sábado, 18 de abril de 2015

Táxis deverão ter plaquetas em braile com identificação para passageiros com deficiência visual.

por Simone Marquescategoria: Regional



Em três meses, todos os táxis que circulam no estado deverão ter plaquetas em braile informando a placa do veículo para que os passageiros com deficiência visual possam identificá-los. A exigência consta na Lei 15.479, publicada nessa quinta-feira (16) no Diário Oficial.
As plaquetas deverão ser confeccionadas em formato padrão com 4cm x 7cm e podem ser de acetato ou outro material similar. Os informes deverão ser afixados no painel da frente ao banco do carona e na porta traseira do lado direito do veículo. Os espaços foram regulamentados para possibilitar o toque por parte dos passageiros.

Os taxistas que não cumprirem a exigência ficarão expostos a sanções administrativas.(Com informações do Pernambuco.com)

Aplicativo feito em Campinas auxilia na tradução entre português e libras.

Ferramenta desenvolvida no Instituto Eldorado está disponível para iOS. Ao digitar uma palavra no sistema, é possível ver com dizê-la com sinais.


Do G1 Campinas e região


Um aplicativo desenvolvido por pesquisadores do Instituto Eldorado, na Unicamp, em Campinas(SP), tem a intenção de facilitar a comunicação de pessoas com deficiência auditiva, e com elas. Segundo os criadores, a ferramenta disponível para celulares, chamada de Uni Libras, consiste em um dicionário da linguagem de sinais.
Aplicativo criado em Campinas facilita comunicação entre surdos (Foto: Reprodução/Apple Store)Aplicativo Uni Libras ajuda nas traduções entre
português e libras (Foto: Reprodução/Apple Store)
Ao digitar uma palavra utilizando o alfabeto em português, o usuário visualiza como ela é representada em libras, por meio de um instrutor que mostra, na tela, como dizê-la em sinais.

Libras-português
A ferramenta também faz a função contrária, já que é possível escolher sinais na tela e saber como a palavra é escrita em português.

O aplicativo está disponível para smartphones e tablets com sistema operacional iOS e já foi baixado 1,2 mil vezes. Segundo os administradores, em seis meses a ferramenta também será disponibilizada para celulares que funcionam com a plataforma Android. 


 Fonte: g1.globo.com

CPB divulga o regulamento das Paralimpíadas Escolares 2015, que serão realizadas em Natal, no Rio Grande do Norte.

 Estudantes nas Paralimpíadas Escolares 2014.    


             15891275602_68104a2e0c_k

15705890839_a0e25b8e0e_kO Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) divulgou nesta quinta-feira, 16, o regulamento das Paralimpíadas Escolares 2015, marcadas para o mês de novembro, de 23 a 28, em Natal, no estado do Rio Grande do Norte.
Os estudantes, de 13 a 17 anos, disputarão medalhas em dez modalidades: atletismo, natação, futebol de 5, futebol de 7, goalball, tênis de mesa, bocha, judô, tênis em cadeira de rodas e voleibol sentado.
Disputadas desde 2006, as Paralimpíadas Escolares já foram vitrine de alguns dos mais talentosos atletas paralímpicos brasileiros da atualidade. Alan Fonteles, campeão mundial e ouro nos Jogos Paralímpicos de Londres-2012, Lorena Spoladore e Verônica Hipólito, campeãs mundiais de atletismo, Talisson Glock, medalhista mundial da natação, e Leomon Moreno, campeão e artilheiro do último Mundial de Goalball (modalidade exclusiva para cegos), são alguns dos nomes que passaram pela maior competição estudantil do país.
O CPB organiza as Paralimpíadas Escolares com recursos provenientes da Lei Agnelo/Piva, que prevê que 0,3% da arrecadação bruta das loterias federais do país sejam repassados anualmente ao Comitê Paralímpico Brasileiro.
Veja o regulamento click : AQUI

Netflix tornará acessível suas séries para pessoas com deficiência visual.

O recurso é conhecido e utilizado em filmes e séries, embora a Netflix não a tivesse ainda disponibilizado para o público.

                           Foto do logo da Netflix

NetflixSite externo., site de streaming que vem investindo na produção de séries de sucesso, divulgou que a série Demolidor agora terá a opção de audiodescrição, recurso que possibilita que pessoas com deficiência visual compreendam o que se passa no ambiente do programa.

O recurso é conhecido e utilizado em filmes e séries, embora a Netflix não a tivesse ainda disponibilizado para o público. A ideia surgiu após a campanha #Dare2Describe realizada no Twitter, buscando a adesão das pessoas para solicitar a inclusão de audiodescrição na série.

Outras séries exibidas pelo site, como House Of Cards, Orange Is The New Black e Marco Polo, também estão incluídos na lista para receber o recurso. A previsão é que dentro de algumas semanas estas séries ganhem audiodescrição.

"Nós também estamos explorando adicionar audiodescrição em outros idiomas no futuro", comentou Tracy Wright, diretor de operações de conteúdo da Netflix. A ideia também será de trazer para shows e filmes, bem como tornar compatível com os diversos dispositivos, como smart TVs, tablets e smartphones.

Erro faz menina com escoliose aguardar 7 anos por cirurgia.

Ao ser chamada, foi constatado que Laura estava na fila errada; após liminar, ela deve demorar mais 7 anos para ser atendida.

                                     Foto de Laura sorrindo em sua cadeira de rodas

A mãe de uma menina com escoliose, deformidade que deixa a coluna em forma de “S”, entrou em contato com o âncora da Rádio BandNews FMSite externo., Ricardo Boechat, para contar o caso da filha. Ana Paula explicou que há sete anos, Laura, de 11 anos, estava na fila para fazer uma cirurgia na AACDSite externo.. Quando finalmente foi chamada, foi constatado que ela estava na fila errada durante todo esse tempo.


Após entrar com um processo junto à Defensoria Pública, os pais de Laura conseguiram uma liminar para a realização da cirurgia no Hospital das Clínicas.

Mesmo assim, hoje ela está na posição 220 da fila e deve levar mais sete anos para ser atendida.

Procurada, a AACD ainda não se manifestou sobre o caso.

A deficiente auditiva que ensinou língua de sinais aos seus gatos.

 

Se você ainda tinha dúvidas sobre a capacidade de aprendizagem dos gatos, está na hora de rever seus conceitos. Esses três felinos foram capazes de aprender linguagem de sinais com sua dona – e hoje convivem muito bem com ela e seu marido, que são deficientes auditivos.

Kim Silva passou anos ensinando linguagem de sinais em uma escola para surdos e decidiu que seus gatos também poderiam aprender a se comunicar desta maneira. Como um dos animais também é deficiente auditivo, a aprendizagem acabou se tornando bastante útil para todos.

Se não acredita, confira o vídeo abaixo.


gatos

gatos2

gatos3

gatos4


Todas as iamgens: Reprodução YouTube

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Diabetes: As novidades para 2015 – tecnologia, medicamentos mais eficazes, menos pontas de dedo.

Todo ano esperamos por novidades no tratamento do Diabetes, principalmente os portadores de DM1, que devem ter em sua rotina várias medições de glicemia capilar ( as pontas de dedo), além de picadas para insulina, ou os que usam um tratamento mais moderno, a Bomba de Insulina ( que também utiliza agulhas, mas estas são trocadas apenas a cada 3 dias)                   



                                          IBG Star
                        IBG Star



O ano de 2014 foi um ano com algumas novidades tecnológicas bem bacanas em diabetes. Novidades que facilitam nosso dia a dia, nos aproximam cada vez mais de uma rotina quase que ideal, e ainda nos aproxima dos médicos que nos acompanham. E neste início de 2015 também já apontam novidades que prometem muito. Para retomar meus posts depois de meses de muitos trabalhinhos que me afastaram um pouco do dia a dia no blog (agora acabou ta?) , que tal um panorama das novidades?
 
Como já foi falado por aqui na época do lançamento, uma das novidades foi o Glicosímetro IBG Star, da Sanofi, que se acopla ao iPhone4, permitindo uma plataforma de interação e comunicação muito facilitada (além de a tira precisar de muito pouco sangue). Infelizmente, ainda não existe esse dispositivo disponível para os Iphones 5 e 6, é necessário o uso de um adaptador. Mas o produto é muito bom, os gráficos nos dão uma visão muito mais realista de como anda nosso controle, e ajudar os médicos que avaliam e nos aconselham ao melhor tratamento.
 
Já para os medicamentos necessários para o tratamento do Diabetes, o laboratório Novo Nordisk lançou no final do ano passadoa primeira insulina basal com duração maior que 24 horas, a Deglutec, que pode ajudar muito na diminuição de picos de hipoglicemia noturna, por exemplo.
 
Para quem é portador de Diabetes Tipo 2, a Dapagliflozina, também foi lançado, permitindo a eliminação de glicose na urina mais precocemente (antes que ocorra hiperglicemia).
 
Dapaglifozina
 
Em relação ao Sistema de Infusão Contínua de Insulina ( Bomba de Insulina) a novidade veio por conta da Medronic, que passou a comercializar no Brasil, um sensor mais confortável e preciso, o Enlite, assim como a Medtronic Veo (bomba que suspende a liberação de insulina quando a glicose atinge um nível baixo ( previamente programado pelo usuário) , ajudando a evitar hipoglicemias severas), e que fica supenso por 2 horas, a não ser que o usuário cancele esta suspensão.
 
Medtronic Enlite
 
Pelo laboratório Abbott FreeStyle Libre, foi lançado na Europa, com a promessa de, através de sensor de glicemia que terá duração de 14 dias, substituir por completo as pontas-de-dedo. Mas, claro, o uso do glicosímetro como ferramenta de monitorização continua, uma vez que o sensor faz parte do aparelho. Apenas as picadas “chatinhas” é que deixam de existir…o que já é uma boa notícia não?
 
Freestyle Libre Abbott
Freestyle Libre Abbott
 
Sistema Integrado de monitor de glicose e bomba de insulina Johsons & Johsons com Dexcom teve nos EUA liberada a comercialização do que compete já alguns anos com a Medtronic na Europa (chamadoAnimas Vibe). Este equipamento, pelo menos por enquanto, ainda não deve ser comercializado no Brasil.
 
Bomba de Insulina Animas Vibe
 
Recentemente, em um congresso em Paris, o AATD 2015, foram lançados alguns equipamentos com tecnologia ainda mais avançada no gerenciamento do diabetes.
 
A Bomba + Sensor MedtronicMiniMed® 640G System, do laboratório Medtronic, teve seu pré – lançamento na Austrália. Este Sistema de Infusão suspende a insulina antes de a hipoglicemia acontecer, ou seja, quando os índices glicêmicos estão em queda o bloqueio já é realizado, o que evita que o paciente entre em hipoglicemia. Quando os níveis de glicose se estabilizam, a insulina volta a ser liberada. Esta bomba de insulina ainda usa um sensor ainda mais sensível que o já existente no mercado, o Enlite 2.
 
A nova e promissora  MiniMed 640G
 
Ainda existem limitações relacionadas ao fato de ainda se trata-se de um sistema de bomba (que depende de programação prévia e bolus selecionados pelo usuário) e sensor de glicose (que depende de calibrações com base nos resultados de glicemia capilar), ,mas já se fala que este talvez seja o equipamento que mais se aproxima de um pâncreas artificial .
 
Para quem é usuário do Accu Check Combo, vejam só a nova bomba do laboratório Roche, o Accu Check Insight .Este sistema de infusão possui mais funcionalidades, é mais moderno, utiliza a tecnologia bluetooth. O “glicosímetro “ , que é a ferramenta de gerenciamento do diabetes – um tanto similar com o nosso Smart Combo – se parece muito com um smartphone, mais familiar ao usuário.
 
Accu Check Insight
 
Essas novidades nos enchem de animo para obter sempre o melhor controle, cuidar da nossa alimentação, atividade física, nossas pontas de dedo. Agora é manter toda essa rotina em foco, não se descuidar para que possamos aproveitar tudo o que a tecnologia está nos permitindo realizar.
 
Claro que a cada notícia que recebemos sobre novas insulinas, medicamentos inteligentes, pâncreas biônico, transplantes, tudo são promessas de uma vida melhor para todos os diabéticos, mas que ainda teremos que esperar – com sabedoria – o momento em que tantas inovações farão com que nossa vida seja quase normal.
 
Vamos aguardar a chegada de mais novidades e, enquanto isso, nos cuidar! Essa será sem dúvida, a melhor maneira de chegar no futuro prontos para os nossos “presentes”!
 

Ebola é achado em sêmen de paciente curado há 6 meses.

Genebra, Suíça. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indicou ontem que encontrou vestígios do vírus do ebola no sêmen de um homem na Libéria curado seis meses antes.


Paciente da República Democrática do Congo ainda carrega vírus
Rodrigo Rodrigues/Estadão Conteúdo 10/10/2014 Paciente da República Democrática do Congo ainda carrega vírus

Até hoje, a presença mais longa do vírus no corpo de um paciente registrada pela organização era de “82 dias desde o início da infecção”, segundo um estudo de 1995 sobre um paciente da República Democrática do Congo (RDC).
 
“Foram encontrados vestígios do vírus no esperma ao menos seis meses depois da cura” do paciente, afirmou o porta-voz da OMS, Tarek Jasarevic.
 
No entanto, disse o porta-voz, há no momento um único caso, o do paciente da Libéria.
 
Esse homem deixou uma unidade de tratamento do ebola em setembro depois que seus testes sanguíneos deram negativo para o vírus. O paciente “entregou uma amostra de seu esperma que deu positivo 175 dias depois de seu teste sanguíneo negativo”, explicou Jasarevic.
 
“Precisamos entender melhor se esse caso particular é uma anomalia ou se realmente um grupo de pessoas pode conservar vestígios de ebola por um prazo tão longo. Levará um tempo fazer esses estudos”, disse o porta-voz.
 
Quanto ao caráter potencialmente infeccioso desse esperma, a OMS preferiu não tirar conclusões e emitir apenas uma mensagem de prevenção.
 
Recomendações
Até agora, a recomendação de evitar relações sexuais depois de ser infectado pelo vírus se limitava a três meses após o surgimento dos primeiros sintomas da doença.
 
A incubação do vírus dura até 21 dias, período durante o qual a pessoa deve permanecer em observação.
 
O vírus deixou 10.604 mortos desde seu surgimento, no fim de 2013 no oeste da África, principalmente em Libéria, Serra Leoa e Guiné, segundo o último relatório da OMS.
 

Auxílios não ópticos para baixa visão.

   

“Auxílios” são produtos, instrumentos, equipamentos ou tecnologia adaptada ou especialmente projetada para melhorar a funcionalidade da pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida, favorecendo a autonomia pessoal, total ou assistida. Basicamente, os auxílios para baixa visão podem ser divididos em: não ópticos, ópticos e eletrônicos.

Os auxílios não ópticos para baixa visão são os que não empregam sistemas ópticos, porém modificam materiais e o ambiente para promover melhor desempenho visual da pessoa com baixa visão.


Ampliação

A ampliação de letras em impressos ajuda alguns pacientes com visão subnormal, pois favorece a leitura pela magnificação real pelo maior contraste e pela menor freqüência espacial obtida. Além dos impressos, também é possível ampliar caracteres utilizados em teclados de telefone, relógios, jogos e outros. Além da ampliação, há outros detalhes que facilitam o paciente durante sua leitura ou outras atividades:

• Espaçamento entre linhas (ao menos 30% da altura da letra empregada para facilitar a localização do início do texto na linha).

• Uso de letras minúsculas e maiúsculas ao invés de somente maiúscula ou minúscula.

• Uso de fontes simples (fontes muito elaboradas – com muito detalhes – dificultam a leitura).

• Margens estreitas para maior aproveitamento da largura da folha e evitar papel brilhante.
Infelizmente são poucas opções de publicações ampliadas, e a maneira mais utilizada é o escaneamento do texto com reimpressão utilizando fontes maiores.


Para posicionamento e postura
Muitos auxílios ópticos requerem uma distância muito pequena de leitura, o que torna a atividade cansativa e pode levar à falência da adaptação. Por isso, é importante uma boa postura e um posicionamento adequado do material.

Os auxílios mais utilizados são pranchas inclinadas e apoio de material de leitura. Eles ajudam a manter o material em um ângulo de 45 graus com o plano da mesa, possibilitando que a linha de visão seja perpendicular ao planto do texto, oferecendo maior conforto e manutenção do foco com uso do auxílio óptico.

prancha inclinada

Para escrita e leitura

• Guias para escritas: podem ser confeccionados em cartão preto e com fendas nos locais que devem ser preenchidos (para cheques, por exemplo).

• Folhas com pauta ampliada e reforçada: facilitam a ampliação das letras e aumentam o contraste da linha com o papel.

• Canetas porosas e lápis macio (3b ou 6b): para o aumento do contraste.


Para controle da iluminação


Os auxílios para controle da iluminação diminuem o desconforto visual, aumentam o contraste e melhoram a resolução visual. Os pacientes com visão subnormal necessitam de níveis diferentes de iluminação. Alguns podem apresentar mais sensibilidade ao deslumbramento e outros menor sensibilidade ao contraste, necessitando de períodos prolongados para adaptação fotópica ou escotópica. É importante ressaltar que após os 65 anos de idade o paciente necessita de três vezes mais iluminação que um indivíduo de 20 anos para a realização das mesmas tarefas.

Os auxílios de controle de iluminação podem ser divididos em: fontes de luz e diminuição da luz refletida.


Fonte de luz

Para modificar a iluminação podemos alterar a intensidade da fonte de luz ou modificar a sua distância da superfície. A luz natural é a preferida pelos pacientes com baixa visão, porém é difícil de ser controlada. As opções de iluminação artificial são:

• Lâmpadas incandescentes: Emitem mais luz amarela, são mais direcionais e permitem maior contraste. São indicadas para pacientes com Catarata ou outras opacificações dos meios ópticos (a luz amarela sofre menos dispersão e leva ao menor ofuscamento). Apresenta como desvantagem o calor gerado, não devendo ser utilizadas muito próximas.

• Lâmpadas fluorescentes: Possibilitam menor contraste e, por emitirem mais luz azul que as lâmpadas incandescentes, são mais ofuscantes. Suas vantagens são que não geram calor e podem ser usadas próximas do paciente.

• Lâmpadas de halogêneo: Fornece iluminação intensa e direcional, porém há relatos de efeitos tóxicos pela emissão de radiação ultravioleta, levando maior preocupação na sua indicação.


Diminuição da luz refletida


• Tiposcópio: É um guia para leitura, confeccionado em cartão ou material plástico preto, com uma fenda com altura para duas linhas do texto a ser lido e com largura do texto, podendo ser modificado de acordo com a necessidade. Tem a função de diminuir a luz refletida sobre o papel branco, aumentar o contraste da linha a ser lida com o fundo e facilitar a localização e seguimento. 


tiposcopio

• Acetato de amarelo disposto sobre o texto: reduz a luz refletida e aumenta o contraste.


texto com acetato de amarelo

• Armações de óculos com proteções laterais: Evita a entrada de radiação indesejada. São mais indicadas quando a diminuição do campo visual periférico não causa prejuízo na funcionalidade do paciente.

• Uso de viseiras, bonés e chapéus.

• Fendas estenopeicas e óculos com múltiplos orifícios são pouco utilizados.


Dr. Paulo Miziara - Médico Residente em Oftalmologia

E-mail: paulomiziara89@gmail.com

Fontes: Coleção CBO – Série Oftalmologia Brasileira - www.acessibilidadenapratica.com.br

Imagens: Google

Lutador Amazonense, campeão mundial de parajiu-jitsu, diz que o esporte o ajudou a superar barreiras.

                   paratleta-arte-marciais


“O esporte me trouxe qualidade de vida e me incluiu. O esporte acabou com aquela do ‘eu acho’, do ‘será que eu posso lutar de igual para igual?’e graças ao jiu-jitsu eu consegui me incluir no esporte. O ‘será que eu posso?’ deixou de existir e agora só existe o ‘eu posso’”.

Esse é o relato de Alex Taveira de Lira, paratleta faixa-preta de jiu-jitsu. Alex, que possui uma deficiência congênita na perna direita (quando algum órgão do corpo humano não se desenvolve por completo) e pratica a “arte suave” desde os 11 anos de idade. Alex, que hoje tem 29 anos, foi campeão mundial da categoria galo e absoluto no campeonato mundial de parajiu-jitsu realizada no mês de novembro do ano passado, em Santo André, São Paulo.
Entre os dias 9 e 12 de abril, o lutador participou da Feira Internacional de Tecnologias em reabilitação, Inclusão e Acessibilidade (Reatech) ondês expôs suas experiências com o esporte.
“Foi profundo conhecer aquelas pessoas. Eu uso uma muleta e troquei minhas experiências que com as pessoas que estavam lá. Além de mim, estava o Daniel Dias (campeão olímpico de natação) e viramos celebridades. Tinha um garotinho lá que usava próteses e o sonho dele era ser lutador de MMA e quando ele viu as demonstrações de golpes, ele ficou bem animado”, disse.
O atleta treina na academia Team Taveira, que recebeu durante a Reatech um certificado da Confederação Brasileira Paradesportiva de Jiu-Jitsu, um certificado de aptidão do ensino do jiu-jitsu para pessoas com deficiência. Alex conta que, na academia, já treina dois deficientes visuais e uma pessoa com paralisia cerebral. Um dos atletas que é cego, irá participar do Campeonato Amazonense de Jiu-Jitsu convencional, provando que para o esporte, não há limitações.
Fontes: acritica.uol.com.br - pessoascomdeficiencia.com.br

Itaú Unibanco terá que reintegrar bancária com paraparesia contratada em cota de pessoas com deficiência.

   noticias-cadeirante

O Itaú Unibanco S.A. foi condenado a reintegrar uma assistente de atendimento com deficiência demitida sem justa causa e sem que sua vaga tenha sido ocupada por outro trabalhador nas mesmas condições. Para a Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que não conheceu de recurso do banco, a dispensa violou o artigo 93, paragrafo 1º, da Lei de Benefícios da Previdência Social (Lei 8.213/91), que exige a contratação de um substituto antes da dispensa de trabalhador reabilitado ou com deficiência.
A bancária, com paraparesia (perda parcial das funções motoras dos membros inferiores ou superiores), moveu ação trabalhista ao constatar que o banco não cumpriu a exigência da lei, pedindo a nulidade da dispensa, a reintegração e o pagamento dos salários vencidos e demais verbas do período que permaneceu desligada. O banco, em sua defesa, alegou que a legislação não garante estabilidade ao portador de necessidades especiais, e sua dispensa não torna obrigatória a contratação de profissional com deficiência idêntica, mas semelhante. Também afirmou que cumpriu todas as determinações previstas para a admissão de profissionais com deficiência e que cumpre a porcentagem mínima prevista.
O juízo da 1ª Vara do Trabalho de Fortaleza (CE) considerou o pedido da trabalhadora improcedente, entendendo que a norma legal não obriga a substituição ao mesmo posto de trabalho, mas apenas a manutenção do percentual mínimo de empregados especiais no quadro. A sentença, porém, foi reformada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região (CE), que determinou a reintegração da bancária. Para o TRT-CE, necessidade de substituição prévia é legitima, e não ficou comprovada a admissão de outro profissional para a vaga, o que torna a dispensa nula.
TST
A relatora do recurso do Itaú ao TST, ministra Kátia Arruda, destacou que a lei não prevê estabilidade, mas, ao condicionar a possibilidade de dispensa à contratação de outro trabalhador em condições semelhantes, resguarda o direito do empregado de permanecer no emprego até que seja cumprida a exigência. “O direito de reintegração, então, não diz respeito a uma garantia de direito individual, mas social, quando não observada a exigência do dispositivo de lei federal, ficando assegurado ao trabalhador não propriamente o direito à estabilidade, mas, sim, à garantia provisória no emprego”, explicou.
A ministra também destacou que, para acolher a argumentação do banco de que teria cumprido todas as determinações legais para a contratação de empregado portador de deficiência ou reabilitado, seria necessário o reexame de fatos e provas, vedado pela Súmula 126 do TST.
A decisão foi unânime. Após a publicação do acórdão, o banco interpôs embargos à Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais, ainda não distribuídos.
Fontes: olhardireto.com.br - pessoascomdeficiencia.com.br

Cadeirantes quebram calçada em protesto para chamar atenção contra a falta de acessibilidade.

  cadeirantes-protesto

Um grupo de cadeirantes, sem ligações com associações, realizaram nesta quarta-feira, 15, um protesto inusitado. Munidos de marretas, os manifestantes quebraram uma calçada na Avenida Fernandes Lima, nas proximidades de uma agência da Caixa Econômica Federal para chamar a atenção das autoridades acerca da falta de acessibilidade nas ruas de Maceió.
Por causa do protesto, uma das faixas da Fernandes Lima, uma das mais movimentadas da capital, foi obstruída. Populares simpatizantes do movimento, ajudaram a quebrar a calçada. “Queremos mostrar nossa revolta e indignação pela falta de respeito com o cadeirante. Somos nós que sofremos piadas e humilhação na rua”, disse André Dionísio, em entrevista à imprensa.
Ainda segundo André, o grupo já teria se reunido com o Ministério Público Estadual, mas até o momento nenhuma decisão foi tomada.
Por causa do protesto, o trânsito ficou mais lento no sentido Tabuleiro/Centro.
Click AQUI para ver o vídeo:
Fontes:  alagoas24horas.com.brpessoascomdeficiencia.com.br

Aprovado nos EUA medicamento genérico para esclerose múltipla.

Matoula Kastrioti, de 46 anos e que tem esclerose múltipla, aprecia a praia sentada no "Seatrac" - dispositivo movido a energia solar que permite às pessoas com deficiência entrar e sair do mar de forma autônoma - em uma praia no oeste de Atenas, Grécia. A foto é de 2013

AFP

      Reuters/Yorgos Karahalis
    Matoula Kastrioti, de 46 anos e que tem esclerose múltipla, aprecia a praia sentada no "Seatrac" - dispositivo movido a energia solar que permite às pessoas com deficiência entrar e sair do mar de forma autônoma - em uma praia no oeste de Atenas, Grécia. A foto é de 2013

A gigante farmacêutica suíça Novartis anunciou nesta quinta-feira que a Sandoz, subsidiária dedicada a medicamentos genéricos, obteve o sinal verde das autoridades de saúde dos Estados Unidos para uma versão genérica de um tratamento para a esclerose múltipla.


A agência norte-americana que regula os medicamentos (Food and Drug Administration, a FDA) aprovou um medicamento da Sandoz chamado Glatopa, uma versão genérica do Copaxone 20 mg, um tratamento desenvolvido pelo grupo israelense Teva, afirmou a Novartis em comunicado.

O Glatopa, desenvolvido com a empresa de biotecnologia norte-americana Momenta, é a primeira versão genérica deste tratamento aprovada para formas reincidentes de esclerose múltipla.

"A Sandoz, com Momenta, se orgulha de ser a primeira empresa a receber aprovação da FDA para uma versão genérica substituível deste tratamento importante", disse Peter Goldschmidt, presidente da Sandoz EUA, em comunicado.

A esclerose múltipla é uma doença debilitante que afeta cerca de meio milhão de pessoas nos Estados Unidos, segundo a Novartis.

O Copaxone é o carro-chefe grupo israelense Teva, responsável sozinho por cerca de um quinto de sua receita.

O grupo israelense, conhecido como líder mundial em medicamentos genéricos, não poupou esforços para proteger a droga, centro de uma disputa legal com a Sandoz sobre a qual o Supremo Tribunal Federal dos Estados Unidos se pronunciou em janeiro.

Na Bolsa de Nova York, onde o grupo israelense é cotado, o título caiu 3,76%, a 63,49 dólares.

"A Teva reconheceu há algum tempo que uma versão genérica do nosso Copaxone 20 mg/mL poderia entrar no mercado e nós já trabalhávamos com isso", informou um porta-voz, procurado pela AFP.

O grupo lançou uma versão em 40mg, dizendo-se satisfeito com a aplicação e adoção pelos médicos.


quinta-feira, 16 de abril de 2015

10 lindas imagens de crianças especiais.

Lindos e fofos!
É impossível ver imagens como essas e não sorrir. Esses pequenos já nasceram guerreiros.
garotinha com síndrome de down
 Imagem extraída da fan page Kids With Down Syndrome
garotinha amputada da perna
Imagem: Handicap Persons Marriage Point (Facebook)
garotinho com síndrome de down
Imagem extraída da fan page Kids With Down Syndrome
gêmeas com síndrome de down
Gêmeas com síndrome de down (Imagem extraída da fan page Kids With Down Syndrome)
garotas com câncer
A fotógrafa Lora Scantling, de Bethany, Oklahoma, nos Estados Unidos, fez ensaio de crianças com câncer para campanha de conscientização.
garotinho com síndrome de down
Imagem extraída da fan page Kids With Down Syndrome
garotinho cadeirante
Garotinho cadeirante
garotinha com síndrome de down
Imagem extraída da fan page Kids With Down Syndrome
garotinho com síndrome de down
Imagem extraída da fan page Kids With Down Syndrome
menino e menina com síndrome de down
Imagem extraída da fan page Kids With Down Syndrome