faz uma dessa ?! Ele não pode esperar mais , sua alimentação é toda feita parenteral , seu fígado esta começando a ser afetado , daqui a pouco a conta ficará mais cara , porque além do transplante de intestino , ele precisará também de um fígado . Há 10 meses essa mãe/pai vive com o filho no hospital...

O desembargador alega em documento oficial que a criança não possui o peso ideal para a cirurgia .... contestamos, porque o laudo utilizado para isso foi o primeiro dele onde pesava 4.200kg , hoje esta com 5,800kg e em nenhum momento foi designado um medico para vir avalia-lo .... fora que ele indo para os Estados Unidos terá que entrar em uma fila de espera o que poderá demorar meses , tempo suficiente para ele alcançar o peso .... sem contar que a medicina lá é muito mais avançada e poderia colaborar muito mais para o desenvolvimento dele.

A outra alegação do desembargador é a cirurgia do Davi Miguel será um impacto na economia do país .... Como ? Mas e aí ? Então deixa a criança morrer ?! É isso mesmo ?! Porque fizeram então um depósito de aproximadamente U$ 50.000,00 para o hospital de Miami ?! Porque acender numa família que já esta sofrendo tanto , a esperança e depois suspender a liminar do pagamento de tratamento da criança ?! Diante de tantos escândalos , e tanta roubalheira em nosso país é cômico e revoltando ouvir essa justificativa e isso sim foi o estopim para gerar revolta em nossa cidade e região !!

Abaixo tem o link da reportagem feita com o Pai do Davi ( Jesimar Gama ) pelo jornal local , onde ele desabafa e diz “ É um sentença de Morte para o meu filho ” , após saber que a liminar foi suspensa . Essa matéria foi a que desencadeou a revolta na população .

http://gcn.net.br/mobile/noticia/275924/franca/2015/01/sera-uma-sentenca-de-morte-para-o-meu-filho-diz-pai-de-davi-miguel

Nós de Franca e região estamos fazendo várias manifestações nas redes sociais ... uma delas tem se alastrado feito rastro de pólvora .... #forçadavimiguel .... estamos fazendo essa campanha para que ele não pare de lutar , porque com a demora do governo em resolver essa situação ele pode pegar alguma infecção e para ele pode ser fatal .

Estamos tendo também apoio de vários artistas como Marco Luck ( Apresentador ) , Carlos Machado ( ator ) , Zé Henrique e Gabriel e o Hernanes do Inter de Milão que doou uma camiseta autografada para leilão.
No dia 25/01 fizemos uma passeata que contou com mais ou menos 4mil pessoas em protesto a decisão do juiz. Essa cobertura foi feita por várias emissoras da região ...

Gostaria muito que vc visitasse a página dele no Facebook – Movidos Pela Vida Davi Miguel .... para ver fotos e vídeo , há um vídeo muito interessante e comovente onde a mãe dele pergunta “ Davi , o governo não quer pagar seu tratamento filho ? E ele balança a cabecinha , afirmando que não .”
Hoje a página do facebook Movidos pela Vida Davi Miguel , conta com mais de 33mil curtidas ....

Abaixo segue alguns links de reportagens feitas a respeito do caso :

http://gcn.net.br/noticia/276217/franca/2015/01/internautas-ampliam-campanha-de-ajuda-ao-pequeno-davi-miguel

https://www.facebook.com/pages/Movidos-pela-vida-Davi-Miguel/256205091241232?fref=ts

https://www.facebook.com/pages/FOR%C3%87A-DAVI-Miguel/1405647616400016?fref=ts

https://www.facebook.com/events/281091335347898/?fref=ts
http://gcn.net.br/mobile/noticia/275924/franca/2015/01/sera-uma-sentenca-de-morte-para-o-meu-filho-diz-pai-de-davi-miguel

https://www.facebook.com/LucianoHuck/posts/696649910455991?notif_t=like

http://cliquedaesperanca.com/presentesvirtuais/?ljtoken=4gimu67945

http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/2015/01/trf-suspende-liminar-que-obriga-uniao-tratar-bebe-de-franca-nos-eua.html

Assim que possível estarei te mandando outros links.

Foto: Dinea Gama/Arquivo Pessoal

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

NORMAS DA ABNT PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Normas ABNT

NORMAS DA ABNT PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA


                        Imagem Internet        
                      


Normas ABNT

1
2011
Acessibilidade - Plataforma elevatória veicular e rampa de acesso veicular para acessibilidade em veículos com características urbanas para o transporte coletivo de passageiros - Requisitos de desempenho, projeto, instalação. e manutenção.
2
2011
Aeroportos - Veículo autopropelido para embarque/desembarque de pessoas portadoras de defi ciência ou com mobilidade reduzida - Requisitos.
3
2011
Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiro.
4
2010
Diretrizes sobre responsabilidade social.
5
2009
Plataformas de elevação motorizadas para pessoas com mobilidade reduzida - Requisitos para segurança, dimensões e operação funcional. Parte 1: Plataformas de elevação vertical (ISO 9386-1, MOD).
6
Transporte - Especificações técnicas para fabricação de veículos de características urbanas para transporte coletivo de passageiros.
7
2008
Acessibilidade - Comunicação na Prestação de Serviços.
8
2008
Acessibilidade - Plataforma elevatória veicular e rampa de acesso veicular para acessibilidade em veículos com características urbanas para o transporte coletivo de passageiros.
9
2007
Elevadores de passageiros - Requisitos de segurança para construção e instalação - Requisitos particulares para a acessibilidade das pessoas, incluindo pessoas com deficiência.
10
2006
Acessibilidade de passageiro no sistema de transporte aquaviário.
11
2006
Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário.
12
2005
Acessibilidade em comunicação na televisão.
13
2005
Acessibilidade em caixa de auto-atendimento bancário.
14
2005
Transporte - Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano.
15
2004
Responsabilidade social - Sistema da gestão - Requisitos.
16
2004
Acessibilidade a Edificações Mobiliário, Espaços e Equipamentos Urbanos.
17
2003
Acessibilidade em Veículos Automotores - Requisitos de Dirigibilidade.
18
2003
Acessibilidade em Veículos Automotores - Diretrizes para avaliação clínica de condutor.
19
2003
Acessibilidade em Veículos Automotores - Diretrizes para avaliação da dirigibilidade do condutor com mobilidade reduzida em veículo automotor apropriado.
20
1999
Acessibilidade a Pessoa Portadora de Deficiência no Transporte Aéreo Comercial.
21
1970
Acessibilidade a Pessoa Portadora de Deficiência - Trem de Longo Percurso.


Fonte: josemariodantas.blogspot.com.br - 
 Imagem Internet     

Pessoa com Deficiência - Legislação Federal

Pessoa com Deficiência - Legislação Federal.


Capa da publicação
Frente a uma população de cerca de 45,6 milhões de brasileiros com alguma deficiência, que representa 23,92% da população (Censo IBGE 2010), torna-se ainda maior a missão da Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República - SNPD/SDH/PR que é dar acesso à informação e aos direitos conquistados por esses cidadãos. 


Cientes desse grande desafio e visando promover o acesso à informação e aos direitos conquistados por esses cidadãos, a SNPD/SDH/PR procurou reunir nesta publicação as principais leis e decretos federais em vigência no Brasil.

Click AQUI para baixar o aquivo.
No entanto, é importante destacar que se aplica às pessoas com deficiência toda a normativa em vigor no país, afinal, a Constituição Federal é categórica ao afirmar, em seu artigo 5º, que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza.
Assim, em nenhum momento se tem a ambição de esgotar todo o marco legal que regula os direitos desta parcela tão significativa da população, mas sim reunir aqueles que podem ser usados no dia-a-dia para o exercício de sua cidadania plena.
Esperamos que você utilize e consulte esse livro todas as vezes que precisar concretizar o espírito democrático no seu cotidiano. Afinal, conhecer a fundo os seus direitos e deveres é a melhor maneira de fazer predominar a igualdade de direitos, traduzida na plena e efetiva participação e inclusão.
Antonio José Ferreira
Secretário Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Novos Comentários (lançamento!)

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (Novos Comentários).



Capa da publicação
Em 2008, ano em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos - adotada e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas – completava 65 anos, o Brasil internalizou a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da ONU: o primeiro tratado de Direitos Humanos recepcionado com status equivalente a emenda constitucional. Esse fato demonstrou a importância alcançada pelo tema em nosso país e a busca incessante e permanente que o Brasil realiza na intenção de promover e proteger os direitos humanos de sua população, notadamente das pessoas em situação de maior vulnerabilidade.


Essa vitória foi resultado da histórica luta do movimento político das pessoas com deficiência, travada ao longo de décadas, em busca do exercício de sua cidadania e do protagonismo de suas próprias vidas, em igualdade de oportunidade com o restante da população. A internalização da Convenção pelo Brasil é também fruto de um processo de amadurecimento dos Direitos Humanos e da sociedade como um todo, que reconheceu a necessidade de reafirmar a dignidade e o valor inerente de cerca de 45 milhões de brasileiros e brasileiras com deficiência (censo IBGE, 2010).
Hoje, após a comemoração dos cinco anos da Convenção no Brasil e com o intuito de reafirmar que a pessoa com deficiência é sujeito de direitos, temos o orgulho de publicar “Novos Comentários à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência” afim de que se possam analisar as barreiras até aqui encontradas, os desafios enfrentados e as conquistas já alcançadas pelo segmento, na tentativa de concretizar de forma definitiva sua plena e efetiva participação na sociedade brasileira, com igualdade de oportunidades, autonomia e liberdade.
É com orgulho que a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, publica este livro que traz novos olhares acerca dos 50 artigos da Convenção. A atual edição reúne 43 especialistas do tema no país, estre pesquisadores, militantes e gestores públicos, que explicam, debatem e avaliam os artigos da Convenção, à luz de suas experiências e estudos. Trata-se de mais um impulso ao esforço empreendido pela secretaria de propagar para toda a sociedade os direitos garantidos pela Convenção e pela própria Constituição Federal.
Agradecemos a todos os autores que gentilmente participaram desta publicação e dedicamos um agradecimento especial à Associação Nacional de Membros do Ministério Público de Defesa dos Direitos dos Idosos e Pessoas com Deficiência - AMPID e à Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, pela parceria e empenho na organização desta publicação.
Boa leitura a todas e todos!
Click AQUI para baixar o arquivo.
Antonio José Ferreira
Secretário Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Ideli Salvatti
Ministra de Estado Chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Atleta deficiente físico consegue dinheiro de internautas para financiar documentário sobre superação.

Extra
                                           Luke Ericson Foto: Reprodução / Instagram
                                 

O americano Luke Ericson tem uma nobre missão: mostrar às pessoas com deficiências físicas que suas dificuldades podem ser superadas. O rapaz, que mora no Havaí, nasceu sem o braço esquerdo e, no mesmo lado do corpo, seu pulmão pouco se desenvolveu. Apesar das limitações, desde criança, ele se empenhou em dar seu melhor para resolver tudo sozinho. Adulto, ele conseguiu dinheiro de internautas para estrelar um documentário e dizer aos demais deficientes que “elas podem ser quem quiserem”.

Para provar que, mesmo sem um braço, ele poderia ser tão capaz quanto qualquer outra pessoa, o jovem resolveu se tornar um atleta fisiculturista. Treinando pesado e sem ajuda de equipamentos especiais - apenas adaptando seus movimentos -, ele esculpiu o corpo. Agora, já participa de concursos mundiais de crossfit - uma modalidade esportiva que inclui levantamento de peso e atividades aeróbicas.


                     Luke Ericson
                     Luke Ericson Foto: Reprodução / Facebook

Através da internet, ele tem divulgado fotos e vídeos de seus treinos, além de mensagens de inspiração. Em novembro do ano passado, ele começou uma petição num site de financiamento para conseguir dinheiro e produzir um documentário sobre sua trajetória.

“Todos os dias, eu recebo mensagens e cartas de pessoas me falando sobre como a minha história as inspirou a quebrar as próprias barreiras. Eu sou parado por pessoas na academia que se dizem incentivadas pela minha determinação. Estou constantemente em contato com outros deficientes físicos. É por isso que eu continuo aumentando meus limites. Para aquelas pessoas cuja vida eu posso trazer uma diferença”, conta Ericson. “O documentário vai levar a centenas de milhares de pessoas a minha história”.


                Luke Ericson
                Luke Ericson Foto: Reprodução / Facebook

No último dia 19, ele conseguiu os cerca de R$ 7 mil para produzir o vídeo. As gravações foram feitas antes dele ter toda a quantia. Com ajuda de um amigo cinegrafista, ele filmou seus dias de treinamento durante nove dias no Havaí. O material deve ser editado e lançado em breve.

“Eu nunca vi razão para não fazer alguma coisa, seja natação, surf, escalada em rocha ou crossfit. Se eu quero muito algo, eu vou encontrar uma maneira de fazer isso acontecer”, conclui Ericson confiante.


                Luke Ericson
                Luke Ericson Foto: Reprodução / Facebook  


Fonte: extra.globo.com