sábado, 29 de abril de 2017

Veja como candidatos reagem a uma entrevista de emprego em que o chefe tem Síndrome de Down - Veja o vídeo.

por Jairo Marques*


Um ONG espanhola, a “Verdiblanca Discapacidad”, resolveu fazer um teste simples para analisar reações do público diante uma entrevista de emprego em que o entrevistador, apontado no vídeo como chefe de contratação, tem síndrome de Down.

Pablo Pineda mostra uma desenvoltura e senso de humor desconcertantes para alguns dos candidatos, que parecem não acreditar na situação.

Pelo mundo todo, pessoas down estão ganhando espaços sociais importante. Em reportagem recente, mostrei que, no Brasil, há pelo menos 50 pessoas com a síndrome que já passaram ou estão passando por bancos universitários nos últimos anos.

O áudio e as legendas do vídeo estão em espanhol, mas é bem claro o conteúdo e as expressões das pessoas falam por si mesmas.

Em dado momento, Pablo relata que se formou professor, assim como alguns dos entrevistados, mas que não conseguiu emprego, o que causa um embaraço e um desconforto tremendo nas pessoas.

Na realidade, porém, ele é um consagrado e premiado ator espanhol. As artes têm sido campo próspero para a diversidade.

Vale demais assistir a esquete e pensar em que reação você teria, como analisa o fato e a possibilidade.
As mudanças de paradigmas sobre pessoas com deficiência estão em curso, vale ficar atento a elas e incentivá-las para um mundo mais plural.
Vale demais assistir a esquete e pensar em que reação você teria, como analisa o fato e a possibilidade.
As mudanças de paradigmas sobre pessoas com deficiência estão em curso, vale ficar atento a elas e incentivá-las para um mundo mais plural.
Vale demais assistir a esquete e pensar em que reação você teria, como analisa o fato e a possibilidade.
As mudanças de paradigmas sobre pessoas com deficiência estão em curso, vale ficar atento a elas e incentivá-las para um mundo mais plural.
*Jairo Marques, que é cadeirante, aborda aspectos da vida de pessoas com deficiência e de cidadania. Aqui, você encontra histórias de gente que, apesar de diferenças físicas, sensoriais, intelectuais ou de idade, vive de forma plena.

Paratleta campeão no Rio-2007 morre aos 38 anos

Medalha de ouro na natação no Para-Pan, Wagner Pires, no arremesso de peso desde 2013, sofreu um infarto

por LANCE

Foto: LANCE
Wagner Pires conquistou o ouro nos 50m livre no Parapan Rio-2007
Wagner Pires conquistou o ouro nos 50m livre no Parapan Rio-2007

o atleta paralímpico Wagner Pires morreu nesta sexta-feira, na capital paulista, vítima de um infarto no miocárdio. Aos 38 anos, ele foi campeão nos Jogos Parapan-Americanos do Rio-2007, nos 50m livre (natação). Desde o final de 2013, o paratleta se dedicava ao arremesso de peso (atletismo).

O Sesi, clube de Wagner, lamentou o falecimento do arremessador que estava na equipe desde 2011 (ainda como nadador).

Wagner participou dos Jogos Paralímpicos de Pequim-2008 e foi campeão e recordista brasileiro dos 50m livre por diversos anos. No atletismo, manteve-se presente entre os melhores do Brasil desde 2014 nas provas de arremesso de peso, conquistando títulos nacionais, além de disputas internacionais. Neste momento de dor, nos solidarizamos com sua família e todos os seus numerosos amigos pela triste perda - afirmou o presidente do Sesi, Paulo Skaff.

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) também lamentou a perda.

                               

Nota de pesar
É com grande tristeza que informamos o falecimento do atleta paralímpico Wagner Pires da Silva, 38 anos, na tarde de ontem, 27. Ele sofreu um infarto do miocárdio em sua casa, em São Paulo. Wagner competiu na natação até 2013, quando decidiu migrar para o atletismo. Nas piscinas, conquistou um ouro nos 50m livre S7 nos Jogos Parapan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007. O paulista de São Vicente ainda integrou a equipe de nadadores que representou o Brasil nos Jogos Paralímpicos de Pequim-2008. No atletismo, Wagner começou a competir em 2014 na classe F37. Sua prova mais forte era o arremesso de peso. No fim de semana passado, disputou o Open Internacional Loterias Caixa, no Centro de Treinamento Paralímpico.
Nossos sentimentos à família e aos amigos.

O paulista de São Vicente entrou nas competições de atletismo em 2014, na classe F37. Sua prova mais forte era o arremesso de peso. No último final de semana, ele participou do Open Internacional, realizado no Centro de Treinamento Paralímpico.

Fonte: terra.com.br



Arena Santos recebe torneio nacional de Goalball - Veja o vídeo.

Regional Sudeste 2 teve início na última quinta-feira e segue até domingo. Dez atletas da seleção brasileira participam do torneio

Por GloboEsporte.com, Santos, SP

   Técnico do goalball de Santos analisa temporada da equipe

Santos é palco de uma das principais competições do goalball brasileiro. O Regional Sudeste 2 teve início na última quinta-feira e segue até domingo, na Arena Santos. Dez dos 12 atletas da seleção brasileira que participaram dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 disputam o torneio em Santos; confira a participação do técnico do Santos no Tribuna Esporte.

Click AQUI para ver o vídeo.

Do time masculino, medalhista de bronze, Leomon Moreno e Romário Marques jogam pela equipe do Santos FC, Alex Sousa e Josemarcio defendem o SESI-SP, e Zé Roberto e Alex Celente a PEAMA-AJEP.

Leomon Moreno defende o Santos FC no torneio (Foto: Washington Alves/MPIX/CPB)
Leomon Moreno defende o Santos FC no torneio (Foto: Washington Alves/MPIX/CPB)

Entre as meninas da seleção, o SESI-SP contará com Victória Nascimento e Simone Rocha e o Santos FC terá Ana Carolina e Neusimar Santos.

A Cidade será representada por duas equipes. O Santos FC/LMC, atual campeão regional e brasileiro masculino, buscando o bicampeonato no feminino. E o Lar das Moças Cegas também com times masculino e feminino.

A fase de classificação termina nesta sexta-feira. No sábado, às 9h, tem início a repescagem. Às 14h começam as semifinais. As finais serão no domingo a partir das 8h. A Arena Santos fica na av. Rangel Pestana, 184, Vila Mathias. A entrada é gratuita. O Campeonato Regional Sudeste 2 de Goalball é organizado pela Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV) e tem apoio da Prefeitura.

Equipes

Categoria masculino
Associação dos Deficientes Visuais de Taubaté e Vale do Paraíba
Associação Jundiaiense de Esportes Paraolímpicos - AJEP
Associação de Pais e Amigos e Deficientes Visuais - APADV
Centro de Emancipação Social e Esportivo de Cegos - CESEC
Instituto Athlon de Desenvolvimento Esportivo - ATHLON
Lar das Moças Cegas - LMC
Santos Futebol Clube - SFC
Sesi Mogi das Cruzes - SESI
Sociedade Francana de Instrução e Trabaho para Cegos - SFITC

Categoria Feminino
Associação de Pais e Amigos e Deficientes Visuais - APADV
Centro de Emancipação Social e Esportivo de Cegos - CESEC
Instituto Athlon de Desenvolvimento Esportivo - ATHLON
Lar das Moças Cegas - LMC
Santos Futebol Clube - SFC
Sesi Mogi das Cruzes – SESI

ACESSIBILIDADE nas escolas Brasileiras é sonho distante.

Acessibilidade das escolas é falha

ACESSIBILIDADE NAS ESCOLAS BRASILEIRAS É SONHO DISTANTE

Menos de um quinto das escolas públicas do Grande ABC, sejam elas sob responsabilidade das prefeituras ou do governo estadual, possuem condições adequadas de acessibilidade para receber alunos.

Levantamento do Diário com base no Censo da Educação Básica de 2015, o mais recente, indica que, dos 808 prédios existentes entre as sete cidades, apenas 135 oferecem estrutura com rampas de acesso, corrimão ou elevador e sinalização podotátil para deficientes visuais, por exemplo. Vale lembrar que ao menos 20,3 mil estudantes do Grande ABC têm algum tipo de deficiência, o correspondente a 3,69% do total de matrículas.

Embora tenha sido observado avanço em relação aos números de 2010, quando apenas 2,48% das unidades de ensino estavam aptas a receber estudantes com deficiência – o que corresponde a 19 das 764 escolas existentes à época, o cenário é preocupante. Isso porque uma das estratégias da meta 7 do PNE (Plano Nacional da Educação) – lei 13.005/14 –, relacionada à infraestrutura, determina que todas as escolas públicas de Educação Básica garantam a acessibilidade às pessoas com deficiência até 2024.

Entretanto, municípios e Estado já descumprem a lei 10.098/10, que dispõe sobre a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, mediante a supressão de barreiras e de obstáculos nas vias e espaços públicos. Conforme a determinação, os edifícios devem dispor de ao menos um banheiro acessível e estarem livres de barreiras arquitetônicas.

Entre as sete cidades, São Bernardo foi a que mais avançou na questão da acessibilidade nas escolas entre 2010 e 2015, tendo em vista aumento de 14 para 50 o número de unidades adaptadas. O município é seguido por Santo André, que ganhou 27 prédios acessíveis no período (veja mais na arte abaixo).

Na comparação entre a estrutura ofertada pelas redes municipal e estadual, a diferença é pequena. Das 341 unidades de ensino existentes sob responsabilidade do governo do Estado, apenas 70 estão adaptadas (20,52%). Já entre os 467 prédios administrados pelas prefeituras, somente 65 apresentam condições ideais de acessibilidade, o correspondente a 13,91%.

PREJUÍZOS

Não ofertar unidade de ensino acessível significa privar o estudante com deficiência de utilizar todos os ambientes da escola, ressalta a professora do curso de Pedagogia da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Cintia Pataro. “No dia a dia a gente acaba fazendo adaptações, como colocar o aluno cadeirante em sala no térreo. Infelizmente, não temos como esperar pelas melhorias de infraestrutura, como instalação de rampas, elevador, que dependem de verba e demandam tempo”, observa.

Administrações destacam ações para avançar

As prefeituras e o Estado destacaram atender toda a demanda de estudantes com deficiência na rede pública, embora ainda não ofereçam condições físicas ideais em 100% das unidades de ensino.

Santo André ressaltou que 83% das escolas sob gestão municipal possuem acessibilidade. Além disso, o Paço diz realizar adequações necessárias nas unidades não acessíveis com objetivo de tornar a frequência do aluno possível.

Em São Bernardo, o esperado, conforme a Prefeitura, é que todas as escolas tenham estrutura adaptada até o fim de 2020. Hoje, 60% das unidades municipais atendem alunos com deficiência física, mental ou intelectual.

Mauá lembrou que tem até 2025 para cumprir a meta de acessibilidade total nas escolas, segundo o Plano Municipal de Educação.

Ribeirão Pires destacou que firmou TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o Ministério Público para que todas as unidades sejam acessíveis em prazo de três anos. Já Rio Grande da Serra ressaltou preocupação com o tema, mas não informou prazos e projetos.

Diadema e São Caetano não se pronunciaram a respeito do tema. A Secretaria Estadual da Educação diz ter firmado TAC com o Ministério Público em 2014 para que todas as unidades estejam plenamente acessíveis em um prazo de 15 anos. Na região, 64 obras estão em fase de projeto para acessibilidade.

Fontes: Diário do Grande ABC - inclusaodiferente.net

FALTA DE ACESSIBILIDADE – nem mesmo órgão público é capaz de dar exemplo.

Cadeirantes têm dificuldades de acesso a repartições públicas

Cadeirantes têm dificuldades  de acesso a repartições públicas

Se para a maioria das pessoas já é difícil transitar no centro de Tubarão, imagine para quem depende de uma cadeira de rodas para se locomover. No trajeto de muitas vias há buracos em calçadas, falta de rampas, carros estacionados irregularmente na vaga destinada as pessoas com deficiência, entre tantos outros transtornos.

Além dos problemas no trânsito, a situação dificulta ao tentar entrar em repartições públicas, comércio e diversos lugares onde a acessibilidade ainda não foi adotada.

O cadeirante de Tubarão, Ademir Rodrigues vivenciou uma situação embaraçosa na última semana. Ao estacionar na vaga de deficiente, no centro da Cidade Azul, o tubaronense recebeu uma notificação por não portar o cartão de identificação de vaga especial. Após ser multado, dirigiu-se até a gerência de trânsito e mobilidade do município para obter a credencial.

Ao chegar lá, deparou-se com outro desafio: uma sequência de escadas. “Pior que ser multado por estacionar em uma vaga de deficiente, sendo deficiente, é não ter respostas dos órgãos competentes. Quando se dirige ao órgão responsável, olha só o tamanho da escada!”, publicou a irmã do cadeirante, Cristina de Souza, em suas redes sociais em revolta ao ocorrido.

Ademir, que há cinco anos ficou paraplégico após se envolver em um acidente, relata que diariamente enfrenta dificuldades para se locomover no município. “Eu até evito sair de casa para não me incomodar. Diversos locais, como o Fórum, a delegacia do centro, e outras repartições públicas e empresas privadas não têm acessibilidade para os cadeirantes”, alerta.

Gerência tenta amenizar falta de acessibilidade


O gerente de trânsito e mobilidade de Tubarão, Dionísio de Quadros, explica que o prédio onde funciona as fundações e secretarias de educação, segurança, trânsito e outros departamentos, realmente não dispõe de estrutura acessível aos portadores de deficiência. No entanto, para facilitar o acesso ao departamento, que fica no segundo piso do prédio, os cidadãos são atendidos por um funcionário que fica disponível para fazer a intermediação na entrada do estabelecimento. “Infelizmente, herdamos esta estrutura que não possui rampas de acesso para cadeirantes. Mas temos uma pessoa específica para atender os que precisam dos serviços da gerência”, explica.

Uso de cartão especial é obrigatório


A legislação de trânsito brasileira sofreu algumas alterações em atendimento ao Estatuto da Pessoa com Deficiência, e a principal delas é o uso obrigatório do cartão de identificação para estacionar nas vagas preferenciais destinadas a idosos e pessoas com deficiência. O cartão deve ficar dentro do veículo, em lugar visível, quando estiver nas vagas em vias públicas ou bolsões de estacionamento privados. O simples uso do antigo adesivo colocado no vidro do carro passa a não ter mais validade. “Se a pessoa que possui a deficiência foi multada, mesmo que faça o cartão, não será possível retirar a notificação. Todo o portador e idoso precisa fazer o cartão para utilizar a vaga especial”, reforça Quadros.

Quais as penalidades?


De acordo com a Lei Federal 13.146 de julho de 2015, a penalidade para o motorista que estacionar na vaga preferencial sem o cartão de identificação deixa de ser leve e passa a ser grave, com multa no valor de R$ 127,69, cinco pontos a mais na carteira, podendo ainda ter o veículo removido para o pátio, caso se recuse a desocupar a vaga preferencial. A alteração também determina que as vias e áreas de estacionamentos privados de uso coletivo, como estacionamentos de supermercados e shoppings centers, passam a ser regidas pelo Código de Trânsito Brasileiro. Isso significa que os veículos estacionados de forma irregular nesses locais também poderão sofrer as sanções previstas na lei.

Fontes: Jornal Notícias do Sul - inclusaodiferente.net

ENEM 2017 inova e facilita a vida de pessoas com deficiência

Candidatos com deficiência auditiva terão tradutores durante o Enem

 Resultado de imagem para enem 2017

Os candidatos com deficiência auditiva contarão com tradutores nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017, informou o Ministério da Educação (MEC). Serão pessoas especializadas na Língua Brasileira de Sinais (Libras) e vídeos explicativos durante as provas.

A adaptação é experimental e avaliará se esse tipo de auxílio realmente ajuda os estudantes. As provas dos participantes que necessitam desse tipo de atendimento serão realizadas em salas adaptadas, separadas dos demais candidatos. Cada sala contará com seis participantes e dois intérpretes, que esclarecerão dúvidas que não interfiram nas respostas das questões.

ATENDIMENTO ESPECIAL

O Enem oferece atendimento especializado e específico para candidatos que declararem, no ato da inscrição, ser portador de alguma necessidade especial. Pela primeira vez, estudantes surdos terão acesso às questões do Enem traduzidas na Língua Brasileira de Sinais (Libras) via vídeo. Serão disponibilizadas salas adaptadas para os participantes, que deve indicar na inscrição se deseja participar. Também estarão disponíveis tradutores para esclarecer dúvidas pontuais.

A solicitação de uma hora a mais de exame - antes feita mediante o preenchimento de um formulário - agora será realizada na inscrição, com a apresentação de laudo comprovatório da deficiência ou condição necessária. Ainda será oferecido atendimento a pessoas com baixa visão, cegueira, deficiências físicas, auditivas, intelectuais, dislexia, autismo ou outras condições especiais. O atendimento específico, por sua vez, é oferecido a gestantes, lactantes, idosos e estudantes em classe hospitalar.

O Enem 2017 acontece entre os dias 5 e 12 de novembro. As inscrições começam às 10h do dia 8 de maio e terminam às 23h59 do dia 19 de maio. A taxa de inscrição custa R$ 82 e deve ser paga até o dia 24 de maio.

Fontes: Universia - inclusaodiferente.net

Arnold Schwarzenegger assiste performance da primeira atleta brasileira cega e se emociona

Foto:Divulgação

Arnold Schwarzenegger visitou a área destinada ao Pole Dance, neste sábado, 22/04, para assistir a apresentação da primeira atleta brasileira com deficiência visual, Jessica Pereira, durante o maior evento multiesportivo de São Paulo, o Arnold Classic South America, realizado de 21/04 a 23/04,no Expo Transamérica.

Jéssica ficou emocionada quando o astro pediu para subir ao palco para abraçá-la. “Achava que, se desse sorte, teria de correr atrás dele para tirar uma foto. Nunca imaginei que ele ainda subiria no palco para me abraçar", revela emocionada.

A convite de Vanessa Costa, percursora do Pole Dance no Brasil e fundadora da Federação Brasileira de Pole Dance, Jessica se apresentou entre as competições da 3ª Copa Pan-Americana de Pole Dance que trouxe mais de 100 atletas de alto rendimento de diversos países como Venezuela, Colômbia, México, Estados Unidos, Canadá, Argentina, Chile e Peru, além do Brasil, que disputaram nas categorias Principiantes, Amadores e Profissionais.

Vanessa enxerga o esporte como forma de inclusão social. “Queremos mostrar que o pole é muito mais que uma atividade esportiva, é inclusão, por isso, convidamos pessoas com deficiência que praticam para provar ao mundo o poder de socialização por meio do esporte”, completa.

São Paulo recebe a partir de sábado, 29, a maior regional do Circuito Loterias Caixa de atletismo e natação

Por CPB

Daniel Zappe/CPB/MPIX
Imagem

Terá início neste sábado, 29, a maior entre as etapas regionais do Circuito Loterias Caixa de Atletismo e Natação. São Paulo receberá 993 atletas das duas modalidades, que ocorrerá até domingo, 30, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, na capital paulista. É a terceira das quatro regionais que compõem o calendário do CPB e são classificatórias para as etapas nacionais do evento.

O atletismo é a modalidade que mais trará competidores, com 593. Dois deles se destacam: Marisete Pereira (lançamento de dardo da classe F11) e Michel Gustavo Abrahame (salto triplo, T47). Ambos já obtiveram índice B para disputar o Mundial Paralímpico, em Londres, no mês de julho. Segundo o coordenador-técnico da modalidade, Ricardo Melo, ter uma competição com esta quantidade de inscritos é benéfico para o esporte adaptado.

"Se pensarmos pelo lado de dar oportunidades e massificar a entrada de atletas com deficiência no esporte, quanto maior for a base da pirâmide, maior a chance de termos mais atletas em nível competitivo. É um desafio logístico, obviamente, mas quanto mais atletas tivermos no Movimento Paralímpico, melhor", disse Ricardo Melo.

Na natação, são 400 inscritos. Duas integrantes do Centro de Referência da modalidade, que treinam diariamente no CT Paralímpico, irão participar: Maiara Pereira - que disputou os Jogos Paralímpicos do Rio 2016 - e Esthefany Rodrigues, medalhista no Parapan de Toronto, em 2015, estão relacionadas para a disputa.

Esgrima em cadeira de rodas
Começou também na manhã desta sexta-feira, 28, a I Copa Brasil de esgrima em cadeira de rodas. Quatro categorias estão em disputa no CT Paralímpico, com finais previstas para o período da tarde, a partir das 17h (de Brasília). São elas: florete masculino (categorias A), espada (B), florete (C) e espada feminina (A). Os resultados das disputas por medalha poderão ser conferidos no site do CPB (www.cpb.org.br).

Programação
Etapa Regional São Paulo do Circuito Loterias Caixa de atletismo e natação
Sábado (29/4) - 8h às 12h e 14h às 18h
Domingo (30/4) - 8h às 12h

I Copa Brasil de esgrima em cadeira de rodas
Sexta-feira (28/4) - 9h às 17h
Sábado (29/4) - 9 às 17h
Domingo (30/4) - 9h às 13h

Local: Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, localizado no km 11,5 da Rodovia dos Imigrantes (ao lado do São Paulo Expo), na capital paulista

O Circuito
O Circuito Loterias Caixa é organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e patrocinado pela Caixa Loterias. Este é o mais importante evento paralímpico nacional de atletismo e natação. Composto por quatro fases regionais e três nacionais, tem como objetivo desenvolver as práticas desportivas em todos os municípios e estados brasileiros, além de melhorar o nível técnico das modalidades e dar oportunidades para atletas de elite e novos valores do esporte paralímpico do país.

Patrocínios
A equipe brasileira de atletismo tem patrocínio das Loterias Caixa e da Braskem.

A equipe de natação tem patrocínio das Loterias Caixa.

Time São Paulo
Os atletas Maiara Pereira e Esthefany Rodrigues são integrantes do Time São Paulo, parceria entre o CPB e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo que beneficia 56 atletas, e nove atletas-guia de 10 modalidades.

Fonte: cpb.org.br

Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas tem primeiros campeões definidos

Por CPB

Leandro Martins/CPB/MPIX
Imagem

Os primeiros campeões da I Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas foram conhecidos nesta sexta-feira, 28. A competição está sendo realizada em São Paulo, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro. Hoje, os pódios de florete masculino categorias A e C, espaba masculina categoria B e espada feminina categoria A.

Na espada feminina A, a disputa pela medalha de ouro ficou entre Rudineia Mânica (Asasepode/RS) e Karina Maia (ADFP/PR). A vencedora, Karina, levou o ouro em um jogo bem disputado e por uma diferença de apenas dois pontos (15 a 13). "Um duelo tão disputado assim me deixa mais feliz com a conquista. espada é minha arma preferida, é a da Rudineia também, e isso valoriza essa vitória", disse a atleta do Paraná. Completaram o pódio Rayssa Vera (Adeacamp/SP) e Carminha Oliveira (ADFP/PR), ambas com a medalha de bronze.

Quem também comemorou por subir ao pódio foi Jovane Guissone (ADFP/PR), medalha de ouro na espada categoria B. Campeão Paralímpico em Londres 2012, Guissone venceu Maurício Stempniak (Asasepode/RS) por 15 a 4 e aumentou a coleção de medalhas da Copa Brasil. "Gostei do que fiz aqui. Fiz uma final contra um ex-colega de clube de quem eu gosto muito e é bom vê-lo em finais. Na semifinal também peguei um jogo difícil contra o [Rodrigo] Massarut e é assim que nossas conquistas se valorizam. É bom ver nossa modalidade organizada assim", analisou o campeão. No pódio, com medalhas de bronze da categoria, subiram Márcio Neves (ACE/MG) e Rodrigo Massarut (ADFP/PR).

Nas outras disputas do dia, André Vasconcelos (ACE/MG) venceu Eduardo Rocha (ACE/MG) por 15 a 8 no florete categoria C. Completaram o pódio, com o bronze, José Santos (Adeacamp/SP) e Ciésio Souza (ACE/MG). No florete masculino categoria A, a final foi disputada entre Alex Souza (ECP/SP) e Lenílson Oliveira (Adeacamp/SP). Alex levou a melhor e venceu por 15 a 10. Ficaram com o bronze Fábio Damasceno (Asasepode/RS) e Sandro Colaço (ADFP/PR).

A I Copa Brasil de Esgrima em Cadeira de Rodas se estende até domingo, 30. Esta é uma das três competições que compõem o calendário nacional da modalidade. A II Copa será disputada em julho, e o Campeonato Brasileiro, em novembro. As três competições ajudam a formar o ranking nacional da esgrima, que é base para a formação da Seleção Brasileira.

Fonte: cpb.org.br

Um terço das praias portuguesas é acessível a pessoas com deficiência


Acesso pedonal fácil, estacionamento com lugares reservados, acessibilidade à zona de banhos, passadeiras no areal, instalações sanitárias adaptadas

No dia 17 de março, foi lançado o Programa “Praia Acessível – Praia para Todos!” para a época balnear 2017, tendo sido entregues os Prémios Praia + Acessível de 2016 à Praia de Valadares Sul, do concelho de Vila Nova de Gaia (1º classificado), e à Praia fluvial de Avô, do concelho de Oliveira do Hospital (2º classificado).

Nesta Cerimónia, as Secretárias de Estado do Turismo, do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza e da Inclusão das Pessoas com Deficiência realçaram o impacto deste programa na promoção da acessibilidade para todos nas zonas balneares portuguesas, e o retorno económico que o investimento no turismo acessível gera.
As três Governantes referiram que o Programa “Praia Acessível – Praia para Todos!” é representativo do trabalho conjunto dos três Ministérios em prol da inclusão das pessoas com deficiência em todas as áreas da vida em sociedade, em condições de igualdade.
Durante o evento foi apresentada a Linha de Apoio ao Turismo Acessível, do Turismo de Portugal, que pode ser utilizada pelos municípios para melhoria das acessibilidades nos seus concelhos, e o testemunho de uma pessoa cega sobre a sua experiência enquanto frequentadora das praias, realçando a necessidade de ser assegurada informação suficiente, a todos os públicos, sobre as condições existentes nas praias acessíveis e de sensibilizar os operadores locais para a criação de condições que permitam a fruição das praias por todos.
Promovido pelo Instituto Nacional para a Reabilitação, a Agência Portuguesa do Ambiente e o Turismo de Portugal desde 2005, o Programa “Praia Acessível – Praia para Todos!” visa que cada vez mais praias portuguesas passem a assegurar condições de acessibilidade e de serviços que viabilizem a sua utilização e desfrute, com equidade, dignidade, segurança, conforto, independência e a maior autonomia possível por todas as pessoas, independentemente da sua idade, de possíveis dificuldades de locomoção ou de outras necessidades específicas que detenham.
Em 2016, passados 11 anos sobre o início deste Programa, foram galardoadas 209 praias, mais de um terço do total das zonas balneares classificadas (perto de 37%).
Fontes: Instituto Nacional para Reabilitação - hturismoadaptado.wordpress.com

Times buscam vaga no Brasileiro de goalball nas semifinais do Sudeste 2

Times buscam vaga no Brasileiro de goalball nas semifinais do Sudeste 2
Foto: Fabricio defende a bola durante partida nesta sexta. APADV quer uma vaga na final.

Foram definidas as semifinais da categoria masculina do Regional Sudeste 2 de Goalball. Em partidas realizadas nesta sexta-feira (28), Santos e Sesi-SP confirmaram a liderança de seus grupos, e vão enfrentar na próxima fase ATHLON e APADV, respectivamente. Os vencedores garantem vaga na Copa Loterias CAIXA.

Na disputa feminina, Santos e Sesi-SP também estão garantidas nas semifinais e aguardam os adversários que saírem das repescagens, que serão realizadas na manhã deste sábado (29). O Alvinegro Praiano aguarda o vencedor de APADV x CESEC, enquanto a equipe de Suzano pega quem vencer o duelo entre ATHLON x LMC.

Das seis vagas que o Regional Sudeste 2 tem direito para a Copa Loterias CAIXA, quatro serão ocupadas neste sábado com os vencedores das semifinais de ambas as categorias. As outras equipes classificadas serão conhecidas no domingo, com os vencedores das disputas de bronze.



Serviço
Regional Sudeste 2 de Goalball
Data: 29 e 30 de abril de 2017
Horário: 09:00 às 10:40 e 14:00 às 16:30 (29/04); e 08:00 às 10:30 (30/04).
Local: Arena Santos
Endereço: Av. Rangel Pestana, 184, Monte Serrat - Santos/SP
Entrada franca

Fonte: cbdv.org.br

Com base experiente e jovens revelações, seleção de futebol de 5 é convocada

Com base experiente e jovens revelações, seleção de futebol de 5 é convocada
Foto: Nonato finaliza ao gol na final dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 contra o Irã. (Crédito: Marcio Rodrigues/CPB/MPIX)

A seleção brasileira de futebol de 5 foi convocada para a I Fase de Treinamento, de 28 de maio a 06 de junho, em São Paulo. Os treinos vão acontecer no Centro de Treinamento Paralímpico, e tem como principal objetivo preparar a equipe para a disputa da Copa América, que será realizada em novembro, no Chile.

A base com os jogadores campeões dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 foi mantida, e para preencher a lista com 16 atletas, a comissão técnica chamou alguns nomes que conquistaram o título do Parapan-Americano de Jovens este ano. Confira a convocação completa.

Goleiros
Luan de Lacerda Gonçalves (AGAFUC-RS)
Vinícius Tranchezzi Holzsauer (APADV-SP)
Wesley Cassiano Gangemi Leite (CESEC-SP)

Fixos
Damião Robson de Souza Ramos (AGAFUC-RS)
Tiago Santos Nascimento (ICB-BA)
Thiago do Nascimento Moreira (CEIBC-RJ)

Alas (Defensivos e Ofensivos)
Cássio Lopes dos Reis (ICB-BA)
Jardiel Vieira Soares (CEDEMAC-MA)
Marcos José Alves Felipe (APACE-PB)
Mauricio Tchopi Dumbo (AGAFUC-RS)
Maxwell Carvalho Valente (CEDEMAC-MA)
Tiago da Silva (URECE-RJ)

Pivôs
Jeferson da Conceição Gonçalves (ICB-BA)
Jonatan Felipe Borges da Silva (AGAFUC-RS)
Raimundo Nonato Alves Mendes (AGAFUC-RS)
Ricardinho Steinmetz Alves (AGAFUC-RS)

Fonte: cbdv.org.br

Biblioteca lança cartilha para pessoas com deficiência visual

                                     Elaborado pelo Instituto Paranaense de Cegos (IPC) em parceria com a seção Braille da BPP, o material traz orientações de convivência com pessoas com deficiência visual. Curitiba, 27/04/17. Foto: Divulgação BPP

A Biblioteca Pública do Paraná promove, no dia 4 de maio, o lançamento da Cartilha Informativa na Área de Deficiência Visual. Elaborado pelo Instituto Paranaense de Cegos (IPC) em parceria com a seção Braille da BPP, o material traz orientações de convivência com pessoas com deficiência visual. O evento tem início às 14h e acontece no auditório da Biblioteca.

Na ocasião, o diretor do Instituto Paraense de Cegos, Enio Rodrigues da Rosa, faz palestra sobre a realidade do atendimento educacional especializado em Curitiba. As inscrições para a palestra e lançamento são gratuitas, mas devem ser realizadas previamente pelo e-mail inscricaobraille@bpp.pr.gov.br ou pelo telefone (41) 3221-4985.

Serviço:

Lançamento da Cartilha Informativa na Área de Deficiência Visual

Dia 4 de maio, às 14h, no Auditório da BPP (Rua Cândido Lopes, 133, Centro – Curitiba, PR)

Gratuito

Mais informações: (41) 3221-4985.

Fonte: aen.pr.gov.br

Com uso de placenta, Cuba alcança cura rápida para vitiligo

Foto: Arthur Mola/Invision/AP


O Centro de Histoterapia Placentária de Cuba afirma que alcançou a cura do vitiligo em um tratamento que dura três dias. A pesquisa, que segundo o centro ocorre desde a década de 70, utiliza, claro, uma substância retirada da placenta.

O intuito do tratamento é estimular a produção de melanina, a proteína que pigmenta a pele, em todo o corpo. Para isso, retiram da placenta o composto Melagenina Plus, que é um extrato alcoólico estimulante da melanina, e aplicam nos pacientes.

Os dados do Centro de Histoterapia são empolgantes. Segundo a unidade, 84% dos 732 pacientes que participaram do estudo voltaram a ter pigmentação total. O centro aplica o composto por três dias consecutivos, tempo suficiente, segundo o comunicado, para que o vitiligo seja superado.

Há até a possibilidade de estrangeiros passarem pelo tratamento. A consulta é de segunda à sexta-feira, das 9h às 16h.

Fonte: br.yahoo.com

sexta-feira, 28 de abril de 2017

O traficante de órgãos que se aproveita do desespero de refugiados no Líbano

BBC acompanhou o trabalho de ex-segurança que explora sírios e palestinos em situação vulnerável; negócio ilegal está em alta no país árabe.

por BBC

Abu Jaafar diz estar ajudando refugiados abandonados pelo sistema (Foto: BBC)
Abu Jaafar diz estar ajudando refugiados abandonados pelo sistema (Foto: BBC)

Abu Jaafar* explica o que chama de trabalho com certo orgulho.

Ex-segurança de bar, ele mudou de ofício ao conhecer um grupo de traficantes de órgãos. Hoje vive de encontrar pessoas desesperadas o suficiente para doá-los em troca de dinheiro.

Trata-se de um mercado que cresceu em oportunidades graças ao imenso fluxo de refugiados sírios cruzando a fronteira com o Líbano - estima-se que mais de um milhão deles vivam no país atualmente.

"Eu exploro as pessoas, mas elas também se beneficiam", diz Jaafar, argumentando que muitos refugiados poderiam ter morrido na guerra civil síria e que, para muitos, doar um órgão não é nada perto dos horrores por que passaram.

O escritório de Jaafar é um pequeno bar em um prédio caindo aos pedaços, em um subúrbio do sul de Beirute.

Nos fundos do bar há um quarto, separado por uma divisória, e entulhado com móveis velhos, além de periquitos em gaiolas. É de lá que Jaafar, segundo ele próprio, organizou a venda de órgãos de ao menos 30 refugiados nos últimos três anos.

"Eles (traficantes de órgãos) normalmente querem rins, mas eu posso ajudar a encontrar outros órgãos", afirma. Uma vez pediram um olho e consegui um interessado."

"Tirei uma foto do olho e mandei para eles via Whatsapp. E depois enviei-lhes o cliente."

As estreitas ruas em que Jaafar opera estão cheias de refugiados, que já correspondem a quase 25% da população libanesa. Muitos não têm visto de trabalho, e as famílias mal conseguem se alimentar.

Os mais desesperados são palestinos que já eram considerados refugiados na Síria e, por isso, não podem ser registrados novamente pelo Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) quando chegam ao Líbano. Vivem em campos superlotados e recebem pouca ajuda.

Em condição crítica de vulnerabilidade também estão refugiados chegaram da Síria depois de maio de 2015, quando o governo do Líbano pediu à ONU que interrrompesse o registro de novas chegadas.

"Aqueles que não registro estão sofrendo", diz Jafaar. "O que podem fazer? Estão desesperados e não têm outra maneira de sobreviver, a não ser que vendam seus órgãos", tenta justificar o traficante.

O criminoso opera em um subúrbio dilapidado de Beirute (Foto: BBC)
O criminoso opera em um subúrbio dilapidado de Beirute (Foto: BBC)

Muitos refugiados mendigam nas ruas, em especial crianças. Garotos engraxam sapatos e perambulam em engarrafamentos tentando vender chicletes ou lenços de papel. A exploração do trabalho infantil - e a prostituição - são comuns.

Modus operandi

Vender um órgão é uma meio de ganhar dinheiro rápido.

Quando Jaafar encontra um candidato, ele o conduz, vendado, a uma locação secreta. Médicos operam o paciente, usando casas alugadas e transformadas em clínicas temporárias. Os doadores fazem exames básicos de sangue antes das cirurgias.

"Depois da operação, eu ainda cuido deles por quase uma semana, até que retirem os pontos. Depois, não me importa o que acontece com eles", diz Jaafar.

O ex-segurança que se tornou traficante de órgãos também demonstra frieza ao comentar a possibilidade de morte das pessoas que explora.

"Eu realmente não me importo se um cliente morre, pois consegui o que queria. Não é meu problema o que acontece depois, desde que o cliente seja pago."

Um cliente recente de Jaafar foi um adolescente de 17 anos que deixara a Síria após seu pai e irmãos morrerem na guerra. Depois de três anos no Líbano em empregos informais para sustentar a mãe e cinco irmãs, ele vendeu o rim direito pelo equivalente a R$ 24 mil.

Refugiado sírio de 17 anos vendeu o rim direito por cerca de R$ 24 mil, e tinha bandagens com sangue dois dias após a operação (Foto: BBC)
Refugiado sírio de 17 anos vendeu o rim direito por cerca de R$ 24 mil, e tinha bandagens com sangue dois dias após a operação (Foto: BBC)

Dois dias depois, visivelmente com dores apesar de estar tomando remédios, o jovem alternava-se entre deitar e sentar em um sofá surrado, buscando algum conforto.

O suor tomava seu rosto e suas bandagens estavam ensanguentadas.

Jaafar não quis dizer quanto recebeu de comissão neste caso. Afirmou também não saber o destino dos órgãos após as remoções - disse acreditar que sejam exportados.

Nos países do Oriente Médio há uma escassez de órgãos para transplante, por objeções culturais e religiosas à doação. A maioria das famílias opta por enterros imediatos.

Jaafar diz que há pelo menos outros sete traficantes como ele operando no Líbano.

"Os negócios estão prosperando. E explodiram depois da migração síria para o Líbano", afirma.

Ousadia e respeito

Ele diz saber que age de forma ilegal, mas não teme as autoridades - seu número de telefone está pichado em muros e paredes próximos a sua casa.

Em sua vizinhança. Jafaar é respeitado e temido. Enquanto caminha, pessoas param para brincar e conversar com ele, que anda armado.

Abu Jaafar anda armado, faz propaganda de seu negócio e é respeitado no subúrbio de Beirute em que atua (Foto: BBC)
Abu Jaafar anda armado, faz propaganda de seu negócio e é respeitado no subúrbio de Beirute em que atua (Foto: BBC)

"O que faço é ilegal, mas estou ajudando as pessoas. É assim que vejo as coisas. O cliente está usando o dinheiro para buscar uma vida melhor para ele e sua família", explica.

"(Quem vende seus órgãos) Pode comprar um carro e trabalhar como motorista de táxi, ou mesmo viajar para outro país. Estou ajudando essas pessoas. Não me importo com a lei."

Para Jaafar, as autoridades são o problema, ja que a lei impede muitos refugiados de trabalhar ou obter ajuda.

"Não estou forçando ninguém a fazer a cirurgia. Apenas atuo como intermediário."

Enquanto acende um cigarro, Jaafar me pergunta:

"Quanto você quer por seu olho?"

*Abu Jaafar não é o nome real do intermediário - ele aceitou falar com a BBC apenas sob a condição de anonimato.

Fonte: g1.globo.com



1º encontro sobre Autismo Infantil abre inscrições em Caruaru

‘Encontro Azul- Fonoaudiologia e Musicoterapia no Tratamento do Autismo’ será realizado no dia 6 de maio, e as inscrições vão até o dia 5 do mesmo mês.

Por G1 Caruaru

Evento conta com palestras da fonoaudióloga Lílian Tabosa e da psicanalista Sirlene Costa (Foto: Divulgação)
Evento conta com palestras da fonoaudióloga Lílian Tabosa e da psicanalista Sirlene Costa (Foto: Divulgação)

Estão abertas as inscrições para o primeiro encontro sobre Autismo Infantil em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. O ‘Encontro Azul- Fonoaudiologia e Musicoterapia no Tratamento do Autismo’ será realizado no dia 6 de maio, e as inscrições vão até a véspera do encontro, no dia 5.

A programação do evento conta com palestras da fonoaudióloga Lílian Tabosa e da psicanalista Sirlene Costa, que discutirão o Transtorno do Espectro Autista (TEA), que atinge o sistema nervoso e prejudica a capacidade de se comunicar e interagir. Segundo a organização, o encontro é voltado para pais de crianças com autismo e profissionais da área.

Para realizar as inscrições, os interessados devem socilitar a ficha de inscrição para o e-mail liliantabosa@fonoaudiologiamoderna.com.br. As inscrições são gratuitas.

Serviço
‘Encontro Azul- Fonoaudiologia e Musicoterapia no Tratamento do Autismo’
Local: Auditório do Campus I da Asces – Unita
Endereço: Avenida Portugal, número 584 , bairro Universitário
Data: 6 de maio
Horário: 15h às 18h.

Fonte: g1.globo.com

Estação Cultural de Santa Bárbara recebe palestra gratuita sobre autismo

Atividade ocorrerá nesta sexta-feira (28), a partir das 19h; inscrições devem ser feitas pela internet com antecedência.

Por G1 Piracicaba e Região

Estação Cultural de Santa Bárbara d'Oeste (Foto: CEDOC/Fundação Romi)
Estação Cultural de Santa Bárbara d'Oeste (Foto: CEDOC/Fundação Romi)

A Estação Cultural de Santa Bárbara d'Oeste (SP) receberá palestra sobre o autismo às 19h desta sexta-feira (28). A atividade será ministrada pela psiquiatra da infância e adolescência Fabrícia Signorelli. A entrada é gratuita e as inscrições devem ser feitas pela internet

A palestra “Atualizações em Transtorno do Espectro Autista”, voltada para para familiares, profissionais da saúde e educação, integra as atividades em celebração do Dia Mundial do Autismo, lembrado no 2 de abril. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a conscientização de toda a sociedade durante o mês.

A proposta é chamar a atenção para a importância de se conhecer e tratar o transtorno, que atinge mais de dois milhões de brasileiros, segundo dados da ONU. O objetivo é impulsionar o compromisso político e a cooperação internacional a favor de investimentos maiores nos setores sociais, educacionais e laborais das pessoas com o transtorno.

Fabrícia é especialista em psiquiatria da infância e adolescência pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mestranda e pesquisadora membra da equipe do Laboratório de Transtornos do Espectro do Autismo (Mack-TEA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Sobre a Estação Cultural

Inaugurada em 2007, a Estação Cultural é resultado da revitalização da antiga estação ferroviária de Santa Bárbara d'Oeste e fica na Avenida Tiradentes, nº 02, no Centro da cidade. Mais informações podem ser obtidas pelo (19) 3455-4833 ou na página da instituição.

Fonte: g1.globo.com