sábado, 25 de fevereiro de 2017

Governo e sociedade civil discutem ações estratégicas para a pessoa com deficiência

                                    Foto: A fotografia mostra uma sala ampla com uma tela ao fundo projetando “Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência”. Em uma mesa retangular grande estão os participantes da reunião observando o Secretário Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Substituto, Moisés Bauer Luiz. O Secretário está em primeiro plano na fotografia vestindo terno preto e olhando para o lado direito.

A Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Ministério dos Direitos Humanos (SNDPD/MDH) realizou essa semana um encontro com alguns representantes das instituições da sociedade civil dos direitos das pessoas com deficiência.

A reunião foi convocada pelo Secretário Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Substituto, Moisés Bauer Luiz, com o intuito de realizar a apresentação do planejamento estratégico da Secretaria para o biênio 2017-2018, além de propor uma construção coletiva de algumas das prioridades de ação.
"Eu acredito que é importante para o gestor público captar o que a sociedade civil tem a dizer, e saber utilizar isso como forma de melhorar as ações do órgão. Por isso convocamos essa reunião e contamos com o apoio de vocês para avançarmos na garantia dos direitos da pessoa com deficiência", destacou o Secretário durante a sua apresentação.
A sociedade civil aproveitou a oportunidade para sugerir propostas para ações em áreas como acessibilidade digital, acessibilidade arquitetônica, necessidade de criação de um fundo nacional para as pessoas com deficiência, soluções de tecnologia assistiva e fortalecimento dos movimentos sociais.
Estavam presentes no encontro representantes da Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais; Organização Nacional de Cegos do Brasil; Federação Nacional das Associações Pestalozzi; Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos; Associação Brasileira de Ostomizados; Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down; Organização Nacional de Entidades de Pessoas com Deficiência Física; Associação Brasileira de Autismo, Associação Brasileira de Rugby de Cadeira de Rodas; Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência, de Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade e Federação das Associações de Renais e Transplantados do Brasil.
Assessoria de Imprensa
Antonio Felipe de Almeida Gonçalves
Assessor de Comunicação - Gabinete do Secretário
Telefones: +55 (61) 2027 - 3493

As principais localizações em Londres para viajantes com mobilidade condicionada

Se-você-está-planejando-em-aventurar-fora-para-Londres-com-alguém-que-precisa-cadeira-acesse-nós-tenha-uma-série-de-atrações-worth-considerar
Se você está planejando se aventurar para Londres com alguém que precisa de acesso para cadeiras de rodas, temos uma série de atrações vale a pena considerar.
Afinal, nem todas as atrações acomodam visitantes com deficiência da mesma maneira. Naturalmente, existem alguns que estão indo apenas para fora do intervalo para um monte de viajantes. Felizmente, Londres é um lugar que está aberto a todas as culturas e as pessoas; E isso é refletido em muitas das atrações instalações e serviços extra.
Londres continua a melhorar a sua acessibilidade em muitos dos seus serviços de transporte. As excursões de táxi de Londres, os ônibus da turnê original e os passeios de London Walks são acessíveis a pessoas em cadeira de rodas. Os barcos de cruzeiros da cidade, que oferecem aventuras de remoinho ao longo da margem do rio, também estão disponíveis para usuários de cadeiras de rodas.
E o mesmo vale para as acomodações; Park Grand London Hyde Park Hotel é um excelente exemplo disso com seu serviço de quarto 24 horas, concierge e um restaurante no hotel. O hotel fica a apenas 6 minutos de caminhada da estação Paddington também; Tornando mais fácil para os viajantes a pé ao redor de Londres central. Além disso, com o Paddington encontrado nas proximidades, os hóspedes podem tomar ligações ferroviárias de alta velocidade e chegar a Heathrow em apenas 15 minutos.
Curiosamente, os passeios de guia e conversas da Torre de Londres, a Galeria Nacional de Retrato, eo museu de ciência - são dadas em língua de sinais britânica.
Embora São Catedrais tem duas entradas acessadas por 24 degraus, você vai encontrar acesso directo aos andares superiores através do elevador. O British Museum também é semelhante e oferece acesso gratuito para deficientes viajantes. O belo Kensington Palace permite a acessibilidade física dos jardins de Kensington ao palácio, e há acesso por elevador a todos os andares. E o Alojamento Hyde Park Londres nas proximidades é o melhor em termos de localização e luxo.
Deixe suas hesitações sobre viajar com alguém que precisa de acesso para cadeiras de rodas atrás. A verdade é que, Londres é um dos melhores lugares para se aventurar se você está olhando para experimentar um grande feriado com alguém que precisa de acesso para cadeiras de rodas. Quaisquer que sejam as condições que temos, se eles mentais, físicos ou psicológicos, se alguma coisa - viajar para um novo país só vai nos ajudar. Afinal, um novo ambiente pode revigorar-nos com nova inspiração, idéias e trazer uma certa vitalidade de volta à nossa vida.
Fontes: Park Grand - turismoadaptado.wordpress.com

Sergipano de 16 anos é convocado para seleção brasileira de paratletismo

João Pedro é o primeiro do estado a fazer parte da delegação nacional do Comitê Paralímpico Brasileiro. Ele disputará os Jogos Parapan-Americanos Jovens em março

Por GloboEsporte.com Aracaju

                                        João Pedro (Foto: Divulgação/SEED)
                                       João Pedro (Foto: Divulgação/SEED)

Fazer parte de uma seleção brasileira é sempre um sonho para atletas de quaisquer modalidades. É um grande estímulo para se esforçar ainda mais, principalmente quando ainda está no começo da carreira. Foi o que aconteceu com um sergipano de 16 anos.

João Pedro dos Santos foi convocado e vai ser o primeiro sergipano na delegação brasileira do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Destaque no paratletismo, o aluno da Escola Estadual Rodrigues Dórea e atleta do Centro de Treinamento da Secretaria de Estado da Educação (CT/Seed Polo Parque da Sementeira) tem conquistado bons resultados nos últimos quatro anos e agora foi premiado com esse convite.

O sergipano vai disputar os Jogos Parapan-Americanos de Jovens 2017 em São Paulo, de 22 a 25 de março. Mais de vinte países participarão do evento com 12 modalidades e que contará com cerca de mil atletas, com idade entre 13 e 21 anos.

                                  João Pedro (Foto: Divulgação/GES-SEED)
                                  João Pedro (Foto: Divulgação/GES-SEED)

A ficha ainda está caindo. Nós fazíamos um trabalho de inclusão por meio do esporte com os alunos da rede estadual, e os nossos paratletas se destacaram a tal ponto, que começamos a incentivá-los a participar de competições esportivas. João Pedro é um desses nossos alunos e os resultados de sua participação na Paralímpiadas Escolares 2016 o credenciou para esta convocação - explica o professor de educação física e treinador de João Pedro, Antônio Ferreira Melo Junior.

Importante ressaltar que o paratleta é cadeirante e o treinador, após conversas com a secretaria de educação do estado, adquiriu uma cadeira de rodas de competição para João Pedro, feita sob medida, em parceria com o Departamento de Educação Física da secretaria.

Muito mais que inclusão social, nosso trabalho hoje com estes jovens está voltado para o esporte de competição, haja vista os resultados que temos alcançados nas competições as quais participamos, como os Jogos da Primavera, organizado pela Seed, e os Jogos Paralímpicos Escolares, organizado pelo CPB, além de outras competições em nível nacional - destacou Antônio Ferreira Melo Junior.


Integrante da Império da Tijuca com paralisia cerebral desfila desde os sete anos - Veja o vídeo

Eneida transborda alegria na Sapucaí, onde desfila desde os 7 anos de idade. Escola da Tijuca é a primeira das cinco em que ela vai desfilar esse ano.

Por Marih Oliveira, G1 Rio

     Eneida desfila desde os 7 anos de idade na Sapucaí (Foto: Juliana Maselli)

A alegria Eneida Vasconcellos Resende na avenida é contagiante. Aos 42 anos, ela desfila desde os 7 só no ano passado desfilou em 10 escolas. Esse ano, a Império da Tijuca é a primeira das cinco escolas em que ela vai sair em 2017.

Click AQUI para ver o vídeo.

Eneida vem na ala " A Noite Estrelada", que representa uma chuva de estrelas que banha a noite do deserto, onde nasce o profeta João Batista. A escola é a quinta a cruzar a Sapucaí já na madrugada deste sábado (25).


Fonte: g1.globo.com

Mais de 100 motivos para comemorar a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência

Por Priscila Torres*



Criação de um cadastro para facilitar a elaboração de políticas públicas, aumento na punição para quem desrespeita direitos de pessoas com deficiência e proibição de atos discriminatórios, como cobrar mensalidade mais cara de alunos com deficiência. Esses são apenas alguns dos muitos avanços históricos da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI), que foi sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em 2015 e entrou em vigor no início desse ano. Também chamada de Estatuto da Pessoa com Deficiência, a lei possui mais de 100 artigos, todos com um objetivo único: promover equiparação de oportunidades, autonomia e acessibilidade a esse segmento da população brasileira.
A LBI é resultado de um trabalho que envolveu a sociedade civil e o governo federal.  “A Lei Brasileira de Inclusão é o compromisso da sociedade brasileira em reafirmar a dignidade das pessoas com deficiência. A LBI inova ao disciplinar como o poder público e a sociedade devem assumir suas responsabilidades no tratamento das pessoas com deficiência em igualdade de condições com as demais pessoas”, avalia secretário nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Direitos Humanos, Antônio José Ferreira.
Para o coordenador-geral de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Wederson Santos, faltava um marco legal para mudar efetivamente a realidade das pessoas com deficiência. “A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU, que no Brasil tem status constitucional desde 2009, já tinha afirmado a deficiência como componente da experiência humana. A Lei Brasileira de Inclusão é esse marco legislativo que faltava para inaugurar um novo tempo para as pessoas viverem sem discriminação e injustiças.”

Conheça alguns dos principais avanços da LBI:

  •     Criação do Cadastro-Inclusão: funcionará nos moldes do Cadastro do Sistema Único de Saúde. Coordenado pela Secretaria de Direitos Humanos, reunirá informações das pessoas com deficiência para que o governo federal tenha um banco de dados completo sobre esse público e possa elaborar políticas públicas com mais efetividade.
  •     Mudança na avaliação de pessoas com deficiência que reivindicam benefícios e direitos sociais: até o ano passado, essa avaliação era feita apenas por um profissional médico. Agora, com a lei, é necessário que esse trabalho seja executado por uma equipe multidisciplinar, composta por diferentes profissionais, que levem em conta, além da deficiência, aspectos como a realidade social, as barreiras enfrentadas pela pessoa que reivindica o benefício e fatores psicológicos.
  •     Proibição de práticas discriminatórias: qualquer prática que discrimine a pessoa com deficiência passa a ser proibida. Agora, uma escola que quiser cobrar mensalidade mais cara de alunos com deficiência, além de proibida, estará sujeita a punição.
  •     Punição agravada em caso de apropriação de benefícios: a LBI considera crime se apropriar de cartões de benefícios sociais ou previdenciários para receber em nome da pessoa com deficiência. E a pena é aumentada em um terço quando quem comete o crime é o cuidador.
  •     Punição por abandono: abandonar a pessoa com deficiência em hospitais, casas de saúde e abrigos também é considerado crime, independentemente da idade de quem sofre o abandono.
  •     Multa mais cara: estacionar indevidamente em vaga reservada para pessoa com deficiência ficará mais caro. O valor da multa deverá ser sinalizado na vaga.
  •     Auxílio-inclusão: quando for regulamentado, favorecerá a inclusão de pessoas com deficiência beneficiárias da assistência social no mercado de trabalho.
  •     Acessibilidade: fica garantida nos processos seletivos para acesso ao ensino superior e para aquisição de carteira de habilitação. Nesse último caso, também fica obrigatória a presença de intérprete de Libras quando houver a necessidade.
  •     Acesso: projetos e construções de edificação de uso privado multifamiliar, como condomínios, devem obrigatoriamente atender aos preceitos de acessibilidade e garantir percentual mínimo de unidades internamente acessíveis.
  •     Facilitador: A LBI autoriza pessoas com deficiência a sacarem recursos do FGTS para compra de órteses e próteses.
Clique aqui para acessar a íntegra da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm
Priscila Torres*
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de Artrite Reumatoide aos 26 anos, enquanto atuava como enfermeira, estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros. De repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída.
Hoje sou “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil. http://www.artritereumatoide.blog.br/


Dieta com ciclos de jejum pode regenerar pâncreas diabético, diz estudo

BBC Brasil

BBC


Uma nova dieta com pequenos ciclos de jejum consegue fazer o pâncreas afetado pelo diabetes recuperar suas funções, afirmam pesquisadores americanos. Experimentos com cobaias mostraram que quando o órgão - que ajuda a controlar a taxa de açúcar no organismo - se regenerou, os sintomas da doença desapareceram.

O estudo, feito por um grupo da Universidade do Sul da Califórnia, foi publicado na revista científica Cell.

Segundo os cientistas, a dieta consegue "reiniciar" o corpo e a descoberta é "potencialmente animadora" porque pode converter-se num novo tratamento do diabetes.

Eles afirmam, no entanto, que as pessoas não devem experimentar a dieta sem acompanhamento médico.

No experimento, ratos foram submetidos a um "regime que simula o jejum", explicam os pesquisadores.

Durante cinco dias, as cobaias receberam alimentos com poucas calorias, poucas proteínas, pobres em carboidratos e ricos em gordura insaturada como azeite de oliva, óleo de milho e de canola, castanha do Pará, amêndoa, salmão, sementes de linhaça e abacate, entre outros.

É um regime parecido com uma dieta vegetariana à base de nozes e sopas - mas com 800 a 1.100 calorias diárias.

Depois, as cobaias passaram 25 dias comendo de tudo, sem restrições.

Estudos anteriores já haviam indicado que esta dieta pode também retardar o ritmo do envelhecimento.

Reprogramação
Os ratos submetidos ao experimentos apresentaram regeneração em um tipo especial de célula no pâncreas: as células beta.

São elas que detectam o açúcar no sangue e, se este nível estiver muito alto, liberam insulina, o hormônio que pode controlá-lo.

"Nossa conclusão é de que ao levarmos os ratos a um estado extremo e trazê-los de volta - ou seja, ao deixá-los famintos e depois alimentá-los novamente - as células no pâncreas são levadas a uma reprogramação, que recupera parte do órgão que não estava mais funcionando", disse Valter Longo, um dos participantes do estudo.

O testes com ratos tiveram bons resultados tanto para diabetes do tipo 1 como para o tipo 2.

O tipo 1, ou diabetes mellitus, é caracaterizado pela destruição parcial ou total das células beta do pâncreas, que resulta na incapacidade progressiva de o organismo produzir insulina.

Este tipo aparece geralmente na infância ou adolescência, mas pode ser diagnosticado em adultos também. É sempre tratado com insulina, medicamentos, dieta e atividades físicas para ajudar a controlar o nível de glicose no sangue.

Já o tipo 2 se manifesta mais frequentemente em adultos, e está associado principalmente a um estilo de vida que faz com que o organismo não consiga usar adequadamente a insulina que produz ou deixe de produzir insulina suficiente para controlar a taxa de glicemia.

Cerca de 90% das pessoas com diabetes têm o tipo 2, de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes.

Dependendo da gravidade, a doença pode ser controlada com atividade física e planejamento alimentar. Em outros casos, exige o uso de insulina e outros medicamentos.

"Em termos médicos, estas descobertas são potencialmente muito importantes porque mostramos - em modelos com ratos - que se pode usar a dieta para reverter os sintomas da diabete", diz Longo.

"Em termos científicos, as descobertas talvez sejam ainda mais importantes porque mostramos a dieta pode servir para reprogramar as células sem que se tenha de fazer nenhuma alteração genética nelas."

Como é a dieta?
O repórter Peter Bowes, da BBC, participou de uma experiência com o Dr. Valter Longo. "Durante cada ciclo de cinco dias de jejum eu comia um quarto da quantidade que as pessoas consomem em média e perdi entre dois e quatro quilos", explica.

"Antes de fazer o ciclo seguinte de jejum, os 25 dias em que comi normalmente devolveram o meu peso original. Mas nem todas as consequências da dieta sumiram tão rapidamente."

A pressão sanguínea de Bowes baixou, assim como o hormônio IGF-1, que está relacionado a alguns tipos de câncer.

"As refeições muito pequenas que eu fiz durante os cinco dias de jejum não tinham nada de gourmet, mas eu ficava feliz de ter algo para comer", relembra.

Para saber se a dieta pode ajudar também o ser humano, os cientistas a aplicaram em 71 pessoas durante três meses e constataram melhora do nível de açúcar no sangue delas.

No entanto, Valter Longo diz que as pessoas não devem se apressar em adotar o novo regime. "Não é uma boa ideia tentar isso em casa. A dieta é muito mais sofisticada do que se imagina."

Ele adverte que as pessoas podem "ter problemas" de saúde se fizerem o regime sem supervisão médica.

Segundo Emily Burns, da organização britânica Diabetes UK, a notícia é "potencialmente muito boa, mas precisamos ver se os resultados são verdadeiros para os seres humanos antes de sabermos o que significam para os diabéticos".

"Pacientes com diabetes dos tipos 1 e 2 vão se beneficiariam imensamente de tratamentos que possam reparar ou regenerar as células produtoras de insulina no pâncreas", afirma.

Geraldo Von Rosenthal fatura o bronze na etapa da Copa do Mundo de Tiro Esportivo de Al Ain

Por CPB

Divulgação/CPB
Imagem
O pódio na etapa de Copa do Mundo contou com a presença do brasileiro Geraldo Von Rosenhtal (d)

O brasileiro Geraldo Von Rosenthal segue a sua participação na etapa da Copa do Mundo de Tiro Esportivo de Al Ain, nos Emirados Árabes Unidos. Nesta sexta-feira, 24, o gaúcho faturou a medalha de bronze na prova P5 (Pistola de Ar-10m Standard-Misto-SH1).

Geraldo já vinha colecionando bons resultados na P5 e terminou o ano de 2016 em primeiro lugar no ranking mundial da prova. No torneio internacional em Al Ain não foi diferente. Ele fez 347 pontos e empatou com o ucraniano Oleskii Denysiuk na segunda posição. No desempate, o europeu venceu deixando o brasileiro com o bronze. A medalha de ouro foi para o polonês Szymon Sowinski que marcou 352 pontos.

"Estou muito contente com o resultado. Acabei cometendo erros de acionamento em duas séries e isso me tirou da briga pelo ouro. Apenas cinco pontos me separaram do primeiro lugar. Agora é trabalhar para que os resultados continuem saindo", afirmou o atleta de Campo Bom (RS).

Na quinta-feira, 23, Geraldo Von Rosenthal competiu na P1 (Pistola de Ar - masculino-SH1). Ele fez 552 pontos e terminou a fase de classificação em sexto lugar. O atleta teve problemas e não participou da final.

A etapa de Copa do Mundo de Al Ain conta a participação de setenta e cinco atletas de 20 países.

Fonte: cpb.org.br

Deputados apresentam emenda sobre aposentadoria para pessoas com deficiência

Pela emenda, há três possibilidades de requerer o benefício, equivalente a 100% do salário de contribuição

Estadão Conteúdo

A deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) discursa na Câmara dos Deputados (Foto: Gustavo Lima/Agência Câmara)
A  DEPUTADA MARA GABRILLI (PSDB-SP) DISCURSA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS (FOTO: GUSTAVO LIMA/AGÊNCIA CÂMARA)

Cinco parlamentares da base aliada do governo, entre eles a deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP), apresentaram nesta quinta-feira, 23, mais uma emenda à reforma da Previdência. A deputada sugere que pessoas com deficiência tenham regime diferenciado de aposentadoria, de acordo com o grau de limitação. Já são oito pedidos de mudança no texto protocolados na Câmara dos Deputados.

Pela emenda, há três possibilidades de requerer o benefício, equivalente a 100% do salário de contribuição (ou da última remuneração, no caso de servidores públicos), sem necessidade de idade mínima. Aos 30 anos de contribuição para deficiência considerada leve, aos 25 anos de contribuição para deficiência classificada como moderada e aos 20 anos de contribuição para deficiência grave.

O segurado também pode optar pela aposentadoria aos 60 anos de idade e 15 anos de contribuição, no caso de deficiências moderadas ou graves. Para servidores públicos, é garantido ainda o reajuste do benefício conforme a evolução da remuneração do respectivo cargo efetivo.

"Os legisladores brasileiros precisam trabalhar com a convicção de que os direitos das pessoas com deficiência em hipótese alguma podem ser mitigados ou reduzidos", diz a justificativa da emenda.

A regra proposta pelo governo prevê que pessoas com deficiência possam requerer a aposentadoria aos 55 anos de idade e aos 20 anos de contribuição. Há necessidade de preencher ambos os requisitos, sem diferenciação por grau de impossibilidade. São dez anos a menos na idade mínima e cinco anos a menos no tempo mínimo de contribuição em relação à regra geral.

"Uma pessoa com deficiência aos vinte anos não será tão jovem quanto outra de mesma faixa etária. O mesmo se aplica na velhice e não se pode menosprezar essa circunstância. Assim, se é cabível e defensável a universalização de idades mínimas em relação a outros segmentos, constituirá um enorme e indefensável recuo tratar da mesma forma as pessoas com deficiência", defende a emenda.

A proposta de mudança é de autoria de Eduardo Barbosa (PSDB-MG), Mara Gabrilli (PSDB-SP), Otávio Leite (PSDB-RJ), Carmen Zanotto (PPS-SC) e Rosinha da Adefal (PTdoB-AL).

Fundação promove dia do visagismo para mulheres cegas

   Foto: Reprodução
   A imagem está no formato retangular na horizontal. Nela contém uma mulher passando lapís em seus olhos, com os olhos fechados. Ela é cega. Fim da descrição.

Com objetivo de contribuir para o resgate da autoestima de mulheres com deficiência visual (cegas ou com baixa visão), no dia 06/03, às 9h, na Fundação Dorina, acontece um dia de transformação para as clientes da Instituição através de uma sessão de visagismo. A inciativa faz parte de uma ação de responsabilidade social idealizada pela MQ Hair, Fundação Dorina Nowill para Cegos e o Hair Stylist/Visagista Claudio Germano com sua equipe.

No evento, 10 mulheres com deficiência visual participarão do Projeto. Nas mãos da equipe de profissionais, dirão sim ao visagismo – também conhecido como a arte de criar uma imagem pessoal revelada a partir da linguagem visual (harmonia e estética), promovendo uma verdadeira transformação interior a partir do corte, coloração e outros métodos aplicados no processo.

“Retomar a rotina de atividades básicas como andar sozinho e com segurança, arrumar a cama, cozinhar, escolher a roupa, passam a ser um grande desafio para os frequentadores da Fundação Dorina”, afirma Kely Magalhães, supervisora do Serviços de Apoio à Inclusão, área de atendimento à pessoa com deficiência na instituição. “A reabilitação é um processo complexo e de altos e baixos e o visagismo contribui para aumentar a autoestima e proporcionar mais uma atividade de retomada das ações rotineiras”.

“A MQ Hair, e sua missão de atender o segmento profissional da beleza, com equipamentos para cabeleireiros, tem a honra de promover esta experiência única para mulheres que são prova de superação” - acrescenta a Gerente de Marketing da Marca, Mariana Fagundes, que em parceria com o Hair Stylist Claudio Germano puderam viabilizar a transformação. “É nosso propósito trazer o empoderamento através do visagismo, que vai além de um simples corte de cabelo. É o resgate da vaidade, que irão sentir o impacto através da percepção do outro, e nelas mesmas através de sinais arquetípicos”, completa Claudio Germano formado em visagismo pelo Philip Hallawell.

Para mais informações acessewww.fundacaodorina.org.br

Paraciclista Lauro Chaman segue preparação para Mundial da modalidade nos Estados Unidos

Por CPB

Washington Alves/MPIX/CPB
Imagem
Lauro Chaman competindo nos Jogos Paralímpicos Rio 2016

Com duas medalhas nas provas de Paraciclismo de Estrada nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, Lauro Chaman, 29 anos, encara a temporada 2017 com muita motivação. O primeiro grande objetivo do atleta será o Mundial de Paraciclismo de Pista, que acontece de 2 a 5 de março, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Atualmente, Lauro treina em Maringá (PR) buscando aperfeiçoar suas qualidades dentro do velódromo. Os treinos são planejados e acompanhados de perto pela Confederação Brasileira de Ciclismo, que acredita em bons resultados no próximo mundial.

“O Lauro é um atleta muito forte no Velódromo. Dentro desse período de treinos aqui em Maringá estamos trabalhando duro para brigar por pódio em Los Angeles”, declarou o técnico Emerson Silva.

Fonte: cpb.org.br

Conheça Lorrayne Carolyne..

Me chamo Lorrayne Carolyne,tenha 14 anos e sou estudante. Tenho ossos de vidro, por isso uso a cadeira de rodas.

                                           

Muitas pessoas me perguntam como é andar na cadeira de rodas, como é ficar sentada o dia todo ou até mesmo pergunta se tenho vontade de andar, eu olho para a pessoa com aquele sorriso no rosto e falo:

"é normal, sim tenho vontade de andar, mas mesmo não andando eu gosto de mim do jeito que eu sou do jeitinho que Deus me deu a capacidade ser".

                                                 

Penso que tem pessoas muito pior que eu, tem pessoas que não tem a capacidade de fazer o que eu posso fazer, por isso eu tenho que agradecer a Deus.

Sou de bem com a vida, adoro sair e tirar fotos. Tenho muitos sonhos, mas o maior eu realizei no dia 30/05/15 que foi conhecer meu ídolo Luan Santana. Eu tava no show ai ele me chamou e eu fui, foi uma emoção muito grande, ele disse que me amava e eu disse que também amava ele... Nunca vou esquecer desse dia.

Pra finalizar quero dizer que independente de ser cadeirante, seja feliz!

                                


AFB abre inscrições de cursos de dança gratuitos para PCDs

A Associação Ballet de Cegos Fernanda Bianchini oferece aulas de dança gratuitas para pessoas com diferentes tipos de deficiência

Pixabay


A Associação Ballet de Cegos Fernanda Bianchini (AFB), única companhia de dança especializada na técnica de ensino para alunos com deficiência visual no mundo, está com inscrições abertas para cursos gratuitos de Ballet Clássico, Sapateado, danças de Salão, do Ventre e Contemporânea. Existem também algumas vagas para cursos de Coral, Expressão Corporal e Teatro.

Os cursos são gratuitos, sendo 60% das vagas destinadas a cegos, 30% a outros tipos de deficiência (auditiva, motora, intelectual e Síndrome de Down, dentre outras) e 10% para alunos sem deficiência, para trabalhar o que a associação chama de inclusão às avessas.

A AFB conta com 13 professores de dança, entre eles, as deficientes visuais Geyza Pereira da Silva e Veronica Batista, formadas na própria entidade, além de Fernanda Bianchini, gestora da associação, bailarina e fisioterapeuta que em 1995 iniciou um projeto experimental com 10 alunas cegas. O projeto inovador acabou se tornando referência mundial em metodologia para o ensino da dança a pessoas com deficiência visual.

Na grade de aulas semanais, os professores se revezam no atendimento a mais de 200 alunos, divididos em grupos, por modalidades de aprendizado. Exercícios de Pilates e Fisioterapia fazem parte da grade, com a finalidade de promover saúde e bem-estar aos bailarinos. Essas aulas são extensivas também a qualquer pessoa que queira ingressar nos grupos, porém mediante pagamento de mensalidades aos não bailarinos. A arrecadação contribui para a manutenção da instituição.

A AFB oferece aulas nos períodos manhã e tarde, de segunda a sábado, recebendo inscrições de alunos a partir de 3 anos de idade. Mais informações sobre como se inscrever podem ser obtidas pelo telefone 11 50848542 ou ciaballetdecegos@gmail.com. Para mais detalhes acesse o site da associação.

CPB divulga critérios de classificação para o Mundial de Atletismo Paralímpico 2017

Por CPB

Imagem
Washington Alves/MPIX/CPB

O Comitê Paralímpico Brasileiro, por meio do seu departamento técnico, divulga nesta sexta-feira, 24, os critérios de classificação para o Campeonato Mundial de Atletismo Paralímpico, que será disputado entre os dias 14 e 23 de julho, em Londres, na Grã-Bretanha.


Vale ressaltar que a modalidade foi a que mais trouxe medalhas para o país nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016, com 33 (oito de ouro, 14 de prata e 11 bronzes). Na última edição do evento, em Doha, no Catar, o Brasil ficou em sétimo lugar, com 35 medalhas (oito ouros, 14 pratas e 13 bronzes).

Fonte: cpb.org.br

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Conheça o chef cego, que cozinha com auxílio de ajudante com autismo - Veja o vídeo.

Dupla trabalha em café na Escócia; Peter guia David pela cozinha e toma conta para que este não se corte ou queime.

    Por BBC
   Dupla trabalha em café na Escócia (Foto: BBC)

David Black é cozinheiro – e também é cego.

A solução para que ele possa trabalhar com segurança é ter um assistente, Peter Wilson, que é autista.

Click AQUI para ver o vídeo.

A dupla prepara as entradas e pratos principais para cerca de 10 a 15 pessoas, duas vezes por semana, em um café na Escócia.


Dupla trabalha em café na Escócia (Foto: BBC)

Cabe a Peter guiar David pela cozinha, ajudando-o a mexer nas panelas e no fogão, para que ele não se machuque.

"Trabalhamos em equipe", diz Peter.

"Aprendemos a confiar um no outro, não é mesmo?", afirma David.

Cabe a Peter guiar David pela cozinha, ajudando-o a mexer nas panelas e no fogão, para que ele não se machuque (Foto: BBC)

David conta que aprendeu a cozinhar com sua mãe, quando ainda enxergava.
"Quando minha visão piorou, as lições da minha mãe passaram a fazer sentido para mim."

Ele diz se dar bem com seu colega de trabalho: "Gosto do Peter. Tenho orgulho do que ele alcançou".

Questionados se abririam um café só deles, a dupla responde quase em uníssono: "Não!".

"Seria impossível", diz Peter.

"Poderíamos fazer isso, mas não duraria uma semana. Não, estamos bem onde estamos", complementa David.

Fonte: g1.globo.com

Contrair herpes genital na gravidez aumenta risco de autismo no bebê, sugere estudo

Resposta imunológica da mulher ao vírus pode ter efeitos nocivos no cérebro do feto. Estudo avaliou amostras de 412 mães de filhos diagnosticados com autismo e de 463 mães de filhos sem autismo.

Por France Presse

Herpes genital na gravidez pode aumentar risco de bebê ter autismom, segundo estudo (Foto: REUTERS/Regis Duvignau)

As mulheres que contraem herpes genital nos primeiros meses de gravidez têm o dobro de chances de dar à luz um bebê autista, informou nesta quarta-feira (23) uma equipe de pesquisadores noruegueses e americanos.

Um estudo publicado na revista "mSphere" é o primeiro a demonstrar que a resposta imunológica de uma mulher pode ter efeitos nocivos no cérebro do feto em desenvolvimento e influenciar a probabilidade de que a criança tenha autismo.

"Acreditamos que a resposta imunológica da mãe ao vírus da herpes HSV-2 poderia afetar o desenvolvimento do sistema nervoso central do feto, aumentando o risco de autismo", explicou Milada Mahic, cientista do Centro de Infecção e Imunidade da Universidade de Columbia em Nova York, autora principal deste estudo.

O estudo avaliou amostras de sangue de 412 mães de filhos diagnosticados com autismo e de 463 mães de filhos sem autismo. As amostras foram coletadas na 18ª semana de gravidez e durante o parto.

As causas do Transtorno do Espectro Autista permanecem mal compreendidas, e os cientistas acreditam que a condição tem origem em alguma combinação de influências genéticas e ambientais.

Os pesquisadores acreditam que o risco de autismo nas crianças não está diretamente ligado à infecção do feto, porque neste caso poderia ser fatal.

Eles consideram que o risco está vinculado a uma reação do organismo da mãe ou a uma reativação da infecção somada a uma inflamação perto do útero.

Fonte: g1.globo.com

Depressão cresce no mundo, segundo OMS; Brasil tem maior prevalência da América Latina

Doença afeta 4,4% da população mundial e 5,8% dos brasileiros, segundo dados da OMS. Brasil é o país com maior prevalência de ansiedade no mundo: 9,3%.

Por G1

   A depressão é uma doença que atinge mais pessoas ao redor do mundo a cada ano (Foto: Voisin/Phaine)

A depressão afeta 322 milhões de pessoas no mundo, segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira (23) referentes a 2015. Em 10 anos, de 2005 a 2015, esse número cresceu 18,4%. A prevalência do transtorno na população mundial é de 4,4%.

Já no Brasil, 5,8% da população sofre com esse problema, que afeta um total de 11,5 milhões de brasileiros. Segundo os dados da OMS, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão da América Latina e o segundo com maior prevalência nas Américas, ficando atrás somente dos Estados Unidos, que têm 5,9% de depressivos.

O país com menor prevalência de depressão nas Américas é a Guatemala, onde 3,7% da população tem o transtorno. Já o país com menor prevalência de depressão no mundo, segundo o relatório, são as Ilhas Salomão, na Oceania, onde a depressão atinge 2,9% da população.

Além dos Estados Unidos, os países que têm prevalência de depressão maior do que o Brasil são Austrália (5,9%), Estônia (5,9%) e Ucrânia (6,3%).

Brasil é recordista em ansiedade
Ainda segundo a OMS, o número de pessoas com transtornos de ansiedade era de 264 milhões em 2015, com um aumento de 14,9% em relação a 2005. A prevalência na população é de 3,6%. É importante observar que muitas pessoas têm tanto depressão quanto transtornos de ansiedade.

O Brasil é recordista mundial em prevalência de transtornos de ansiedade: 9,3% da população sofre com o problema. Ao todo, são 18,6 milhões de pessoas.

Segundo a OMS, o número de pessoas com transtornos mentais comuns, como a depressão e o transtorno de ansiedade, está crescendo especialmente em países de baixa renda, pois a população está crescendo e mais pessoa chegam às idades em que depressão e ansiedade são mais frequentes.

Suicídio
Em 2015, 788 mil pessoas morreram por suicídio. Isso representou quase 1,5% de todas as mortes no mundo, figurando entre as 20 maiores causas de morte em 2015. Entre jovens de 15 a 29 anos, o suicídio foi a segunda maior causa de morte em 2015.

Fonte: g1.globo.com

Equador pode eleger primeiro presidente cadeirante

Caso seja eleito, Lenín Moreno será pioneiro na América Latina. Partido governista deixou escapar eleição no primeiro turno por pequena margem de votos

por Wagner Silva

Resultado de imagem para Lenin Moreno


Lenín Moreno pode ser o primeiro presidente cadeirante da América do Sul. Com a apuração de quase 90% dos votos, o candidato da esquerda possui 39,4%, contra 30.5% de Guillermo Lasso, ex-banqueiro e conservador. Em terceiro lugar aparece Cynthia Viteri, com 15.5% da preferência dos eleitores. De acordo com o sistema eleitoral equatoriano, se um candidato tem mais de 40% dos votos e o segundo colocado contabilizar 10 pontos porcentuais de diferença, não há segundo turno.

Após recebera a notícia, Moreno comemorou com os correligionários em um hotel de Quito. Seu adversário também se mostrou contente com o resultado, declarando para a imprensa que “haverá segundo turno”. No dia 2 de abril, os dois candidatos se enfrentarão novamente nas urnas, para confirmar a continuidade do governo, conforme apontam todas as pesquisas de intenção de votos, ou uma virada da oposição conservadora de direita.

Moreno tem 63 anos, foi vice-presidente entre 2007 e 2013, e é filho de professores. Recebeu o nome de Lenín em homenagem ao líder russo e já foi indicado ao Nobel da Paz, em 2012.

Fonte: leiaja.com

Pessoas com deficiência podem estar enfrentando a extinção - Veja o vídeo

"Se fôssemos animais, talvez pudéssemos nos qualificar para proteção, como espécies ameaçadas de extinção. Mas somos apenas seres humanos com deficiência, por isso não nos qualificamos ".

Texto traduzido e reescrito por Cida Santos


Recentemente, um vídeo compartilhado nas redes sociais, foi visto, compartilhado, e recebeu muitos comentários sobre seu conteúdo, mas na verdade, ele ainda merece muito mais atenção e louvor. Lord Shinkwin, membro conservador da Câmara dos Lordes, falou ousadamente no plenário do Parlamento em defesa de crianças não nascidas, cujas vidas são ameaçadas pelo aborto só porque foram diagnosticadas com alguma deficiência.



"Posso ver pelas tendências do aborto por motivos de deficiência, que a escrita está na parede para pessoas como eu. Pessoas com deficiências congênitas estão enfrentando a extinção. Se fôssemos animais, talvez pudéssemos nos qualificar para proteção como espécies ameaçadas de extinção. Mas somos apenas seres humanos com deficiência, por isso não nos qualificamos ".

As palavras de Lord Shinkwin foram ainda mais emocionantes, já que ele mesmo está incapacitado. Sua Senhoria tem uma condição congênita chamada osteogênese imperfeita, também conhecida como "Ossos de vidro". Apesar de sua condição, que alguns podem ver como um revés, Lord Shinkwin teve uma longa carreira de serviço público e trabalho de caridade.

Lord Shinkwin em maio do ano passado, e foi novamente defendido no final em janeiro, quando o projeto foi trazido para a fase de comitê. O objetivo do projeto é proteger os fetos de abortos baseados em discriminação.

Na Grã-Bretanha, como nos Estados Unidos, a discriminação com base na deficiência é geralmente ilegal. No entanto, essas proteções não são estendidas à crianças antes do nascimento.

Independentemente da natureza da deficiência da criança, muitas delas com deficiência, tem sido privadas do direito de nascer.

O Scotsman relata , "entre 2005 e 2015 houve um aumento de 68 por cento no aborto com base na deficiência no Reino Unido e de 1995 a 2005, um aumento de 143 por cento em terminações para a síndrome de Down."

Em observações feitas em outubro, Lord Shinkwin afirmou que, de acordo com estatísticas oficiais do Departamento de Saúde do Reino Unido, 11 crianças foram abortadas em 2015 devido a um "lábio palatino" - uma condição que pode ser facilmente corrigida com cirurgia menor.

Nos Estados Unidos, é difícil determinar o número de bebês abortados a cada ano, devido a deficiência ou condição congênita, simplesmente porque o aborto nos Estados Unidos é geralmente tão pobre .

No entanto, estudos recentes estimam a taxa de terminação da Síndrome de Down americana em cerca de 67 por cento.

No mundo moderno, muitas pessoas não pensam seriamente na ideia da eugenia. Para a maioria de nós, é um conceito dos livros de história ou fora da ficção científica. No entanto, como uma sociedade, devemos considerar como a mentalidade eugênica tem influenciado como vemos, deficiência e indivíduos com deficiência.

Pelo menos, parece que a mentalidade eugênica nos deixou com um medo profundo de deficiência, e a ideia equivocada de que nenhuma vida é preferível a uma vida com uma deficiência.

O fato de que a vida de uma criança com fenda palatina ou síndrome de Down ainda pode ser encerrado devido à sua condição é quase incompreensível.

                             Resultado de imagem para ossos de vidro

"Ninguém pode julgar o valor da vida de outro ser humano. Ninguém pode determinar o potencial de outro. Para quem pode dizer que um dia um menino com Osteogênese Imperfeita, ou Síndrome de Down não vai bravamente levantar-se no Parlamento (ou Congresso) e falar em nome daqueles que não podem falar por si mesmos?"

No Brasil infelizmente, a luta pelo direito ao aborto de bebês portadores de deficiência, anda a todo

No início de 2016, valendo-se da propagação de uma suposta epidemia causada pelo Zica Virus, um grupo de advogados, acadêmicos e ativistas que articulou a discussão sobre aborto de fetos anencéfalos no Supremo Tribunal Federal, acatada em 2012, preparou uma ação para pedir à Suprema Corte o direito ao aborto em gestações de bebês com microcefalia.

Agora, um ano depois, o STF está prestes a  liberação do aborto para mulheres infectadas pelo zika vírus.

Para Rodrigo Janot, a decisão tomada em 2012 pelo Supremo que autorizou aborto em caso de fetos anencéfalos também deve valer quando houver diagnóstico de infecção do zika, por motivo de “proteção da saúde” da mulher.

     Resultado de imagem para bebe com microcefalia

Em contrapartida, o advogado especialista em direito médico da saúde, Eduardo Rothmund, a liberação do aborto não deveria ser considerada uma solução neste primeiro momento. “Antes de partir para isso, entendo que deveriam ser cobradas políticas públicas mais eficientes e então, caso a situação não melhorasse, poderia se pensar na interrupção da gravidez”, frisou. Rothmund entende que a liberação do aborto nesses casos abre precedentes para a banalização da vida. “E se, a partir de agora, toda mãe que descobrir uma deficiência no filho, decidir abortar?”, questiona. Entre as medidas que deveriam estar sendo cumpridas pelo governo está a prevenção através da distribuição de anticoncepcionais de longa duração para mulheres vulneráveis, o acessão à informação sobre a doença e o atendimento com especialistas a até 50 quilômetros da residência das vítimas.

O aborto é ofensivo para pessoas com deficiência; Porque isso implica que eles e suas vidas são menos valiosos do que as vidas de pessoas "normais".

Aborto e eugenia

O aborto tem sido usado no passado para impedir o crescimento de grupos populacionais ou de grupos raciais considerados geneticamente "inferiores". Esta é agora considerada como uma violação mais grave dos direitos humanos e um ato criminoso.

O aborto tem sido usado no passado para impedir que pessoas com vários defeitos genéticos tenham filhos. Quando isso é feito por uma questão de ordem pública, é agora considerado como uma violação mais grave dos direitos humanos e um ato criminoso.

Aborto e seleção de gênero

Em alguns países, particularmente na Índia, há um grande problema com o feticídio feminino - deliberadamente abortar os fetos que nasceriam como meninas.

Por razões sociológicas e econômicas, os pais de algumas culturas preferem ter filhos. Quando os pais podem descobrir o sexo do feto com antecedência, eles às vezes pedem a interrupção de uma gravidez apenas porque o feto é do sexo feminino.

Embora o aborto seletivo para a preferência de gênero seja ilegal na Índia, a baixa proporção de nascimentos femininos em relação aos nascimentos masculinos, juntamente com outras evidências, torna certo que o feticídio feminino é praticado em larga escala.

Como é que o aborto legalizado de bebês com deficiência torna o mundo um lugar melhor?!

Downsyndrome26

Na Grã-Bretanha, desde 1967, o aborto é direito das mães, se o bebê for portador da síndrome de Down.

De acordo com os dados do governo, 3.213 bebês foram abortados por causa da síndrome de Down.

Vários estudos estimam que entre 30% e 90% dos bebês não-nascidos diagnosticados com síndrome de Down são abortados.

Lord Shinkwin descreveu a importância de proteger as crianças com deficiência: "Para mim, uma sociedade de uma nação é aquela que não discrimina por causa da deficiência - uma sociedade na qual a igualdade de deficiência é uma realidade consistente".

Ele prosseguiu explicando que a lei atual proíbe essa igualdade: "É ilegal para um ser humano não nascido ter sua vida terminada por aborto além de 24 semanas, mas se eles têm uma deficiência sua vida pode ser terminada até o nascimento. Onde está a consistência, a justiça ou a igualdade nisso?"

"Se alguém pensa que essa discriminação óbvia é aceitável, convido-os respeitosamente a imaginar o clamor se o mesmo fosse aplicado à cor da pele ou orientação sexual. Tal discriminação seria justamente considerada como ultrajante ".

Se a sociedade continuar militando em favor desse pensamento, apoiando os movimentos pró aborto, em pouco tempo, os portadores de deficiência entrarão em extinção.

Para o ativismo aborteiro, toda vida tem o mesmo valor, exceto se for de um feto.

Vale lembrar, que todo ser humano à favor do aborto, nasceu.