sábado, 13 de maio de 2017

Justiça determina que Ministério da Saúde importe medicamento alemão para leucemia quando hospitais solicitarem

Juiz decidiu, nesta sexta-feira, que a União deve fornecer o remédio mediante solicitação dos hospitais; ação foi protocolada pelo Boldrini. Governo federal passou a importar produto chinês sem comprovação de eficácia, dizem especialistas.

Por Marcello Carvalho, G1 Campinas e região

Centro Infantil Boldrini, em Campinas, é autor da ação (Foto: Arquivo Boldrini)
Centro Infantil Boldrini, em Campinas, é autor da ação (Foto: Arquivo Boldrini)

A Justiça Federal determinou, nesta sexta-feira (12), que o Ministério da Saúde faça a importação da asparaginase alemã - medicamento usado para o combate da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) e que havia sido substituído por um remédio chinês - para qualquer hospital do Brasil que realize o tratamento da doença pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e faça a solicitação.

A ação foi protocolada pelo Centro Boldrini, em Campinas (SP), que se recusa a usar o novo produto comprado pela União por não haver testes suficientes que comprovam e eficácia do medicamento. A decisão é em 1ª instância e cabe recurso.

Na sentença, proferida pela 6ª Vara Federal de Campinas, o juiz Haroldo Nader estabelece que o Ministério da Saúde forneça o medicamento alemão nas quantidades necessárias, mediante solicitação dos hospitais. A ação também pedia a suspensão da importação da Leuginase (remédio chinês), mas o magistrado não mencionou nada sobre esse pedido no documento. A multa diária em casa de descumprimento é de R$ 50 mil.

"Ante o exposto, defiro parcialmente a tutela de urgência pleiteada pelo autor, para determinar à ré que forneça o medicamento AGINASA na quantidade das necessidades comprovadas do autor, para os tratamentos que este ministra, até decisão em contrário, sob pena de multa diária de R$ 50 mil, sem prejuízo de outras providências que se fizeram imprescindíveis para assegurar o resultado prático dessa decisão", diz o texto.

A Justiça Federal ainda determinou uma perícia farmacêutica nos dois medicamentos para verificar a propriedade de cada um dos produtos. O Ministério da Saúde informou, em nota, que vai recorrer da decisão, mas garante cumprimento enquanto não for revertida (veja detalhes abaixo).

De acordo com especialistas, cerca de 4 mil crianças precisam de um componente chamado asparagina, que tira o alimento das células malignas da LLA. Até o início deste ano, o Ministério da Saúde importava a Asparaginase de laboratórios alemães e americanos, cuja eficiência é de 90% e possui apenas três impurezas, segundo testes. No entanto, o impasse começou quando, no início deste ano, a pasta decidiu comprar o remédio do fabricante chinês.

Em nota, a presidente do Centro Infantil Boldrini, Silvia Brandalise, afirmou que a decisão traz alívio para pacientes, familiares e médicos. “A vida de uma criança não tem preço. A asparaginase é fundamental para o sucesso do tratamento da leucemia linfoide aguda e, se há medicamentos de eficácia comprovada contra a doença, é direito dos pacientes terem acesso a ele”, diz texto.

Resultado de testes
O teste encomendado pelo Boldrini para verificar a eficácia da Leuginase apresentou resultados preocupantes para os pacientes. O laudo apontou que 40% do produto está contaminado por proteínas, o que, segundo especialistas, não garante a eficiência do remédio. O exame foi realizado por um laboratório americano e é o segundo teste no medicamento encomendado pelo hospital.

De acordo com a oncologista e presidente do Boldrini, Silvia Brandalise, a quantidade de proteína presente na Asparaginase, que era o remédio importado pelo Ministério da Saúde antes da troca para o produto chinês, é de 0,5%, o que comprova a tese do hospital de que a Leuginase não possui eficácia suficiente para ser aplicada em crianças. O primeiro teste encomendado pelo centro, feito pelo Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), já havia apontado que o produto apresenta 398 impurezas.

Ministério da Saúde
O Ministério da Saúde informou, em nota, que vai recorrer da decisão, mas se compromete a cumprí-la enquanto não for revertida. "Cabe destacar que ao contrário da solicitação inicial pelo Centro Infantil Boldrini, que era para interromper o uso da Leuginase em todo o país, [...] ficou determinado que a União 'forneça o medicamento aginasa na quantidade da necessidade comprovada do autor'. Sendo assim, no restante do País a política oncológica para o tratamento da Leucemia Linfoide Aguda (LLA) mantém-se nos termos estabelecidos pelo SUS", diz texto.

Além disso, sobre a determinação para perícia farmacológica, a pasta destacou que será uma oportunidade para comprovar a qualidade, eficácia e segurança do produto. "É importante destacar que o resultado dos testes do medicamento L-asparaginase realizado pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) mostra que o produto possui capacidade esperada de ação contra o câncer. Ainda, a análise mostrou que não foram encontrados contaminantes bacterianos, ou seja, aqueles que podem causar danos aos pacientes. As amostras foram retiradas de hospitais da rede pública que receberam os medicamentos distribuídos pelo Ministério."

Na semana passada, o governo destacou que o Boldrini recebe recursos para comprar a "asparaginase de sua conveniência". Além disso, frisou que a asparaginase chinesa já é usada em 11 estados brasileiros (Amapá, Bahia, Goiás, Maranhão, Pará, Piauí, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima e São Paulo) e, até agora, não houve "nenhum efeito diferente do esperado pela literatura disponível". O Ministério da Saúde afirmou ainda, em nota enviada ao G1, que "a compra deste ano seguiu os mesmos critérios técnicos e embasamentos científicos dos anos anteriores".

Anvisa e laboratório
Já o LNBio também emitiu um comunicado onde explica que os testes realizados no remédio são "preliminares e não conclusivos".

A empresa uruguaia Xetley S.A, representante do laboratório Beijing SL Pharmaceutical - fabricante da Leuginase - disse que vai aguardar o resultado da análise da Fiocruz. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a importação do medicamento pelo Ministério da Saúde, mas informou que a responsabilidade da qualidade do produto é do importador.

Fonte: g1.globo.com

Pente-fino em auxílio-doença garante economia de R$ 1,9 bi

Segundo ministro, trabalho para identificar fraudes pode reduzir gasto com o benefício em até R$ 10 bilhões anuais

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

Foto: Divulgação
Bolsa Família
84% das pessoas que passam pela perícia tiveram o benefício cancelado e apenas 2% pediram revisão da decisão.

O pente-fino nos benefícios de auxílio-doença já renderam uma economia anual de R$ 1,9 bilhão, de acordo com os números mais recentes do resultado das perícias que estão sendo feitas pela força-tarefa do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Para o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, o beneficio de auxílio-doença “estava fora de controle”.

Segundo ele, 84% das pessoas que passam pela perícia tiveram o benefício cancelado e apenas 2% pediram revisão da decisão. “Isso significa que admitiram que estavam recebendo indevidamente”, disse.

O ministro informou que os resultados até agora indicam que a perícia nos auxílios-doença pode garantir uma economia de mais de R$ 10 bilhões por ano quando todo o trabalho de fiscalização estiver completo. A expectativa inicial era de que o pente-fino garantisse uma redução de gastos de no máximo R$ 8 bilhões. A checagem atingirá 1,7 milhão de pessoas em todo o País.

As fraudes encontradas surpreendem. Osmar Terra contou que foi encontrado caso de mulher que obteve o auxílio por gravidez de risco que ainda recebia o benefício cinco anos depois. Outro caso descoberto mostrou uma pessoa que quebrou perna e recebia o benefício há 12 anos, mesmo depois de a fratura ter sido corrigida.

BPC.
O próximo benefício que passará pelo crivo dos peritos é o Benefício de Prestação Continuada (BPC), concedido a pessoas com deficiência ou idosos de baixa renda. Esse é o benefício de assistência social do governo federal que mais consome recursos. Custa por ano R$ 50 bilhões e contempla 4,43 milhões de pessoas que recebem, cada uma, um salário mínimo.

O ministro informou que o Ministério do Desenvolvimento vai fazer um trabalho de capacitação para permitir que deficientes que usam cadeira de roda, por exemplo, tenham condições de arrumar um emprego e possam no futuro deixar o programa de assistencial.

Segundo o ministro, o governo deve editar uma medida provisória alterando a regra de acesso dos deficientes ao BPC. Hoje, têm direito ao benefício famílias com renda de um quarto do salário mínimo per capita. A ideia é alterar para meio salário mínimo per capita, o que pode aumentar o número de beneficiários.

Segundo Terra, alterar o critério para ter direito ao BPC vai diminuir o número de pessoas que entram na Justiça para requerem o benefício. O governo, no entanto, espera aprimorar a concessão do benefício para atender apenas a pessoas com deficiência grave e famílias realmente de baixa renda.

Para o ministro, as mudanças no BPC que estão sendo encaminhada na proposta de reforma da Previdência vão continuar protegendo os mais pobres. A idade mínima para os idosos receberem o beneficio pode subir de 65 anos para 68 anos caso o texto atual da reforma seja aprovado na Câmara. Para os deficientes, não há exigência de idade mínima. “Mas quem é que diz que vai prejudicar? É a oposição que está dizendo ninguém mais vai ter BPC.”

A proposta original do governo desvinculava o BPC do salário mínimo. O relator da proposta, no entanto, retirou essa possibilidade, com o apoio do ministro Terra. “Quem recebe o BPC são os mais vulneráveis”, defendeu. / A.F.

Estação Barueri da CPTM tem comércio clandestino de bilhete e elevador quebrado - Vejam os videos.

Passageiros também reclamam de mato alto na estação de trem localizada na região metropolitana de São Paulo

Renata Okumura

                    (Foto: Renata Okumura)
                          
                    Jovem passa bilhete clandestinamente para usuário

SÃO PAULO – Logo na entrada da Estação Barueri da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), vendedores ambulantes anunciam: “Passagem na promoção por R$ 3, mais barato que na CPTM (Vendido a R$ 3,8)”. A reportagem da ‘Blitz Estadão’ flagrou alguns usuários pagando a passagem na escadaria da estação. Em seguida, um jovem se dirigiu até a catraca para passar o bilhete. Em menos de 10 minutos, ele repetiu a ação por três vezes.

Um passageiro, que preferiu não ser identificado, disse que isso ocorre diariamente. “Algumas vezes, alguns seguranças da CPTM ficam na entrada para coibir a presença dos vendedores ambulantes. Mas, na maioria das vezes, eles ficam em frente à estação oferecendo a venda do bilhete clandestinamente”, denunciou.

                (Foto: Renata Okumura)
                     
                Venda clandestina de bilhete 

Confira vídeo a seguir:
Ao passar pela catraca, outro problema foi verificado. O elevador está interditado há mais de seis meses, o que dificulta o acesso à plataforma de quem tem mobilidade reduzida.
O cadeirante Leandro Kdeira, de 34 anos, relata que as pessoas com deficiência são obrigadas a pegar o trem das plataformas 1 e 2 e ir até Jandira. “Elas têm que ir até Jandira, três estações para trás, para descer e pegar o trem voltando no sentido da estação Júlio Prestes.
É muito transtorno. Sem contar que retiraram todos os agentes de segurança das plataformas que auxiliam no embarque e desembarque. 
Há estações com seguranças femininas, mas elas alegam que não têm força física para auxiliar nas plataformas, devido ao vão entre o trem e a plataforma ser muito grande na maioria das estações”, desabafou Kdeira
.
O cadeirante Leandro Kdeira diz ainda que os seguranças que ficavam nas plataformas agora atuam dentro dos vagões. “É muito grande o comércio clandestino dentro dos trens que seguem principalmente em direção a Júlio Prestes, e passam pela Barra-Funda. Os funcionários vão combater o comércio clandestino e ficamos sem seguranças nas plataformas”, acrescentou.
                      (Foto: Renata Okumura)
                           
                     Cadeirante Leandro Kdeira 
Ao chegar à plataforma da estação Barueri, na Linha-8 Diamante, com destino à estação Júlio Prestes, foi possível observar que a poda do mato nos trilhos da estação Barueri também não tem sido feita com frequência. A advogada Mirela Pereira, de 37 anos, reforça que é uma questão de segurança. “Além da limpeza, há risco também para os passageiros. Não dá para ver se alguém está escondido”, ressaltou.
(Foto: Renata Okumura)
Passageiros reclamam de mato alto na estação Barueri da CPTM
Sobre o elevador quebrado, ela reforçou as dificuldades que já presenciou. “As autoridades deveriam se comover mais com as pessoas que têm mobilidade reduzida”, destacou Mirela Pereira.
Em nota, a CPTM informa que a Estação Barueri, na Linha 8-Diamante, conta com dois elevadores, um em cada plataforma. “Um deles apresentou falha e a previsão da equipe de manutenção é que a operação do equipamento seja restabelecida em até um mês. A Companhia lamenta o transtorno aos usuários e informa que os empregados da estação estão aptos a auxiliar cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida a se locomover nas dependências da estação, inclusive utilizando as escadas rolantes que dão acesso às plataformas. Já o serviço de limpeza e capinagem dos trilhos próximos à estação será realizado na próxima semana”, ressaltou a nota.
Sobre comércio ambulante, diariamente, as equipes de segurança da CPTM atuam uniformizadas ou descaracterizadas (sem uniforme), promovendo rondas nos trens e estações para coibir o comércio ambulante, que é uma infração administrativa cuja sanção é restrita à retirada do usuário do sistema e apreensão da mercadoria que está sendo comercializada.
A CPTM também esclarece que a equipe de Segurança realiza fiscalizações no limite das dependências da CPTM e nas linhas de bloqueios (catracas) das estações, visando evitar irregularidades que possam ser cometidas, inclusive no uso de bilhetes. Na área externa das estações, a responsabilidade é da Secretaria de Segurança Pública.

A CPTM está colaborando com as autoridades policiais, responsáveis pelas investigações desse tipo de fraude. Inclusive, a SPTrans que é a gestora do Bilhete Único também está envolvida no combate às fraudes do BU. Neste ano, 183 pessoas já foram flagradas comercializando ilegalmente os créditos na CPTM e encaminhadas para as Autoridades Policiais.
Atualmente, 75% dos usuários acessam o sistema de forma autônoma, utilizando cartões do Bilhete Eletrônico sem a necessidade de passar pelas bilheterias das estações.
A nota reforça ainda que uma importante ferramenta que tem auxiliado os agentes de segurança é o SMS-Disque Denúncia. Através do celular 97150-4949 ou do 0800-055-0121, os usuários podem denunciar irregularidades. O serviço de mensagens, que garante o anonimato do denunciante, funciona 24h por dia.





Prótese inédita no Brasil ajuda cadela a andar novamente - Veja o vídeo.

Após o implante, a cadelinha vive uma vida normal

Mel recebeu a primeira prótese fixa do Brasil (Foto: Reprodução/Facebook)

Uma cadelinha de Recife (PE), da raça labrador voltou a andar após ser submetida a um implante fixo na pata, procedimento inédito em cachorros no Brasil. Mel, de três anos e meio, foi diagnosticada com câncer, logo no primeiro ano de vida, e passou por uma cirurgia para a retirada do tumor. No entanto, no fim do ano passado, a doença voltou. Desta desta vez sem a possibilidade de operação, teve como solução a amputação da pata direita dianteira.

Iris Barbosa, proprietária da cadela, conta que a própria médica que operou Mel comentou sobre essa prótese e indicou o profissional. ”Ela me disse que ele tinha feito esse procedimento em um gato e me deu o contato. Mel se operou e vinte dias depois ela já estava com a prótese”, conta.

O responsável pelo processo é o veterinário Alan Gleison, da Ortovet, em Olinda, especialista em ortopedia. A prótese foi desenvolvida por ele mesmo. “Eu vi em um canal europeu um veterinário realizar o implante em um gato e daí em diante comecei a pesquisar como poderia ser feito aqui no Brasil. Desenvolvi e implantei em um felino no ano passado. Mel foi a primeira cadela a receber”, esclarece.

O objetivo da prótese fixa é integrar o implante com o osso, como se fosse parte do corpo do animal. A cirurgia aconteceu no início deste ano e Mel vive uma vida normal. “Ela vive normalmente, claro que com algumas limitações, mas normal. Se você não olhar bem, nem percebe que ela usa uma prótese”, ressalta Iris.

 
                       
Fonte: opovo.com.br

Jefinho enaltece Centro de Treinamento Paralímpico e fala da evolução do futebol de 5 no mundo

Por CPB

Imagem

Um dos melhores jogadores de futebol de 5 do mundo, Jeferson Gonçalves, mais conhecido com Jefinho, considera o Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, em São Paulo, um dos melhores do mundo e o maior legado dos Jogos do Rio.

O três vezes medalhista de ouro em Jogos Paralímpicos acredita que a estrutura do CT será fundamental na preparação para a Copa América, em novembro, para o Mundial, em 2018, para os Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019 e para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

"O CT é tudo o que precisamos para melhorarmos a nossa perfomance e conquistarmos mais títulos. E não é importante apenas para nós, do futebol de 5, mas também para atletas de outros esportes", disse.

O futebol de 5 apresentou, nos últimos anos, um crescimento contínuo, com mais países desenvolvendo a modalidade e muitos chegando a se destacar nas grandes competições. "Um exemplo disso é a China. Depois da prata em pequim 2008, eles não pararam de evoluir e, hoje, estão entre as equipes mais fortes. Irã também desenvolveu muito no ano passado e acabou derrotando a Argentina nas semifinais dos Jogos do Rio. Ainda podemos citar Marrocos, que foi o primeiro time africano a chegar em umas Paralimpíadas, além dos times europeus como França, Turquia e Espanha", cita Jefinho.

"No geral, estou muito orgulhoso de como o futebol de 5 se desenvolveu. Não há segredo para o sucesso. É sobre trabalhar duro e ter uma estrutura que começa no Comitê e termina nos jogadores".

Apesar dos 8 meses que já se passaram desde os Jogos do Rio 2016, as memórias da competição ainda permanecem na cabeça de Jefinho. O atacante foi fundamental para a equipe conquistar o quarto ouro consecutivo. Seu melhor jogo foi contra a China, quando virou a partida com dois golaços.

"Nós nunca esqueceremos dos Jogos do Rio. A competição provou que o esporte paralímpico está crescendo ao redor do mundo e mostrou aos brasileiros que nosso país pode melhorar e se tornar mais acessível para a pessoa com deficiência", ressalta.

Com informações do Comitê Paralímpico Internacional

Fonte: cpb.org.br

Lauro Chaman é campeão na Copa do Mundo de Paraciclismo, na Itália

Por CPB

Imagem

O ciclista Lauro Chaman conquistou nesta sexta-feira, 12, o ouro na prova de contrarrelógio na etapa de Maniago (Itália) da Copa do Mundo de Paraciclismo UCI 2017. O atleta de Araraquara subiu ao lugar mais alto do pódio da classe C5, após completar o percurso de 24km em 30min43s20. Na mesma classe e prova, o brasileiro Soelito Gohr terminou em 15º (35min23s25).

A medalha de Lauro confirma que a boa fase, iniciada nos Jogos do Rio, quando conquistou uma prata e bronze, continua. Em março deste ano, o ciclista já havia subido ao pódio três vezes no Mundial de Pista, em Los Angeles.

Ainda em Maniago, outros três brasileiros competiram no contrarrelógio. Jady Malavazi terminou em 4º na classe H3. Ulisses Leal foi 19º na H4, mesma colocação da dupla Luciano Rosa e Edson Rezende na classe tandem.

Neste sábado, 13, Jady e Ulisses competem na prova de resistência. No domingo, é a vez de Lauro, Soelito e Luciano e Edson disputarem medalhas na mesma prova.

Fonte: cpb.org.br

Traje robótico promete evitar que idosos caiam

Exoesqueleto testado na Itália detecta passo em falso e promove reequilíbrio

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

ctv-pbe-idosos
Motores e componentes estão conectados diretamente a sensores e micros Foto: HILLARY SANCTUARY / EPFL

SÃO PAULO - Um grupo de cientistas da Itália e da Suíça desenvolveu um equipamento robótico que corrige o movimento assim que uma pessoa dá um passo em falso, auxiliando na recuperação do equilíbrio. O estudo que descreve os testes com o protótipo foi publicado nesta quinta-feira, 11, na revista Scientific Reports.

De acordo com os autores do artigo, o novo exoesqueleto inteligente, batizado de Órtose Pélvica Ativa (OPA), teve bons resultados e, depois de aperfeiçoado, poderá ser utilizado para evitar que idosos sofram quedas.

O estudo foi feito por cientistas da Escola Sant'Anna (Itália) e da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça. Os tetes foram feitos no Centro de Rebailitação da Fundação Don Carlo Gnhocci, em Florença (Itália).

De acordo com um dos autores da pesquisa, Silvestro Micera, professor da Escola Sant'Anna e da EPFL, enquanto outros dispositivos robóticos semelhantes, que ajudam o paciente a aprimorar os movimentos normais, o protótipo do exoesqueleto é o primeiro a evitar um evento inesperado como uma queda.

"Nosso exoesqueleto inteligente é leve e personalizar seu uso é extremamente simples. Esse primeiro protótipo requer apenas que o paciente se adapte por alguns minutos, para que o equipamento possa aprender seus movimentos", disse Micera.

Segundo o cientista, o traje é vestido pelo paciente apenas da cintura para baixo. "O protótipo ainda não é o tipo de traje que pode ser discretamente usado fora do laboratório, mas provamos que ele funciona."

Como funciona. O protótipo do exoesqueleto consiste em componentes de fibra de carbono - ajustados às coxas e quadris - e motores, conectados por um sofisticado sistema de sensores e computadores. Na unidade computacional, um algoritmo detecta e analisa as particularidades da caminhada normal do indivíduo.

A partir desses dados, o algoritmo detecta, em tempo real, possíveis desvios súbitos no padrão de caminhada. Quando o desequilíbrio é detectado, os motores puxam as coxas do paciente para baixo, restabelecendo a estabilidade do quadril e fazendo com que ele recupere o equilíbrio.

Testes. Nos testes, um morador de Florença, Fulvio Bertelli, de 69 anos, vestiu o exoesqueleto e andou normalmente para que o algoritmo reconhecesse seu padrão de caminhada. Depois, Bertelli andou sobre uma plataforma robótica programada para provocar perturbações que simulam passos em falso súbitos.

Durante a caminhada, o padrão de caminhada de Bertelli é monitorado por um conjunto de osciladores adaptativos no exoesqueleto, comparando-o o tempo todo com os ângulos reais dos quadris do traje robótico.

Quando o controle de equilíbrio de Bertelli era desafiado, o algoritmo fornecia imediatamente ao exoesqueleto a estratégia de assistência para a recuperação da estabilidade. Assim, quando o passo em falso era detectado, o exoesqueleto contrabalançava o movimento com uma torção ativada pelas juntas dos quadris do exoesqueleto, permitindo a recuperação do equilíbrio.

De acordo com outro dos autores do estudo, Nicola Vitiello, da Escola Sant'Anna, uma das principais vantagens do novo dispositivo é que ele não é invasivo e o paciente não é perturbado desnecessariamente se não estiver caindo. Segundo ele, o próximo passo da pesquisa é tornar o exoesqueleto mais discreto e portátil, para testá-lo com os pacientes em ambiente real.

"Esse trabalho abre caminho para uma geração completamente nova de exoesqueletos projetados para serem eficazes fora dos laboratórios, graças à sua capacidade ativa de tornar a mobilidade do paciente mais estável e segura", disse Vitiello.



Tenista Daniel Rodrigues conquista título de simples e duplas na Itália

Por CPB

Divulgação
Imagem

O tenista Daniel Rodrigues conquistou, nesta quinta-feira, 11, o título de simples e duplas do torneio Internazionali d'Italia ITF 2 - mesmo local do Masters 1000 - na cidade de Roma, na Itália.

Nas quartas de final, o mineiro venceu o australiano Adam Kellerman com parciais de 6/3 e 7/6 (6). Na semifinal, ele enfrentou o britânico Marc Mccarroll e ganhou por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/2.

Número 28 do mundo de simples, Daniel Rodrigues venceu o austríaco Nico Langmann, número 27 no ranking, por 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 6/0. Este foi o segundo título de Daniel na temporada, que havia conquistado o título em Uberlândia.

Nas duplas, Daniel Rodrigues e o britânico Marc Mccarroll derrotaram o austríaco Nico Langmann e o italiano Silviu Culea em dois sets, parciais de 6/0 e 6/2.

Com informações da Confederação Brasileira de Tênis (CBT).

Fonte: cpb.org.br

Natal recebe segunda fase do Intercâmbio dos Centros de Referência de Halterofilismo

Por CPB

Graziella Batista/CPB/MPIX
Imagem

A segunda fase do Intercâmbio dos Centros de Referência e Desenvolvimento de Halterofilismo será realizada neste mês, em Natal (RN). De 26 a 28 de maio, os técnicos nacionais da modalidade Valdecir Lopes, Weverton Lima e Carlos Willians estarão na capital potiguar para uma troca de experiências com atletas e técnicos locais.

De acordo com o coordenador da modalidade no Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Felipe Dias, a ideia destes intercâmbios é fortalecer a modalidade. "O objetivo é nivelar mais os atletas com esse compartilhamento de conhecimento entre os técnicos. Queremos trazer também essa experiência aos atletas e, assim, deixar o halterofilismo com um nível maior", observou.

As atividades serão internas e externas. Internamente, Valdecir, Weverton e Carlos conversarão com técnicos e atletas sobre métodos de treinos, técnica utilizada no banco de provas e até controle antidoping. Todas essas atividades serão realizadas no Centro de Referência de Natal. A parte externa do intercâmbio será a parte de divulgação da modalidade. Para isso, a equipe de técnicos vai promover uma ação na academia Ápice, na capital potiguar, com demonstração prática da modalidade, além de uma breve aula aos interessados sobre como funciona o halterofilismo paralímpico.

Além dos treinadores nacionais, quem também participa do Intercâmbio é a atleta Terezinha dos Santos, que representou o Brasil nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Terezinha dará depoimentos sobre a visão de competidor durante as atividades.

Antes de chegar a Natal, o Intercâmbio passou por Brasília (DF), em abril. Em junho, o evento será realizado em Manaus (AM). A quarta fase será em São Bento do Sul (SC), em julho, e a quinta, em São Paulo (SP), em outubro.

Fonte: cpb.org.br

CPB divulga critérios de convocação para o Mundial de Jovens de Atletismo 2017

Por CPB

Washington Alves/MPIX/CPB
Imagem

O Comitê Paralímpico Brasileiro, por meio de seu departamento técnico, divulga os critérios de composição da equipe que representará o Brasil no Mundial Paralímpico de Jovens de Atletismo, entre os dias 3 e 6 de agosto, na cidade de Nottwill, na Suíça. 
Ao todo, serão levados dez atletas com os índices mínimos de qualificação descritos no documento abaixo. O Mundial de Jovens do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês), contará com atletas entre 14 e 19 anos. 


Fonte: cpb.org.br


Apadevi fica com última vaga e encara atual campeão na semifinal

Apadevi fica com última vaga e encara atual campeão na semifinal
Foto: Panizza foi decisivo na classificação da Apadevi.

A última vaga para as semifinais do Regional Nordeste de Futebol de 5 foi conquistada na manhã desta sexta-feira (12), em Maracanaú, região metropolitana de Fortaleza. A Apadevi-PB precisava vencer o CAP-BA por três gols de diferença para avançar e fez mais que isso. Com Panizza inspirado, os paraibanos venceram por 4 a 0, e garantiram um lugar na próxima fase da competição.

O adversário na semifinal será o ICB-BA, líder do Grupo A e atual pentacampeão regional. A partida será realizada neste sábado (13), na Arena Carlão, às 08h30, com transmissão em tempo pelo twitter @cbdvonline. A outra vaga na decisão será decidida entre Apace-PB, que venceu a Advp-PE no complemento da rodada por 3 a 2, e Escema-MA, às 10h15.

As duas equipes vitoriosas nas semifinais fazem a final no domingo, às 09h45. Antes, às 08h, acontece a partida pela medalha de bronze. A competição acontece na Arena Carlão, em Maracanaú, com portões abertos ao público.


Serviço
Regional Nordeste de Futebol de 5
Data: 09 a 14 de maio de 2017
Horário: 08:30 às 10:15 e 14:00 às 17:30 (09 a 12/05); 08:30 às 10:15 (13/05); e 08:00 às 09:45 (14/05).
Local: Ginásio Carlos Alberto Portela
Endereço: Rua João Henrique da Silva, Pajuçara - Maracanaú - CE (região metropolitana de Fortaleza)

Entrada franca

Fonte: cbdv.org.br

Cada criança pode desfrutar de um dia no Waterpark com esta cadeira de rodas a ar-Powered - Veja o vídeo.


O PneuChair também pode ser recarregado muito mais rapidamente - em apenas 10 minutos.

A maioria das cadeiras de rodas elétricas e dispositivos de mobilidade pode facilmente shrug off um pouco de chuva, mas no geral, eles realmente não se misturam bem com água. Assim os engenheiros na universidade de Pittsburgh projetaram uma cadeira de rodas motorizada que funciona no ar comprimido, permitindo que aqueles com mobilidade limitada com segurança apreciem um dia no parque da água. De vez em quando, coisas boas realmente acontecem neste mundo.
Os engenheiros da Universidade de Pittsburgh's Laboratórios de Pesquisa de Engenharia Humana já estavam trabalhando com o Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA e da Universidade de Pittsburgh Medical Center, sobre protótipos das cadeiras, mas foram contatados por representantes do Morgan's Wonderland parque de diversões em San Antonio , Que atende às pessoas com deficiência.
O país das maravilhas de Morgan abriria um parque novo do respingo, console da inspiração de Morgan, onde a maioria de wheelchairs elétricos não poderiam ser usados ​​com segurança. Para garantir que os hóspedes não têm de ser empurrado em torno de uma cadeira de rodas manual, a Human Engineering Research Laboratories vai entregar dez de suas cadeiras quando o parque oficialmente abre no final desta primavera.
Construído a partir de componentes que podem quase todos ser encontrados em uma loja de ferragens, o PneuChair é alimentado por um par de tanques de ar comprimido. Sua faixa é limitada a cerca de três milhas, ou cerca de um terço da distância de uma cadeira de rodas a bateria pode viajar. Mas recarregar os tanques só leva cerca de dez minutos, em comparação com a carga de oito horas para uma bateria grande em um dispositivo de mobilidade elétrica.
Sem eletrônica, o PneuChair também é mais barato, e mais fácil de manter e reparar do que uma cadeira de rodas elétrica. Mas a maior vantagem é que ele pode ser espirrado, embebido, e até mesmo dirigido sob uma cachoeira, sem quebrar, ou eletrocutando o piloto. Além de parques temáticos, o projeto também pode ser útil para hospitais e casas de repouso, permitindo que os pacientes acessem chuveiros, mantendo-se independente.
        .
Fontes: gizmodo  -  turismoadaptado.wordpress.com


5 coisas que as mães de autistas gostariam que você soubesse

"Pode deixar o seu filho brincar com o meu", "Não é porque ele não fala que ele não te entende"... Veja a lista completa!

5 coisas que as mães de autistas gostariam que você soubesse

Distúrbio cujas causas podem estar relacionadas a fatores genéticos e ambientais, mas que continuam sendo um mistério para a ciência, o autismo afeta o desenvolvimento dos pequenos já nos primeiros três anos de vida.

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, estima-se que uma em cada 68 crianças recebam o diagnóstico do transtorno, que pode trazer consequências como a dificuldade de interagir socialmente, de se comunicar verbalmente e a presença de comportamentos repetitivos – as chamadas estereotipias.

O problema é que nem sempre as pessoas respeitam os sinais apresentados pelos autistas – especialmente quando falamos de crianças, que podem ter dificuldade para entender certas atitudes de outros pequenos. Por isso, nas redes sociais perguntamos às nossas leitoras que enfrentam esse tipo de situação com os filhos o que elas gostariam de falar para promover, cada vez mais, uma verdadeira inclusão e menos preconceito em relação aos baixinhos que fazem parte do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Confira abaixo:

“Pode deixar o seu filho brincar com o meu”, comentou Luana Mendes. Porque, diferente do que alguns acreditam, essa troca entre os pequenos é sempre benéfica para todos os envolvidos!

“Não é porque ele não fala que ele não te entende. Ele entende tudo o que acontece ao seu redor”, afirmou Deise Neves. É muito importante evitar comentários que não acrescentam em nada. Autistas podem ter mais dificuldade para se expressar, mas do jeito deles, eles possuem um entendimento sobre as coisas que acontecem à sua volta.

“Eu gostaria que os outros pais entendessem que ele não é um menino mal-educado. Só que ele ainda não fala e tem dificuldade de demonstrar o que quer, por isso, pode ter esses comportamentos atípicos.

Mas ele entende tudo e, se suas crianças tiverem um pouco de paciência, ele vai amar brincar com elas. Ele é carinhoso e tem uma memória incrível”, contou Cristilaine Costa. Sabe aquela história de não julgar sem conhecer o que realmente se passa? Pois é…

“Gostaria que soubessem que o meu pequeno William, de 4 anos, está no espectro autista e isso é só mais um aspecto da sua personalidade. Crianças estão se descobrindo e ainda vamos nos surpreender muito. Crianças autistas são diferentes, mas JAMAIS incapazes”, ressaltou Gisele. Porque nenhum tipo de distúrbio define uma pessoa. Ela é muito mais do que isso. Se todos estiverem abertos a essa convivência, vão se surpreender!

“Meu filho não gosta de ser tocado, mas isso não significa que ele não goste da sua companhia ou de você”, relatou Luana. Mais uma vez, as crianças autistas têm a sua própria maneira de se expressar e isso não tem nada a ver com o que elas sentem.

Fontes: Bebe Abril - inclusaodiferente.net

Musicoterapia para os deficientes auditivos

  
Estudos apontam que apenas uma pequena porcentagem de pessoas com deficiência auditiva não ouve absolutamente nada

As deficiências auditivas são umas das mais devastadoras desvantagens sensoriais.Embora as deficiências visuais sejam avassaladoras, estão ligas ao ambiente, ou seja, afasta você das coisas.
Já as deficiências auditivas, são desvantagens de comunicação que o impede de interagir com as pessoas, a comunicação é a base do nosso ser social e cognitivo e sem ele estamos isolados do mundo, por isso não é incomum associar essa deficiência a depressões.
O treinamento auditivo é parte integrante de um processo de habilitação com pessoas com deficiência auditiva. Se você sofre de algum problema auditivo é deve aprender a interpretar e atender aos sons, especialmente a fala, em seu ambiente, a fim de aumentar a taxa e a qualidade de seu desenvolvimento social e comunicativo
Por esta razão, acredita-se que a prática clínica da musicoterapia em casos de deficiência auditiva, se concentrada nas áreas intimamente relacionadas à comunicação: treinamento auditivo, produção de fala e desenvolvimento da linguagem.
O QUE É A MUSICOTERAPIA
É o uso da terapia de som, que através do trabalho sobre esses déficits de comunicação, a musicoterapia tem o efeito secundário de melhorar a socialização e a auto-estima.
Estudos apontam que apenas uma pequena porcentagem de pessoas com deficiência auditiva não ouve absolutamente nada, e devido à variedade de freqüências e à intensidade usual, a percepção da música é muitas vezes mais acessível aos que sofrem auditiva do que as complexidades do sinal de fala.
A música também é flexível e pode ser modificado de acordo com o nível de audição, nível de linguagem, maturidade e preferência musical do paciente.
É um meio de atividade externa e experiência interior, e se relaciona diretamente com a fala e a linguagem, comunicação e pensamento, bem como com a expressão corporal e uma ampla gama de emoções, trabalhando a auto-estima sem precisar de medicamentos para depressão.
Musicoterapia para os Deficientes Auditivos
Em vez de excluí-los, a terapia de som abrange e melhora a habilitação e o desenvolvimento geral das pessoas com deficiência auditiva.
Para pessoas com deficiência auditiva, a musicoterapia pode:
  • Aumentar a capacidade de audição, treinar e expandir o uso de audição residual
  • Melhoria de fala que muitas vezes é pouco clara ou distorcida
  • Oradores comdeficiência auditiva tendem a demonstrar menos variações na afinação e entonação, o que resulta em monótonos, a musicoterapia trata esses problemas rítmicos.
  • Qualidade de voz melhorada
  • Canções podem estimular a prática de discriminação auditiva, diferenciando e integrando sons de letras, silabicação e pronúncia
  • Gera maior espontaneidade vocal / verbal e confiança
  • Melhorar o desenvolvimento e a educação da língua e melhorar as habilidades de comunicação em geral, sem perder a sua qualidade de vida pessoal e profissional
As técnicas e as atividades da terapia musical podem eficazmente ajudar ao desenvolvimento destas características prosódicas da fala, do ritmo, da entonação, da taxa e do stress.
Nota musical para melhorar a prosódia da fala em clientes com deficiência auditiva
Há um sistema de notação visual concebido para ajudar os clientes a combinar palavras familiares e desconhecidas ou sons de palavras com a estrutura rítmica apropriada.
Resultados positivos significativos foram encontrados para a melhoria da prosódia da fala, bem como generalização e transferência significativa de aprendizagem.
Musicoterapia para os Deficientes Auditivos -Terapia de Ruído Branco
O ruído branco é aquele que se distribui pelo espectro, tanto eletromagnético, quanto sonoro de forma constante, é um tipo de ruído produzido pela combinação simultânea tanto de freqüência eletromagnéticas quanto sons, em todos os comprimentos de ondas. O adjetivo branco é utilizado para descrever este tipo de ruído em analogia ao funcionamento da luz branca, dado que esta é obtida por meio da combinação simultânea de todas as freqüências cromáticas.
Há quem afirme que a terapia do ruído branco tem aspecto relaxante, uma vez que toda a audição se concentra em um único som.
É ideal para o tratamento para zumbido no ouvido, já que sua audição ignora todo e qualquer som à volta, concentrando-se apenas na emissão dos ruídos, sem precisar usar aparelhos auditivos caros.
O mesmo principio é aplicado na terapia de sons da natureza ou a terapia de sons finos clássicos.
A música tem o poder de ir abaixo da superfície da comunicação típica e experiência.
Estudos sugerem que a terapia de som pode ser um método útil no ensino de conceitos selecionados para pessoas com deficiência auditiva.
Muitos distúrbios emocionais e comportamentais são associados à frustração experimentada por uma pessoa com perdas auditivas, e se você sofre de zumbidos no ouvido, tonturas, enjôo, vertigem, saiba que existem recursos que podem melhorar sua audição.
Se antes não via solução, saiba que você nunca mais vai pensar em suicídio, ou em soluções extremas.
A comunicação pode ser entendida de diversas formas e a musicoterapia para os deficientes auditivos tem melhorado e aumentado a qualidade vida de muitos pacientes adeptos a esta técnica.
Fontes: Zumbido no Ouvido - hturismoadaptado.wordpress.com

Saiba porque a Barbie cadeirante parou de ser produzida!

                     

Em 1997, a Mattel, marca que fabrica a boneca Barbie, personagem que inspira e incentiva garotas a serem o que quiserem, tentou trilhar um caminho um pouco diferente: no ano em questão, lançou, nos EUA, “Becky”, uma amiga cadeirante da Barbie. A medida, inicialmente vista como uma possibilidade de trazer representação e visibilidade para a causa, logo se mostrou um problemão a se desenrolar.

Isso porque a cadeira de rodas de Becky simplesmente não passava pelas portas da casa da Barbie. Para piorar, se a “dream house” fosse da cadeirante, ela não conseguiria lavar sua louça, já que a cadeira não cabia embaixo da pia. Como se não fosse o bastante, hoje, vinte anos depois do lançamento, a principal questão problemática, a inacessibilidade da boneca - constatada logo após seu lançamento, permaneceu sem correção.

De acordo com o site “Pri”, que reúne informações sobre a programação das emissoras de rádio públicas dos Estados Unidos, o produtor Renee Gross fez um teste: comprou uma versão atualizada da Dreamhouse e uma Becky e levou os ítens para Monique Kulick, uma advogada especializada nos direitos dos deficientes.

A Mattel informou que, por enquanto, Becky deixará de ser produzida, mas há a intenção de trazê-la de volta, com uma cadeira menor, possível de transitar pela casa da Barbie.

Para Karin Hitselberger, cadeirante devido à paralisia cerebral a sociedade tende a tentar consertar as deficiências, quando ela mesma é que precisa de conserto: “Existem muitas maneiras de pensar sobre deficiência, mas falamos sobre consertá-las, em vez de colocar o foco em ‘consertar’ a sociedade”.

Becky não chegou a ser vendida no Brasil.

As informações foram retiradas do site Pri.

Fontes:  adnews.com.br - cantinhodoscadeirantes.com.br

Mec ainda não Entende que o Autismo é uma realidade

Autistas reivindicam mais inclusão nas escolas

  Mec ainda não Entende que o Autismo é uma realidade

O estudante autista, Wander Gonçalves da Silva Júnior, disse nesta quinta-feira (4), na Câmara, que o Ministério da Educação não está preparado para realizar provas adequadas para pessoas com o transtorno. Silva Júnior participou de debate realizado pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência para discutir os problemas enfrentados pelos autistas nas escolas.

O autismo é um transtorno global do desenvolvimento que se caracteriza pelo comprometimento na socialização, nas habilidades de comunicação e no comportamento social. Os transtornos do espectro autista se manifestam em uma a cada 68 crianças.

“O MEC trata o transtorno do espectro autista como se ele não existisse”, disse o estudante, ao explicar que a lei assegura uma prova em formato pedagógico acessível, que se baseie no diagnóstico médico do estudante, para que assim seja feita uma avaliação adequada à sua condição biológica e à sua condição de fala na correção da redação. “Nem na prova objetiva, nem na prova dissertativa há respeito à legislação vigente”, criticou Silva Júnior.

A diretora de políticas de educação especial do MEC, Patrícia Neves Raposo, reconheceu que no caso dos autistas ainda há muito a ser feito, mas garantiu que o ministério tem trabalhado na inclusão de cada vez mais pessoas com deficiência no ensino regular. “Temos hoje um maior quantitativo de alunos do espectro autista incluídos em classes comuns do ensino regular com atendimento educacional especializado e com o apoio de programas e ações do Ministério da Educação”, afirmou.

Formação de professores

Por sua vez, a diretora de Ensino do Movimento Orgulho Autista do Brasil, Viviani Guimarães, lamentou que muitas vezes os alunos vão para as escolas, mas por falta de formação dos professores e de estrutura da escola, não participam das atividades da turma.

A deputada Carmen Zanotto (PPS-SC) afirmou que a comissão vai enviar um pedido de esclarecimento ao MEC para apurar se as mudanças previstas na lei estão sendo implementadas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e nas escolas. “Nós temos legislações avançadas neste tema, mas ainda não temos a garantia para que os familiares das pessoas com autismo tenham o direito de escolher uma escola regular para seus filhos frequentarem ou até mesmo a universidade, a partir dos programas do governo federal.”

Fontes: Conews - inclusaodiferente.net