sábado, 13 de junho de 2015

Crianças visitam II Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas e têm aula da modalidade com atletas em Curitiba.

  DSC_9663
 A atleta Monica Santos interagiu com os alunos em Curitiba.

O primeiro dia de competição da II Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas, nesta sexta-feira, 12, ficou marcado pela visita de alunos de escolas municipais de Curitiba, que pela primeira vez puderam acompanhar uma competição da modalidade e, de quebra, ganharam uma aula de esgrima dos atletas na Sociedade Esportiva Thalia.
Sabrina dos Santos tem dez anos. Cadeirante, a aluna da Escola Heráclito Fontoura Sobral Pinto acompanhou as competições e entrou na pista para praticar junto com o esgrimista Sandro Colaço. “Eu brinco de bola, de boneca, mas nem sabia que existia a esgrima em cadeira de rodas. Eu gostei e quem sabe um dia eu volte a jogar”, disse Sabrina, que não possui equilíbrio nas pernas devido à falta de oxigênio no parto.
Outro estudante que aproveitou o dia foi Igor da Silva. Com o sonho de ser jogador de futebol, o garoto de nove anos ficou entusiasmado ao conhecer a modalidade. “Eu já tinha visto as pessoas competirem de pé, mas na cadeira de rodas é uma novidade”, afirmou. Empolgado, Igor disse que vai pedir à sua mãe para praticar a esgrima. “Eu já faço futebol mas agora também quero fazer a esgrima”.
A atleta da Asasepode/União Mônica Santos, que venceu recentemente o Campeonato Regional das Américas, no Canadá, foi uma das atletas a interagir com a criançada. “Essa foi a primeira vez que as crianças comparecem nas competições de esgrima. É muito importante, deixa o dia mais alegre e ainda faz a inclusão social”, afirmou.
O primeiro dia de provas da II Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas teve a presença do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, que participou de uma homenagem ao ex-esgrimista Ronaldo Schwantes. Primeiro medalhista brasileiro na esgrima em Jogos Pan-americanos e falecido há dois anos, Ronaldo foi representado por sua filha, Lorana, que fez a entrega das medalhas aos vencedores do dia.
No florete masculino A, o campeão paralímpico Jovane Guissoni (Asasepode/União) superou o paulista Alex Souza (ECP) por 15 a 14 e garantiu o ouro. Os bronzes ficaram com Fabio Damasceno (Asasepode/União) e Lenilson Oliveira (Adecamp). Jovane também ficou em primeiro na sua principal prova, a espada masculino B. Na decisão contra o Rodrigo Massarut (ADFP), o gaúcho venceu por 9 a 4.
Já no florete masculino C, Lucas Freitas (Asasepode/União) não decepcionou o confronto contra o seu companheiro de equipe, Marcos Melo. Em um combate equilibrado, Freitas conseguiu o resultado positivo ao vencer por 15 a 13. Entre as mulheres, na disputa da espada, Karina Maia (ADFP) superou a sua colega de clube, Janaina Aguilera, por 15 a 11 e subiu no lugar mais alto do pódio. Ficaram com as terceiras posições Rudineia Manica (Asasepode/União) e Scheila Mattik (ADFP).
Serviço
II Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas
Data: 12 a 14 de junho
Local: Rua Comendador Araújo, 338 – Centro Curitiba (PR)
Horários: 9h às 17h (sexta-feira e sábado) e 9h às 12h (domingo)

CRIANÇA CADEIRANTE DANÇA BALÉ COM AMIGA DE ESCOLA DE 6 ANOS.

     

Uma história linda surgiu da amizade das crianças Antônio – que é cadeirante – e Alícia, ambas de 6 anos de idade. Por meio de um vídeo enviado para o Encontro por Alice, mãe da menina, Fátima e os convidados assistiram a uma coreografia feita pelas duas crianças, que são melhores amigos na escola. No palco do programa, eles repetiram a linda dança e emocionaram a todos.
A professora Cleide Fernando explicou por que escolheu os dois para representar a turma na apresentação do Dia das Mães. “Notei a amizade e cumplicidade deles na aula de dança. E a dança é isso: superação, não tem limites. Por meio da dança, eles estão aqui. Antônio é o primeiro cadeirante que coreografei, e eles conseguiram absorver a dança muito bem”, contou.
Ao terminarem de dançar, Fátima fez questão de elogiar a apresentação: “Foi lindo demais. Se eu fosse jurada e vocês estivessem no Dança dos Famosos, eu daria 10. Tudo foi mais bonito, porque um não tirou o olho do outro. Parabéns a professora por estar fazendo um trabalho tão bonito na escola pública”, disse a apresentadora, emocionada.
Espera por cirurgia
Crianças dançam no Encontro (Foto: TV Globo)
Antônio está esperando, há 5 anos, uma operação no joelho que pode fazêlo voltar a andar. Ele tem artrogripose, que é o enrijecimento das articulações. A mãe de Antônio contou também que o cabelo do menino é longo, pois fez uma promessa para São Francisco de Assis: quando ele voltar a andar, vai cortar as madeixas.
As crianças falaram da amizade entre eles e encantaram a todos.
Click AQUI e confira no vídeo e emocione-se também!
Fontes: gshow - www.casadaptada.com.br

COMO FAZER UM CASAMENTO ACESSÍVEL E ECONÔMICO.

Por Maristella Soares

   CASAMENTO CASADAPTADA (29)

A palavra “acessível” é muito atrativa para nós, não é mesmo?!

Porém, tenho de lhes informar que hoje o “acessível” não se refere a valores monetários e nem mesmo ao acesso aos locais de cerimônia/recepção, mas sim à “Acessibilidade”.
Então, hoje continuaremos essa série, acrescentando reflexões sobre acessibilidade, para te ajudar a atender as diversas especificidades que possam existir entre seus convidados.
Vamos aprender juntos/as?!
Fiz um apanhado dos principais termos e definições necessários para o entendimento do assunto. Todos devidamente referenciados ao final do post!
Vale ressaltar que os conceitos aqui apresentados são apenas para que possamos saber um pouco mais sobre o assunto, sem finalidade científica. Não foi realizada nenhuma busca bibliográfica exaustiva, ok!
Um pouquinho de conceitos, então:
Vamos começar pelo ponto principal dessa prosa: Deficiência
Vejamos agora aquelas que ocorrem com maior frequência:
Quem esteve de olho nos noticiários de dezembro passado deve ter visto a saia justa enfrentada pela Presidenta Dilma ao se equivocar no uso do termo “portadores de deficiência”. Se não soube, leia.
Antes mesmo desse deslize esse post já estava encaminhado, e já abarcava esse dilema!
Ao buscar conteúdos relacionados ao assunto somos muitas vezes levados ao erro da Presidenta, pois muitos documentos relativamente antigos, mesmo legislações, portarias mencionam “Portadores de deficiência” ou “Portadores de necessidades especiais“, “Pessoas com necessidades especiais”  Então, nada de condenar a presidenta ou qualquer outro cidadão!
O que nos interessa é saber a razão pela qual esses termos não são apropriados:
Certo! E “portadores de deficiência”?
“O que que é certo, então?!”
— Atualmente o correto é dizer “Pessoa COM deficiência“.
A deficiência está COM a pessoa!
Temos também alguns outros casos, tão importantes quanto: Mobilidade reduzida e Dificuldade de locomoção!
Depois de compreender as particularidades que os convidados podem apresentar relacionadas às sua condição física, é hora de compreender o que se pode fazer para minimizar as diferenças!
Prestaram atenção? “COM SEGURANÇA”
“E a tal inclusão?”
Notaram que no conceito o termo usado é “pessoa com necessidades especiais”? Não tive acesso à edição mais recente da obra para conferir se foi atualizado…
Depois dessa sopa de letrinhas, vamos ao foco de nosso interesse: Como incorporar acessibilidade num casamento? Como promover inclusão neste momento?
Primeiro recorra a sua lista de convidados. Identifique os convidados com deficiência/mobilidade reduzida  e quais as suas necessidades.
Depois de identificadas, essas especificidades devem fazer parte de seus critérios de escolhas.
Os pontos mais cruciais a serem observados são:
Acesso (rampas/escadas)
Fonte: Google Imagens
Banheiros (barras de apoio e largura da porta)
Fonte: Google Imagens
A cerimônia e recepção são eventos relativamente curtos, logo, não se faz necessário uma estrutura extremamente elaborada… Mas esses pontos são básicos para que a pessoa com necessidades especiais tenha um mínimo de independência e autonomia em seu período de permanência nos locais.
“E se não tiver nada disso?”
Aí a gente conta com os braços fortes e solidários presentes!
O intuito é alertar para que você, caso tenha convidados com deficiências, possa olhar os espaços a serem escolhidos pensando também nessas necessidades, pois não são itens de acessibilidade que deixam uma locação mais ou menos cara, logo, se puder escolher por um espaço que atenda perfeitamente essas especificidades, melhor!
Mas se vocês já locaram um local que não atenderá algumas necessidades dos convidados ou não encontram nenhum local que possa atender, não se desesperem.
Como já disse, são poucas horas e haverá uma porção de pessoas dispostas a minimizar as diferenças físicas existentes!
Ah! Importante: Não inventem “Gambiarras”! Destacamos lá em cima: o conceito de acessibilidade menciona “com segurança”! Não me vá arrumar dor de cabeça, hein!
Outras formas de aconchegar melhor essas pessoas
Cerimônia:
  • Reserve lugares que possibilitem boa visão para acomodar pessoas com mobilidade reduzida/dificuldade de locomoção, reservando lugar não somente a ela, mas também aos seus familiares mais próximos.
  • Para isso, faça um mapa da igreja ou do local da cerimônia, identifique esses locais e prepare algum papel para identificar a reserva dos lugares (normalmente lugares mais a frente e nos corredores). No ‘grande dia’, oriente a pessoa que for lhe assessorar tanto paradirecionar esses convidados a esses locais quanto para respeitar caso o convidado opte por sentar-se em outro local qualquer.
  • Faça o mesmo também para idosos, reserve lugares a frente para que seus olhinhos cansados possam apreciar os momentos da celebração de sua união.
  • Algum desses convidados está entre seus padrinhos? Tem madrinha grávida? Bota cadeira lá no altar!!!

Fonte: Google Imagens
  • Caso tenha convidados com deficiência auditiva, você pode preparar um roteiro, incluir letras de músicas, etc. para que esse convidado possa acompanhar sua cerimônia. Da mesma maneira, instrua a pessoa que estiver te auxiliando no dia para entrega do material ao convidado.

  • Se o número de convidados com deficiência auditiva for alto, verifique a viabilidade de incluir tradução simultânea em Libras (Língua Brasileira de Sinais). Se você tem muitos conhecidos nessa condição não será difícil que entre seus conhecidos haja alguém que possa lhe auxiliar nessa tarefa!
    • Ao final desse post você encontrará uma dica de leitura a esse respeito!
  • Caso tenha convidados com deficiência visual, você pode também verifique a viabilidade de alguém ficar próximo à essa pessoa relatando os detalhes visuais. E se tiver muitos convidados com esse tipo de deficiência, também tem uma indicação de leitura bastante interessante lá no final!

Fonte: G1 e Vercompalavras, respectivamente
Recepção:
  • No local da recepção procure também elaborar um mapa do local e tente visualizar a locomoção pelo espaço. Se achar que pode ser difícil para algum convidado se locomover, vocês também podem “reservar” uma mesa mais apropriada e novamente contar com sua assessoria para orientar esse convidado (ou respeitar seu desejo contrário).

  • No caso dos idosos e pais com crianças pequenas, alguns podem preferir sentarem-se afastados do som. Também deixe a orientação para seu pessoal de apoio, para que perguntem ao convidado idoso e/ou aos pais com bebê se desejam sentarem-se um pouco mais afastado do som, e assim poder sugerir um local menos agitado para se sentar.

  • Se você sabe que os idosos são da bagunça, nem esquente!
Fonte: Google Imagens
Viu que nenhuma dessas dicas aumenta significativamente os investimentos?!
Viu que sua lista de convidados pode lhe trazer uma porção de respostas, que vão muito além do total de pagantes?
A gente casa para a gente! Mas para comemorar, comemoramos COM os outros… E é possível pensar com carinho em alguns detalhes erecepcionar bem, na medida do possível, todos os convidados, respeitando suas características individuais!
Conseguir abarcar todas as especificidades fica difícil, mas aqueles que conseguirmos suprir farão uma diferença positiva muito bacana!
E você? Tem um exemplo legal, uma opinião contrária, uma ideia a acrescentar?
Ou ainda, você e/ou noivo(a) possuem deficiência?!

Fonte: Noiva cadeirante
Conta pra gente!
Dentre minhas leituras de apoio, encontrei uma sugestão interessante à esse respeito…
Todos nós sabemos que nosso destino é um dia sermos idosos. Mas o que de fato o destino nos reserva é desconhecido, e podemos cedo ou tarde passar a integrar as estatísticas de pessoas com deficiências.
E quantas “deficiências” há no mundo para as pessoas com deficiências???
Diante disso, quando estiver em contato com fornecedores (buffet,espaço para eventosigrejas, etc), ainda que você não tenha nenhum convidado com deficiência, faça essa pergunta: Vocês estão preparados para receber pessoas com deficiência?!
Se a resposta for negativa, demonstre que esse fator te entristeceu!
Quem sabe assim futuros casais tenham menos dificuldade em encontrar espaços preparados para inclusão das pessoas com deficiência?!
Fontes: http://casandosemgrana.com.br/ - www.casadaptada.com.br

Grupo no interior de SP dá ‘multa moral’ a quem estaciona em vaga reservada.

                                   multa-moral

Uma associação de São José do Rio Pardo decidiu criar uma multa moral para alertar motoristas que utilizam indevidamente vagas destinadas a idosos e deficientes. Uma mensagem, nos mesmos moldes de uma multa, é deixada no vidro dos infratores
Conscientizar, de forma bem-humorada, motoristas que param irregularmente em vagas destinadas a idosos e a deficientes físicos. Esse é o objetivo de uma campanha realizada em São José do Rio Pardo (a 254 km da capital de São Paulo) que distribui multas morais, sem valor financeiro, aos motoristas que infringem a lei.
A campanha, intitulada ‘Dê Espaço ao Respeito”, é idealizada pela Arepid (Associação Rio-Pardense Esportiva e Paradesportiva do Idoso e do Deficiente) e começou a ser colocada em prática há um mês. O objetivo, de acordo com a instituição, é dar um “puxão de orelha” em quem utiliza indevidamente locais reservados. A campanha tem apoio da ACI (Associação Comercial e Industrial) do município.
A cidade possui pouco mais de 51 mil habitantes e, segundo a Arepid, perto de 7.000 são idosos ou possuem algum tipo de deficiência que dariam acesso às vagas exclusivas. A prefeitura, por sua vez, informou que, a cada quarteirão onde funciona o serviço de Zona Azul, 5% das vagas são reservadas, o que significa uma para idosos e uma para deficientes.
De acordo com Sérgio Braz, professor de educação física idealizador do projeto e que dá aulas de voleibol para idosos e de atletismo para pessoas com deficiência, a intenção é mostrar que as vagas exclusivas são necessárias. “Por falta de conhecimento, a população acaba parando nesses locais. Então nós confeccionamos 5.000 multas, que são colocadas nos veículos parados indevidamente. É um puxão de orelha e esperamos que as pessoas aceitem.”
Melhorias
Em vez de pagar a multa e perder pontos na carteira, a penalidade proposta é “aceitar esse puxão de orelha com bom humor e admitir seu erro”. Cada multa vem ainda com o texto “Pense que essa vaga existe por um motivo especial: ela é adaptada às necessidades de quem realmente precisa. Pense bem da próxima vez – é ruim ver sua vaga ocupada por quem não deveria, né?”.
Segundo Braz, em alguns casos, uma pessoa com deficiência ou idosa espera o motorista infrator chegar e explica por que precisa da vaga. “A chance de a postura mudar é maior quando quem errou vê que está prejudicando alguém de fato”, conta.
A campanha é permanente e melhorias estão sendo sentidas em alguns locais. “Já percebemos uma mudança da parte dos motoristas. Também estamos pensando em fazer campanha dentro dos bancos, já que muitos deles ainda não fizeram adaptação do piso tático do deficiente visual.”
Para quem precisa das vagas, a medida causou boa impressão. É o caso de Renato José Guimarães Pereira, que teve uma das pernas amputadas há cinco anos, depois de um acidente de moto. “Não sei o que acontece com as pessoas. Muitas não têm a mínima consciência do que é ser um deficiente físico e depender de uma vaga, de uma rampa, de respeito no trânsito, enfim, de meios de acessibilidade para viver em sociedade.”
Para ele, a multa moral serve como uma espécie de tapa com luva de pelica nos infratores. “Espero que as pessoas entendam o objetivo da campanha e aceitem como um toque de cidadania. É preciso ter mais consciência em relação às dificuldades pelas quais passam idosos e pessoas com deficiência.”
Já o auxiliar administrativo Arthur Vilares Santos, 34, que recebeu uma das multas, levou a bronca com bom humor. “A gente sabe que a vida de todos é corrida, mas eu admito que errei. O puxão de orelha vai servir”, disse.

Multa e pontos na carteira
Independentemente da campanha e da advertência moral, o ato de utilizar um espaço destinado a idosos ou deficientes é considerado uma infração leve. “O trabalho de multar é feito pela Polícia Militar, que também pode ser acionada pela população em caso de qualquer irregularidade”, informa o secretário de Trânsito da cidade, Carlos Donizete Brambila.
A multa é de R$ 53,20 e três pontos na carteira. Em 2015, das 480 multas aplicadas pela PM, 135 foram por estacionamento irregular. O secretário não soube precisar, entretanto, quantas dessas foram dadas a motoristas que pararam em locais reservados.
Fontes: UOL.com.br - pessoascomdeficiencia.com.br

“Faça Parte”: cadeirantes sofrem para embarcar em ônibus na Estação São Gabriel.

                     acessibilidade-metrô

Tumulto para entrar nos ônibus, bebedouros estragados, elevadores quebrados. Se isso já incomoda qualquer passageiro, é um transtorno incalculável para os cadeirantes e outras pessoas com mobilidade reduzida, como os idosos.
A reportagem acompanhou um cadeirante na Estação São Gabriel, na região nordeste de BH, para verificar os problemas apontados. No meio da multidão, Edson Marcos gravou um vídeo para mostrar os riscos que enfrenta diariamente para ir ao trabalho.
Daqui a pouco o Move vai chegar e não tem preferência para cadeirante. E nenhum funcionário para ajudar.
O Thiago Helton, do quadro “Faça Parte”, acompanhou o Edson Marcos durante um dia para mostrar as dificuldades. Os corredores da estação são amplos, mas o primeiro problema encontrado foi um elevador quebrado. Com isso, os cadeirantes precisam dar a volta e atrasar o percurso para encontrar um equipamento que funcione.
Todo dia são 20 ou 30 minutos para conseguir entrar no Move.
O cadeirante também passa sede, já que os bebedouros estão estragados.
Com relação aos problemas apresentados, a BHTrans afirmou que os elevadores foram consertados e os bebedouros, que quebraram por atos de vandalismo, vão passar por reparos. Depois da reportagem, a BHTrans instalou uma placa na plataforma para explicar que pessoas com dificuldade de locomoção, idosos e gestantes têm preferência para embarcar.
Segundo dados do IBGE, 45 milhões de brasileiros, ou 24% da população, tem alguma dificuldade de locomoção. Apesar disso, é notória a dificuldade ou falta de interesse do poder público em adaptar as cidades para este público.
Fontes: noticias.r7.com - pessoascomdeficiencia.com.br

Filho com paralisia cerebral leva britânico a investir em empreendedores deficientes.

Ideia do fundo de investimentos é ajudar deficientes a vencer temor de perder benefícios e abrir negócio próprio.


BBC
        
        Foto: Thinkstock
       Ideia do fundo de investimentos é ajudar deficientes a vencer o temor de perder benefícios e abrir o próprio negócio (Foto: Thinkstock)
       Ideia do fundo de investimentos é ajudar deficientes a vencer o temor de perder benefícios       e abrir o próprio negócio.

O investidor britânico Hardeep Rai viu sua vida ser virada de ponta-cabeça quando seu filho nasceu, em 2006. Além das mudanças esperadas na rotina de um pai de primeira viagem, o fato de Eshan ter paralisia cerebral fez Rai ver tudo sob uma nova perspectiva - inclusive seus negócios.
Tanto que ele criou um fundo de investimentos apenas para apoiar empreendedores deficientes, para incentivá-los a abrir o próprio negócio.
"Há toneladas de boas ideias por aí, apenas esperando para sair do papel."
"À medida que acompanhava meu filho se desenvolver, eu percebia a magnitude de sua deficiência e também as barreiras que ele tinha de enfrentar", disse.
Isso o fez pensar na quantidade de pessoas em situações similares, com potencial para empreender, mas sem oportunidades ou apoio.
Assim, ele criou o fundo, chamado Kaleidoscope. Seu projeto tomou forma após uma reunião com Shane Bratby, que é deficiente, e tem um site chamado Disabled Entrepreneurs (empresendedores deficientes).
Para Shane, abrir o próprio negócio pode ser uma ótima maneira de um deficiente se sustentar. Mas ele está ciente de que, para muitos, ter um capital de investimento inicial é um grande obstáculo.
"Eu acho que muitos gerentes de banco têm medo de emprestar dinheiro para deficientes", diz Shane. Para ele, muitos investidores temem que nunca terão seu dinheiro de volta.
Benefícios
Mas dados do Office for National Statistcs (ONS), órgão do governo britânico, mostram que, das 30 milhões de pessoas aptas a trabalhar no país, 12% são deficientes.

Filho com paralisia cerebral inspirou Hardeep Rai a querer investir em negócios conduzidos por empreendedores (Foto: BBC)Filho com paralisia cerebral inspirou Hardeep Rai a querer investir em negócios conduzidos por empreendedores (Foto: BBC)
No entanto, a taxa de emprego entre deficientes no país é de 46%, bem mais baixa do que os 76% entre os trabalhadores sem deficiências.
Os dados mostram ainda que entre os 4 milhões de trabalhadores autônomos britânicos, apenas 14% são deficientes.
Além dos riscos intrínsecos a qualquer novo negócio, os deficientes também temem perder a segurança dos benefícios que recebem.
Brendan (que não quis dar o sobrenome por temer ser identificado) disse temer ficar preso na chamada "armadilha dos benefícios".
"Eu fico com medo de perder essa minha zona de conforto, de ficar sozinho", disse.
Brad Francis, que sofreu um infarto quando tinha 29 anos, planeja um negócio ligado a estilo de vida para deficientes (Foto: BBC)Brad Francis, que sofreu um infarto quando tinha 29 anos, planeja um negócio ligado a estilo de vida para deficientes (Foto: BBC)
Brendan já havia tentando trabalhar por conta própria como ator, mas que acabou perdendo os benefícios. Agora, ele pretende abrir um negócio ligado à arte.
"E se eu não conseguir dinheiro suficiente para me manter? Se o governo desse mais benefícios e oportunidades, certamente mais deficientes decidiriam abrir seu próprio negócio."
O interesse ficou evidente no evento organizada por Rai, para apresentar detalhes da Kaleidoscope.
Um dos potenciais investidores do fundo é John Stapleton, fundador da marca de sopas New Covent Garden e da linha de alimentação infantil Little Dish. Ele enfatiza que investir nessas pessoas não é caridade. "Não estou planejando doar meu dinheiro. Eu quero retorno. Então, se o negócio for promissor, vou investir."
Brad Francis, que sofreu um infarto com graves sequelas aos 29 anos, é um dos interessados no apoio da Kaleidoscope. Ele diz que não pode revelar qual será seu produto, mas diz que será ligado a um estilo de vida divertido para deficientes.
Fonte: g1.globo.com

TORONTO VAI SEDIAR ‘ORGIA ACESSÍVEL’ PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA.

EVENTO DELICIOUSLY DISABLED

                            Andrew Morrison-Gurza é um dos organizadores da orgia em Toronto
                                               

Canadá – A cidade de Toronto vai sediar o primeiro “evento sexual” para cadeirantes do mundo. Segundo o “Toronto Sun”, o “Deliciosamente Desabilitados” — a primeira festa de sexo voltada para o público — vai acontecer em um teatro na cidade canadense. O evento tem capacidade para receber 125 pessoas e é aberto para cadeirantes ou não.

“Uma cadeira de rodas pode virar um brinquedo sexual”, disse o sócio organizador do evento, Andrew Morrison-Gurza.
“Pessoas em cadeiras de rodas estão fazendo sexo de mais qualidade do que muitos outros”, de acordo com a criadora do evento, Stella Palikarova, de 35 anos.
Stella declarou à publicação que teve a ideia após ouvir de várias pessoas que “tinha algo errado” com sua libido já que ela está em uma cadeira de rodas e tem atrofia muscular.
Além disso, ela disse que não há nenhum evento do tipo voltado para portadores de necessidades especiais e decidiu fazer algo a respeito.
“Fazendo esse festa acessível, estamos dizendo abertamente às pessoas que somos seres sexuais e não apenas das formas convencionais”, declarou Stella.
A orgia está marcada para o dia 14 de agosto, mesmo mês que a cidade vai sediar os Jogos Parapan Americanos.
Segundo organizador, ‘uma cadeira de rodas pode virar um brinquedo sexual’
Fontes: O dia - www.casadaptada.com.br

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Atuais campeões começam o Regional Sudeste I de Goalball com o pé direito.

  
 Foto: Jogadores da URECE-RJ fazem a defesa durante jogo contra o ILBES-ES


Uberlândia/MG – O Ginásio Sabiazinho, em Uberlândia, recebeu nesta quinta-feira (11), os primeiros jogos do Regional Sudeste I de Goalball – 13 no total. Os atuais campeões começaram a trajetória na busca por mais um título com o pé direito. No masculino, a URECE-RJ venceu duas partidas, e terminou o dia na primeira colocação do Grupo A. Já as meninas do IBC-RJ lideram a chave no feminino com três pontos.
 
A abertura da competição aconteceu entre URECE-RJ e FADA-MG. Os cariocas venceram por 12 a 2. Nos jogos da tarde, a equipe entrou em quadra novamente, dessa vez para encarar o ILBES-ES, e o resultado também foi vitória por game: 18 a 8. Ainda pelo Grupo A, a ADUC-MG segue na cola do líder. O time mineiro teve apenas um jogo, mas a vitória sobre a UNICEP-ES, uma das candidatas à classificação, pelo placar de 12 a 11, colocou a equipe em boas condições de brigar pela vaga para a próxima fase.
 
No Grupo B, CEIBC-RJ e APUV-MG não deram chances aos adversários e conquistaram duas vitórias cada. As equipes abriram vantagem na disputa pela classificação. O time do Rio de Janeiro venceu a ADEVITRIM-MG, por 11 a 7, e a AADV-PC-MG, por 13 a 3. Os donos da casa também tiveram bons resultados. Triunfo sobre a ADEVIBEL-MG pelo placar de 11 a 8, e vitória em cima da ADEVITRIM-MG, por 16 a 6.
 
Os jogos da categoria feminina deixaram o IBC-RJ bem perto da classificação. O resultado de 10 a 0 sobre a ADEVIBEL-MG permite à equipe jogar por um empate na última rodada para se garantir como uma das classificadas do Grupo A. Sem entrar em quadra neste primeiro dia, as meninas da APUV-MG, farão duas partidas nesta sexta (12).
 
A Chave B tem a URECE-RJ como líder absoluta. Foram duas vitórias arrasadoras, num duplo 11 a 1, contra FADA-MG e ADUC-MG, que aparece em segundo lugar com uma vitória, sobre o ILBES-ES, por 8 a 7. Com a derrota o time capixaba é o terceiro, que mesmo com o saldo melhor que os mineiros, perde a posição pelo creitério de desempate. Sem pontuar, o FADA-MG não tem mais chance de classificação.
 
Nesta sexta-feira (12), mais 12 jogos movimentam a competição, onde serão conhecidas as primeiras equipes classificadas para as semifinais, que acontecem no sábado. O Regional Sudeste I de Goalball, além de ter a disputa do título, credencia as finalistas de cada categoria para a Copa CAIXA Loterias de Goalball, o campeonato mais importante da modalidade no país.
  
Serviço
Regional Sudeste I de Goalball 2015
Data: 11 a 14 de junho de 2015
Horários: 08h às 18h (11/06); 08h às 17h10 (12/06); 08h às 13h50 (13/06); e 08h às 10h30 (14/06)
Local: Ginásio Sabiazinho
Endereço: Av. Anselmo Alves dos Santos, 3415 - Tibery, Uberlândia – MG

Fonte: cbdv.org.br

Copa Brasil leva crianças de escolas municipais a descobrir esgrima em cadeira de rodas em Curitiba.

  16737109931_f83c8f93a1_k
 Esgrimistas em ação no mês de março durante a primeira edição da Copa Brasil.


A segunda etapa da Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas começa nesta sexta-feira, 12, em Curitiba, com um público bem especial. Um grupo de 40 estudantes das escolas municipais de Curitiba estará, a partir das 14h, na Sociedade Esportiva Thalia, para conhecer a modalidade.

Alunos da Escola Caramuru, da Escola de Educação Especial Helena Antipoff, e estudantes cadeirantes da Escola Heráclito Fontoura Sobral Pinto, além de acompanharem as competições na capital paranaense, também participarão de uma oficina, onde farão a experimentação da modalidade e conversarão com Jovane Guissone, campeão paralímpico em Londres-2012, e Mônica Santos, vencedora do Campeonato Regional das Américas, no Canadá.

O gaúcho Jovane Guissone está na contagem regressiva para os Jogos Paralímpicos do Rio-2016. Com recentes conquistas em competições internacionais (três ouros no Regional das Américas em Montreal, dois bronzes na etapa da Copa do Mundo em Montreal, e bronze na etapa da Copa do Mundo em Pisa, em maio), ele acredita que o encontro com as crianças só trará benefícios para o esporte.

“Eu estou muito ansioso para a competição no Rio de Janeiro em 2016. Disputando em casa,  nós precisaremos da torcida e é importante esse encontro para que as pessoas conheçam a modalidade e passem a vibrar por nós”, diz ele, que competirá nos três dias.

A II Copa Brasil em Curitiba contará com a participação de 42 atletas. Essa é a segunda competição do calendário nacional em 2015. A primeira foi a etapa da Copa Brasil em Belo Horizonte, em março. A última será em setembro, ainda em local a ser definido. A somatória de pontos das três competições resultará no ranking nacional, que define a Seleção Brasileira para a próxima temporada.

A competição na capital paranaense também serve de preparação para o Campeonato Mundial de Esgrima em Cadeira de Rodas, que acontecerá na cidade de Eger, na Hungria, de 17 a 24 de setembro.

Serviço

II Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas
Data: 12 a 14 de junho
Local: Rua Comendador Araújo, 338 – Centro Curitiba (PR)
Horários: 9h às 17h (sexta-feira e sábado) e 9h às 12h (domingo)