sábado, 1 de agosto de 2015

Campineiro busca doação para tentar voltar a andar.


Divulgação
Divulgação
Márcia, Armando e Leonardo descobriram uma cirurgia em Portugal que tem 70% de chances de sucesso.

Leonardo Aranha de Matos, de Campinas, tinha 20 anos quando sofreu um grave acidente de trânsito, em 16 de novembro de 2008, que o deixou tetraplégico. Hoje, sete anos depois, ele tem a possibilidade de fazer uma cirurgia com o uso de células olfativas em Portugal, que tem 70% de chance de fazê-lo voltar a andar. O problema é que o custo, 35 mil euros, cerca de R$ 140 mil reais, é inviável para a família, que precisa de ajuda para viabilizar a operação.

O pai, Armando Manoel de Matos Pereira, 59, conta como o acidente ocorreu. "Ele estava voltando para um churrasco para buscar a carteira que tinha esquecido. No que ele foi passar em um semáforo, acabou colidindo com outro carro, que estava a 120km/hora. O sinal estava amarelo piscante. O Leonardo fraturou as vértebras C4 e C5, e ficou tetraplégico", lembra.

A família decidiu não processar o outro motorista. "Isso só iria nos trazer dor de cabeça, e não iria fazer o meu filho voltar a andar", diz o pai.

De 2008 a 2010, a família de Leonardo buscou tratamentos no Brasil, mas nenhum deles era totalmente efetivo. Entretanto, uma nova esperança surgiu em Portugal, em uma técnica com o uso de células olfativas, que são retiradas do nariz do paciente e aplicadas na medula espinhal.

"Como o Leonardo tem cidadania portuguesa, estávamos tentando viabilizar a cirurgia através da rede pública de lá, mas desde 2010 era adiada por mudanças na equipe. Em 2014, ficamos sabendo do caso de um brasileiro que fez a operação pela rede particular portuguesa. Começamos a correr atrás e conseguimos, na última segunda-feira, a confirmação de que ele pode fazer a cirurgia em outubro deste ano", explica Armando.

Para viabilizar os R$ 140 mil, além de contar com doações, a família organiza eventos em busca de fundos para a operação, que será realizada no British Hospital, em Lisboa. "Até o momento, já conseguimos R$ 40 mil. Faltam R$ 100 mil. É difícil, mas não vamos desistir", afirma o pai.

Diante da possibilidade de voltar a andar, Leonardo não consegue conter a expectativa. "Estou louco para fazer logo a cirurgia. Desde 2010 que quero isso, mas não tinha dado certo. Agora está tudo indo bem e não vejo a hora de embarcar (para Portugal)", conta.

Hoje, acontece um bazar na Igreja São José, na Vila Industrial, em Campinas, das 10h às 18h, para angariar recursos para a cirurgia de Leonardo.

O endereço é Rua 24 de Maio, 477, próximo ao Teatro Castro Mendes.

Turismo Para Todos.



Que o turismo deve ser um direito universal nós já sabemos, porém para que seja bem aproveitado, com segurança e tranquilidade por pessoas com deficiência, são necessários alguns cuidados. Destes, muitos são específicos para a deficiência da pessoa, e a ausência de uma estrutura confiável pode trazer muitos riscos e problemas. Isto pode inviabilizar a viagem, caso não se possa contar com os profissionais e equipamentos corretos.

Sonhotur, empresa pioneira em turismo na Região de Erechim, está especializando-se em um produto inédito no Brasil: Turismo de Saúde, que alia diversão a cuidados especiais em viagens para pessoas com deficiências e idosos. Abre-se assim uma possibilidade para pessoas que tem necessidades específicas de tratamento de saúde possam curtir turismo em um país belíssimo: Portugal.


A Sonhotur acredita que todas as pessoas devem ter a oportunidade de “ser turista” sem preocupações em relação à sua condição ou aos cuidados de que necessita (higiene pessoal, cuidados diários, transporte, etc.). A equipe da Sonhotur tem experiência, competência profissional e possibilita a viagem para Portugal, sozinho ou acompanhado por amigos ou família, com a garantia que os seus serviços irão abranger todas as necessidades. Os profissionais são reconhecidos pela sua ampla experiência na prestação de cuidados diários e reabilitação. A equipe é composta por Enfermeiros, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Médicos, Nutricionistas entre outros profissionais de saúde. Se necessário, é possível prestar acompanhamento nas atividades e experiências por 12/24h por um profissional de saúde ou outro. O programa Turismo Para Todos tem uma grande rede de parcerias que permite oferecer diversas possibilidades aos clientes com a garantia de se tratar bem. O programa Turismo Para Todos permite-lhe conhecer Portugal sem limites! Mesmo que não possa interromper a sua reabilitação, ou que precise de tratamentos clínicos, eles tem a solução.

A Sonhotur está formando turmas para viagens para Lisboa com saídas em 13 de setembro e 17 de novembro. O valor do pacote de 9 dias e 7 noites parte de entrada de 630,00 euros mais 12 vezes de 145,00 euros no cartão. À vista, tem mais de 10% de desconto, sai por 2.106,00 euros. O pacote inclui hospedagem, transporte terrestre em veículo adaptado, refeições, entradas nas atrações, transfer e seguro de viagem. Não está incluída a passagem aérea de ida e volta. Além do pacote básico, o cliente pode solicitar à parte os serviços de cuidados diários de acordo com suas necessidades.

Quem tiver interesse, entre em contato pelo e-mail do Blog, blog.cadeirante@gmail.com, que eu dou mais informações e envio os formulários da Sonhotur, onde constam as necessidades e serviços que cada cliente possa ter. Bora pra Portugal?

Tetraplégico levanta copo com braço robótico controlado por chip no cérebro.

Pesquisa inovadora se concentrou em parte do cérebro que controla decisões, e não movimentos.

James Gallagher Editor de Saúde da BBC News


     Sorto foi baleado aos 21 anos e sonhava em beber cerveja sozinho (Foto: Reuters)         Sorto foi baleado aos 21 anos e sonhava em beber cerveja sozinho (Foto: Reuters)

Um homem conseguiu controlar um braço robótico por meio de um chip implantado em seu cérebro.

O chip permitiu que Erik Sorto, da Califórnia, bebesse um gole de uma bebida, sem ajuda, pela primeira vez em dez anos.

Os detalhes, publicados na revista científica Science, revelam como sinais elétricos complexos de seu cérebro puderam ser interpretados em comandos para o braço.

Controle da mente
Dois pequenos sensores foram implantados em seu cérebro para monitorar a atividade de cerca de cem neurônios.


Tentativas anteriores de robótica controladas pelo cérebro haviam se concentrado no córtex motor - a região responsável pela ação individual dos músculos.

Mas a equipe americana implantou o chip no córtex parietal posterior - a parte do cérebro que cuida da intenção inicial.

É a diferença entre decidir pegar uma caneca e enviar a mensagem para a sua mão se mover em direção a ela.

A equipe espera que essa abordagem seja mais intuitiva.

"A primeira vez que experimentou o braço robótico, ele conseguiu repetir o gesto de um estudante que estendeu a mão para cumprimentá-lo, como se estivessem apertando as mãos. Para ele, foi uma grande emoção", disse um dos pesquisadores, Richard Andersen, da Caltech.


Homem também fez uma vitamina com o braço (Foto: AFP)
Homem também fez uma vitamina com o braço (Foto: AFP)

Com treinamento, ele melhorou o controle até poder levantar o copo levando-o até sua boca e também controlar o cursor em uma tela de computador.

"Brinquei com os caras que eu queria beber cerveja sozinho, para poder fazê-lo no meu próprio ritmo quando quiser tomar um gole da minha cerveja e não ter que pedir a alguém para me dar", disse Sorto.

"Eu realmente sinto falta dessa independência. Acho que se eu fosse seguro, eu gostaria me de arrumar sozinho - fazer a barba, escovar meus dentes. Isso seria fantástico."

Progresso
Pesquisas sobre aproveitar um cérebro saudável para superar as deficiência de um corpo danificado estão avançando rapidamente, principalmente nos Estados Unidos.

Cathy Hutchinson usou um braço robótico para se servir um drink pela primeira vez desde um derrame há 15 anos.

Jan Scheuermann foi capaz de segurar e mover diversos objetos com precisão, como com um braço normal.

Mas os avanços ainda estão restritos aos laboratórios.

O procedimento requer um implante com fios que saem do cérebro, o que pode representar risco de infecção.

Cientistas também querem monitorar ainda mais células para melhorar o controle.
Em um comentário sobre a pesquisa, os pesquisadores Andrew Pruszynski e Jorn Diedrichsen afirmaram: "Os resultados representam mais um passo em direção a fazer o cérebro controlar um membro robótico uma realidade."

"Mas, apesar dos passos impressionantes dados nos últimos 15 anos, essas próteses ligadas a neurônios ainda têm um caminho significativo a percorrer antes de intervenções terapêuticas práticas."

Fonte: g1.globo.com

Brasil e mais oito países já garantiram vaga na bocha para os Jogos Paralímpicos do Rio-2016.

Dirceu Pinto (à direita) e Eliseu dos Santos (à esquerda) competindo nas Paralimpíadas de Londres-2012

A bocha já conhece nove países participantes dos Jogos Paralímpicos do Rio-2016. São eles: Brasil, Argentina, Bélgica, Canadá, China, Coreia do Sul, Eslováquia, Grã-Bretanha e Tailândia. As respectivas nações conquistaram medalha de ouro nos campeonatos continentais e garantiram vagas individuais e coletivas para os Jogos do ano que vem.
O Brasil garantiu a vaga para as Paralimpíadas na modalidade após ter uma dupla BC3 campeã da Copa América, disputada em Montreal, no Canadá, em maio. Junto com o Brasil, a Argentina (Equipes BC1/BC2) e o Canadá (duplas BC4) também conseguiram lugar nos Jogos depois de vencerem a competição continental.
No Campeonato da Ásia e da Oceania, disputado em Hong Kong no mês de junho, classificaram-se as campeãs Tailândia (equipes BC1/BC2), Coreia do Sul (duplas BC3) e China (duplas BC4).
Outros três países juntaram-se as seis nações que já haviam alcançado vaga para 2016. No Campeonato Europeu, último torneio continental e classificatório do ano, disputado em Guildford, na Inglaterra, nos dias 25 e 26 deste mês, decidiu vaga para três países nos Jogos do Rio. Grã-Bretanha, Bélgica e Eslováquia foram campeãs nas provas por equipes BC1/BC2, duplas BC3 e duplas BC4, respectivamente, e vão vir pra disputa no Rio de Janeiro.
Com a vaga para as provas coletivas, todos os nove países também garantem a participação de um atleta em cada uma das quatro provas individuais (BC1, BC2, BC3 e BC4). Como país-sede, o Brasil tem uma vaga garantida em cada prova.
Encerradas as qualificatórias diretas para as provas em duplas e equipes, a bocha conhecerá seus próximos classificados para as disputas coletivas somente com a divulgação do ranking mundial do esporte, que fecha no dia 30 de abril de 2016.
Já para as provas individuais ainda há classificação direta: o campeão de cada uma das quatro provas no Campeonato Mundial do ano que vem conseguirá vaga para o Rio-2016. O restante das classificações sairá dos rankings mundiais do esporte.
Com informações do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016

Conheça o primeiro hotel do mundo atendido e gerenciado por jovens com Síndrome de Down.

O projeto surgiu depois que Nicolás, um menino com Síndrome de Down, realizou um estágio no restaurante Tacabanda.

  

Quais são os pontos que você analisa antes de escolher um hotel para se hospedar? O tamanho dos quartos, as comodidades oferecidas, a quantidade de estrelas, o preço… Mas outras questões também são bastante importantes e já pesam na hora da escolha para muitas pessoas: a inclusão social é uma delas. E um hotel localizado na província de Asti, na Itália, é uma ótima escolha nesse sentido.

Com o nome de Albergo Etico, o espaço é atendido exclusivamente por jovens com Síndrome de Down. A Associação Albergo Etico é responsável pela inserção de pessoas com a síndrome no mercado de trabalho desde 2006. O objetivo é ajudá-los a conquistar autonomia, aprendendo a viver sozinhos, gestionar suas contas e trabalhar em grupo.

A inauguração do espaço, que conta com três estrelas, ocorreu no dia 18 de junho deste ano. Os visitantes que passarem por lá poderão desfrutar de 26 quartos com um total de 60 camas, além de um restaurante com capacidade para 50 pessoas, um belo jardim e até um espaço de coworking aberto para clientes e moradores da cidade.

O projeto surgiu depois que Nicolás, um menino com Síndrome de Down, realizou um estágio no restaurante Tacabanda, em Asti. A experiência transformou a vida do jovem e dos seus companheiros no lar especial em que vivia e deu origem à ideia de abrir cada vez mais espaço a jovens que convivem com a síndrome.
Jovem com síndrome de down serve casal sentado na mesa
Fontes: Hypeness - www.fernandazago.com.br

Inovação: grandes empresas se unem para criar tecnologias de acessibilidade.

 

Empresas de peso como Facebook, Yahoo!, Microsoft e Dropbox estão se unindo em prol de algo em comum: o desenvolvimento de mais tecnologias destinadas às pessoas com diferentes tipos de deficiências. Juntas, essas companhias e demais parceiros do ramo de educação, como as universidades de Stanford e Carnegie Mellon, criaram um grupo chamado Teaching Accessibility(ou, em português, Ensinando Acessibilidade).

O objetivo é desenvolver tecnologias que qualquer um pode usar, com modelos de treinamento e ensino para jovens estudantes programarem experiências acessíveis. O grupo analisará interações entre o homem e o computador, engenharias de educação e conceitos de design que atendam a populações diferentes, com pessoas com deficiência em mente.

O objetivo é desenvolver tecnologias que qualquer um pode usar, com modelos de treinamento e ensino para jovens estudantes programarem experiências acessíveis. O grupo analisará interações entre o homem e o computador, engenharias de educação e conceitos de design que atendam a populações diferentes, com pessoas com deficiência em mente.

Um momento histórico e importante

O anúncio do Teaching Accessibility coincide com o vigésimo quinto aniversário do Ato de Americanos com Deficiências, assinado pelo ex-presidente George Bush em 1990 e que garante benefícios a essa parcela da população. De acordo com publicação do Teaching Accessibility, estudantes de diferentes campos do conhecimento precisam aprender a criar tecnologias que sejam verdadeiramente inclusivas aos mais variados tipos de deficientes.


“A acessibilidade deve ser tornar algo popular, pois só assim as tecnologias atingirão o verdadeiro potencial de conectar todo mundo”, diz um anúncio do grupo. Empresas como Google, Apple e IBM também estão reunindo esforços para fazer com que seus produtos sejam mais inclusivos a todos. Esperamos que bons frutos saiam das parcerias entre as empresas do Teaching Accessibility. 

Atletas brasileiros embarcam neste sábado para os Jogos Parapan-Americanos de Toronto.



Os primeiros grupos de atletas brasileiros começam neste sábado, 1º, a embarcar para Toronto, no Canadá, para a disputa dos Jogos Parapan-Americanos 2015. Ao todo, a delegação é composta por 272 atletas e 19 apoiadores (atletas-guia, calheiros e pilotos) e chegará à maior cidade do Canadá com a missão de manter o primeiro lugar do quadro de medalhas, como aconteceu nas duas últimas edições do Parapan, no Rio-2007 e em Guadalajara-2011.
O primeiro bloco de atletas sairá do Rio de Janeiro, Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, o Galeão, às 20h04, no voo AC99, da Air Canada. No grupo estarão as Seleções de futebol de 5 (para cegos), futebol de 7 (paralisia cerebral), goalball, basquete em cadeira de rodas e tênis em cadeira de rodas.
Minutos depois, às 20h25, saem de São Paulo, do Aeroporto Internacional de Guarulhos, no voo AC 91, da Air Canada, as Seleções de natação, tiro com arco, bocha e tênis de mesa.
No Rio de Janeiro haverá atendimento à imprensa nos momentos que antecedem o embarque. O responsável pela tarefa será Thiago Rizerio, assessor de imprensa do Comitê Paralímpico Brasileiro, que estará no local desde o começo da tarde. Também serão feitas imagens da delegação para serem disponibilizadas no flickr do CPB (www.flickr.com/photos/cpboficial).
Além dos grupos deste sábado, ainda haverá brasileiros se dirigindo a Toronto nos dias 2, 4 e 6 de agosto. No domingo, 2, é a vez das Seleções de atletismo, halterofilismo, vôlei sentado e de rugby em cadeira de rodas partirem de São Paulo rumo ao Canadá. Dois dias depois, 4 de agosto, os representantes brasileiros do ciclismo embarcam para a competição. Os ciclistas estão disputando o Campeonato Mundial, na Suíça, e partem de Zurique direto para solo canadense. Os últimos a se juntar à maior delegação dos Jogos Parapan-Americanos são os judocas, que saem de São Paulo no dia 6 de agosto.
Assessoria de Imprensa do Comitê Paralímpico Brasileiro no embarque no Rio de Janeiro
Thiago Rizerio (thiago.rizerio@cpb.org.br / 61 3031 3035 / 61 9267 2935)

SporTV sela acordo e transmitirá os Jogos Parapan-Americanos de Toronto-2015.

150729102553981_TOParapans

O Comitê Paralímpico Brasileiro anuncia nesta sexta-feira, 31, que chegou a um acordo para transmissão dos Jogos Parapan-Americanos de Toronto-2015. O canal fechado SporTV será o responsável pela exibição. A Cerimônia de Abertura ocorrerá em 7 de agosto, enquanto o Encerramento será dia 15.
A competição continental contará com a presença de 272 atletas brasileiros. O time verde e amarelo terá a maior delegação do Parapan, superando até os donos da casa. O Brasil visa manter-se em primeiro lugar no quadro geral de medalhas, o que já ocorreu no Parapan de Guadalajara-2011 e no Rio de Janeiro-2007.
“Estamos muito felizes em poder anunciar que os Jogos Parapan-Americanos serão transmitidos pelo SporTV. O CPB tem uma parceria de longa data com o canal e para nós é muito importante saber que o torcedor brasileiro e o fã de esportes poderão assistir ao Parapan. Agora vamos em busca de manter o primeiro lugar no quadro de medalhas, fazer o Hino Nacional tocar todos os dias e dar alegrias à torcida”, disse Andrew Parsons, presidente do CPB.
O acordo permitirá que o canal transmita as competições de natação, atletismo, basquete e rugby em cadeira de rodas – modalidades cujos sinais são disponibilizados pela organização de Toronto-2015.
Tanto natação quanto atletismo são esportes considerados os carros-chefe da delegação, os responsáveis pela maior parte das medalhas. O Brasil venceu 197 medalhas em Guadalajara, sendo 85 conquistadas pela natação e 60 pelo atletismo.

Estrela austríaca do salto com vara fica paraplégica após queda em treino.

Kira Grünberg  ficou paraplégica após sofrer grave queda e chocar seu pescoço
com o chão em seu treino. 

Gazeta Press

Foto: Reprodução
Estrela austríaca do salto com vara fica paraplégica


Esta sexta-feira foi um dia triste para o esporte na Áustria. A saltadora com vara Kira Grünberg, de 21 anos, estrela da modalidade no país, ficou paraplégica após sofrer grave queda e chocar seu pescoço com o chão em seu treino da quinta-feira na cidade de Innsbruck.
Após o acidente, no qual rompeu vértebras cervicais da coluna, ela foi levada às pressas para o hospital da cidade, onde foi operada com urgência para manutenção das funções vitais e para evitar que ocorressem maiores danos à sua saúde. No pós-operatório, foi constatada a paraplegia, condição na qual se perdem o controle e a sensibilidade dos membros inferiores. Após acidente sofrido na quinta, o diagnóstico da paraplegia de Kira Grünberg foi divulgado nesta sexta A Federação Austríaca de Atletismo não demorou a se manifestar após o diagnóstico da saltadora, e, além de informar seu estado após o incidente, iniciou uma campanha de apoio a Kira, e, após consultar sua família, abriu uma conta para receber doações com objetivo de ajudar em seu tratamento.
“O grave acidente da saltadora com vara Kira Grünberg despertou uma onda de comoção e compaixão. Ela e sua família agora enfrentarão desafios muito maiores e mais prolongados que qualquer competição”, publicou a Federação em redes sociais.
Destaque no atletismo austríaco, Kira é dona do recorde nacional do salto com vara com marca de 4,45 m, obtida tanto ao ar livre quando no indoor, garantindo o topo do país em ambos.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Detran do Rio dificulta a vida de pessoas com mobilidade reduzida na hora de renovar a CNH.

Por Antonio Jorge de Melo



Sou cadeirante por conta de uma paraplegia parcial em função de estar acometido de uma doença degenerativa chamada Esclerose Lateral Amiotrófica, e por isso possuo restrições em minha habilitação para dirigir apenas veículos com direção hidráulica e que possuam câmbio automático.

No dia 28/07 fui ao Detran de Volta Redonda para fazer uma perícia médica para renovar a minha carteira de habilitação. Antigamente essa perícia era obrigatoriamente feita no posto do Detran na Gávea, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, independentemente de onde o condutor morasse. Isso era bastante oneroso e desgastante, pois precisávamos nos deslocar de nossas cidades, perder um dia inteiro com isso, deixando atividades de trabalho, estudo, gastando tempo e dinheiro.

Pois bem, agora a perícia pode ser feita na própria cidade do condutor, bastando que ele agende previamente após cumpridos os outros trâmites. Segundo o Dep Federal Nelson Gonçalves, essa Resolução foi de autoria dele, o que é muito louvável.

Mas para minha surpresa, o perito não teve a mínima preocupação em me examinar, não me encostou a mão, não perguntou absolutamente nada sobre minha condição de saúde, não perguntou se eu possuía algum laudo para que ele pudesse basear a sua decisão. Simplesmente carimbou a guia que ele deveria ter encaminhado ao Detran me designando como apto para dirigir para uma junta médica na Gávea. Pensei logo comigo: esse médico não deve ter a mínima noção do que é ELA, e entre se comprometer com o seu trabalho e com o contribuinte, ele  preferiu jogar o "pepino" pra frente e lavar as mãos, no melhor estilo do velho "jeitinho brasileiro".

Saí dali sem acreditar que aquilo tinha acontecido. Ainda vi o carro do Detran estacionado na porta do posto com o motorista que o trouxe, tudo pago com o dinheiro dos elevados impostos que eu e você pagamos as duras penas.

É facil entender porque o Brasil está do jeito que está. O poder público conspira contra os cidadãos, ao invés de se colocar ao lado deles. Ele nos onera, nos dificulta, nos ignora e nos oprime. O fato de você estar em uma cadeira de rodas significa que voce vai ter que “dar seus pulos”, se quiser ter seus direitos respeitados.

Mas como diz aquela máxima: “eu sou brasileiro e não desisto nunca!”

Deficiente físico realiza sonho de ganhar cadeira motorizada.

Supervisor de tráfego de empresa de ônibus se comove com situação e inicia campanha para conseguir cadeira.

cadeira-de-roda-motorizada

VOLTA REDONDA
“Quando não mais acreditava que um dia poderia deixar de andar com as mãos e joelhos, eis que Deus me manda um anjo”. Com essas palavras o deficiente físico José Antônio Gomes, 55 anos, comemorou a conquista de uma cadeira de rodas motorizada que ganhou depois de muita luta. Com má formação congênita das mãos, pés e joelho, José andava firmando as mãos e joelhos no chão.
O maior sonho de José era conseguir uma cadeira motorizada para se locomover melhor, já que nas cadeiras normais ele ficava impossibilitado de controlá-las. Mesmo com limitações nos braços e pernas, José, que é evangélico, nunca deixou de acreditar que um dia a sua vida seria melhor. E foi em um sábado, dia 4 de julho, que sua história de vida teve o melhor capítulo. Segundo ele, na data estava em casa, na Rua Votorantin, 20, no bairro Vila Rica de Três Poços, quando alguém bateu em sua porta. “Eu posso dizer que naquele momento a minha vida mudou para melhor. Um anjo apareceu em minha vida”, declarou emocionado o portador de deficiência física.
Contou que, ao atender a porta deu de frente com o supervisor de trafego da Viação Elite, João Bosco Ribeiro. Ao ser informado pelo desconhecido que iria ganhar uma cadeira motorizada, José agradeceu, mas não acreditou de primeira, pois garantiu que estava cansado de receber promessas e nunca ninguém cumpriu. “Até meus próprios parentes tentaram arrumar a cadeira motorizada para mim e não conseguiram. Outras muitas pessoas vieram aqui e falaram que iriam me ajudar e nada. Quando o seu João chegou aqui desta vez, confesso que não acreditei. Imaginei que fosse mais um ou até mesmo um político que ia prometer e nada fazer. Mas me enganei. Desta vez se tratava de um anjo mandado por Deus”, destacou José, ressaltando que desta vez foi diferente, pois ficou ansioso para chegar o dia de receber a cadeira.
A CHEGADA DO ANJO
E como João Bosco conheceu José? Disse que certo dia passava pela Avenida Amaral Peixoto, no Cento de Volta Redonda, quando viu algo passar atrás do ônibus. “Vi algo passar e pensei que era um animal. Logo percebi que se tratava de uma pessoa. Daquele dia em diante comecei a procurar informações de José e acabei descobrindo o endereço dele. E foi quando eu senti a necessidade de ajudá-lo. Falei com a minha filha e iniciei uma campanha nas redes sociais e com os amigos para a compra da cadeira de rodas motorizada para ele”, informou, lembrando que, em pouco tempo, as pessoas se comoveram e ajudaram na campanha. Explicou também que, além das doações um programa de rádio o ajudou e, através dele, fez a doação da cadeira a José.
Com essa cadeira, José, que é artesão, poderá viver melhor e vender seus artesanatos com mais facilidade. José confessa que, esperava por esse momento há anos. Disse que, por isso, acredita que João é mesmo um anjo enviado por Deus, já que se não fosse ele, a sua vida não tinha mudado. “Uma cadeira dessa custa mais de dois mil reais. Eu nunca ia ter esse dinheiro para comprar uma”, disse, lembrando que com ela está se locomovendo com dignidade. “Antes, eu descia a minha rua toda se arrastando. Sempre fui motivo de deboche de muitas pessoas. E para atravessar a pista para pegar ônibus era um sacrifício, pois os motoristas, muitas vezes me viam, mas não paravam. Teve uma noite, após retornar da igreja, fiquei de 9 horas até 11h40 esperando os carros passarem para atravessar a pista. Agora, graças a Deus posso fazer isso sem problemas, os carros param”, completou.
José é aluno da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Pinheiral (Apae) onde aprendeu a pintar panos de pratos e quadros. Hoje, ele sobrevive das vendas de seu próprio trabalho. E com a cadeira doada, ele garante que vai poder vender muito mais suas obras. Mesmo com suas limitações, José garante que agradece a Deus todos os dias por estar vivo. “Nasci com essa deficiência e sofri muito por causa disso. Minha infância e adolescência foram de sofrimento. Dos 14 aos 19 anos fiquei trancado em um quarto por vergonha dos meus pais, irmãos e amigos. Um dia um de meus irmãos, já falecido, me levou até a Apae de Barra Mansa para conhecer as dificuldades de outras pessoas. E na ocasião, a deficiência de uma moça me chamou a atenção e a partir daí comecei a viver. Hoje, estou aqui para contar a minha história de vida”.
CONSELHO
José ainda aconselhou as pessoas que são deficientes. “Nunca desistam de seus sonhos. Mesmo com qualquer deficiência, vale a pena viver, pois anjos são mandados por Deus. Olha o que aconteceu comigo. Hoje, João, um desconhecido apareceu para mudar de vez a minha vida. Com pouco tempo de convivência com ele, o considero como um irmão, pai, filho. Por isso, devemos acreditar até o fim”, frisou.
João declarou que, para ele também foi um momento de realização, pois pôde ajudar alguém que realmente necessitava. Lembrou que a solidariedade não para por ai. Ele disse que continua realizando sonhos do artesão. “Estamos realizando agora a adequação da casa de José para que ele viva ainda melhor no seu dia a dia. Estamos mexendo dentro da casa e depois iremos construir uma rampa na entrada do imóvel. Assim ele poderá se locomover melhor. Eu também estou feliz”, concluiu João.
Fontes: avozdacidade.com - pessoascomdeficiencia.com.br

Conheça a cachorrinha que surfa com deficientes físicos e crianças com autismo.

Ricochet ajuda pessoas a recuperar a auto-estima no mar.

tratamento-terapia-de-pessoas-com-deficiencia-com-animais

Quando a cachorrinha Ricochet nasceu, há seis anos, a dona dela quis que se tornasse uma terapeuta para pessoas com algum tipo de deficiência. A cadela foi treinada para isso e, ainda filhote, brincou de subir em uma prancha de surf. Foi o suficiente para Judy Fridono perceber que a cachorrinha se daria bem unindo o esporte aquático à terapia.
2
Judy explicou ao site Bored Panda que Jill perdeu uma perna em decorrência de um câncer e, por isso, surfa com Ricochet. Ela se apoia na cachorrinha para se levantar na prancha
Foto: Reprodução/ Bored Panda
3
Gina tem autismo e a autoconfiança dela cresceu muito após começar a surfar. Graças à ajuda de Ricochet, agora Gina é uma surfista.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
4
Sabine escreveu à dona de Ricochet perguntando se uma pessoa sem braços poderia surfar. Eis a resposta.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
5
Judy conta que Ricochet é uma cachorra sensível e que consegue entrar no mundo de cada um.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
6
Ela se adapta às necessidades das pessoas.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
7
West é autista e costumava ter muito medo de água, até aprender a surfar com Ricochet.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
8
Há histórias emocionantes perto de Ricochet, como a de Ian, que costumava surfar com o pai. Após perder os pais em um acidente de carro e ficar com uma lesão cerebral como sequela, ele ficou com medo de água. Ricochet o ajuda a superar.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
9
Há vídeos de Ricochet fazendo sucesso no YouTube e, recentemente, a cachorrinha virou livro.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
10
Caleb chegou a Ricochet pela associação Make a Wish, que realiza os desejos de pacientes terminais. O garoto realizou o sonho de surfar com a cachorrinha nas praias da Califórnia. Infelizmente, seis meses depois, perdeu a batalha para o câncer.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
11
Jake tem uma doença degenerativa, mas se divertiu surfando com Ricochet.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
12
Ricochet também surfa com veteranos de guerra.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
13
Esses dois meninos aguardavam um transplante de coração, e Ricochet ajudou a divulgar a campanha pela doação de órgãos.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
14
Ricochet também consegue lidar com ataques de pânico e prevenir crises de ansiedade.
Foto: Reprodução/ Bored Panda
15
A cachorrinha é uma verdadeira heroína que também ajuda a arrecadar fundos para instituições de caridade
Foto: Reprodução/ Bored Panda
Referência: Bored Panda