sábado, 25 de novembro de 2017

Após 11 meses, vereadora cadeirante de Guaíba enfim consegue ir às sessões com instalação de elevador

Após cair de um aparelho que a levava até o plenário e participar das sessões por teleconferência, Fernanda Garcia finalmente pôde ocupar seu lugar. 'Agora estou legislando de fato', diz.

Por G1 RS

Fernanda com o presidente da Câmara de Guaíba, Dr. Renan Pereira, no elevador acessível instalado para que ela pudesse ir ao plenário (Foto: Divulgação)
Fernanda com o presidente da Câmara de Guaíba, Dr. Renan Pereira, no elevador acessível instalado para que ela pudesse ir ao plenário (Foto: Divulgação)

Quase no fim do primeiro ano como vereadora de Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre, Fernanda Garcia finalmente pôde entrar no plenário da Câmara Municipal da cidade que a elegeu com 909 votos. Cadeirante, a parlamentar não tinha acesso ao local, que fica no segundo andar da Casa Legislativa. No início de novembro, com a instalação de um elevador que a leva da garagem, no subsolo, diretamente para o plenário, ela passou a ocupar o seu lugar nas sessões.

"É totalmente diferente", explica ela, que chegou a participar das sessões por vídeoconferência, a partir de uma sala no primeiro andar do prédio, que é acessível por uma rampa externa. Mas a tecnologia não a permitia atuar plenamente nas sessões. Fernanda só ouvia os microfones do presidente e do secretário, ou quando algum colega pedia a palavra. "Estamos no mesmo ambiente que eles, eu me dou conta de tudo o que acontece. É totalmente diferente. Agora estou legislando de fato", comemora ela.

Aos 18 dias de sua legislatura, em janeiro deste ano, Fernanda sofreu um acidente ao tentar subir ao plenário em um aparelho chamado "carro escalador", que a alçava, em sua cadeira de rodas. Por um problema no dispositivo, ela caiu e fraturou o fêmur. Somente em junho, Fernanda voltou da licença.

Ela passou então a participar das sessões via teleconferências. O equipamento que fazia a transmissão também parou de funcionar. "Normalmente eu consigo ter a palavra quando peço, os colegas conseguem me ouvir, ocorre tudo normal, mas na última sessão isso não foi possível. Teve esse problema técnico e eu fiquei muito chateada", desabafou a vereadora ao G1, em entrevista publicada em agosto.

"Eu ficava muito isolada. Os vereadores não costumavam ir até lá (no primeiro andar). Agora, eu circulo por tudo", diz Fernanda. Mais do que a chance de desempenhar o seu trabalho plenamente, o elevador instalado representa o cumprimento de uma lei federal, a 10.098, de 2010, que institui a obrigatoriedade de acessibilidade nos prédios. "Não é o elevador da vereadora Fernanda, é de todos", diz ela.

Inclusão também para os moradores

Câmara Municipal de Guaíba tem três andares, com o térreo (Foto: Reprodução/RBS TV)
Câmara Municipal de Guaíba tem três andares, com o térreo (Foto: Reprodução/RBS TV)

Cidadãos com a mobilidade reduzida poderão utilizar o equipamento instalado para acessar o plenário. Na verdade, já estão utilizando. Fernanda conta que, quando chegou na primeira sessão após a instalação do elevador, encontrou lá outro homem cadeirante, que precisava ser levado pelos funcionários da casa para conseguir acompanhar as sessões. "Nós rimos: 'como assim tu estreou o elevador antes de mim?'. Ele estava muito feliz por estar lá e eu também, por ver ele", comenta a vereadora.

Foram realizadas três sessões desde que o elevador entrou em funcionamento, além de uma sessão solene. O objetivo de Fernanda, agora, é seguir a atuação na luta pelo direito daqueles que têm mobilidade reduzida.

"Eu não defendo a causa, eu vivo a causa. Minha bandeira foi voltada pela inclusão e acessibilidade. Mas tenho que ser bem realista, a gente ainda tá muito longe de um patamar ideal", reflete Fernanda.

"Não é responsabilidade só do poder público, a sociedade tem que se conscientizar. O comerciante não tem que fazer rampa porque é lei, mas porque ele também precisa nos receber. Nós também consumimos", aponta.

Projeto inicial embargado

A instalação do elevador que hoje leva Fernanda até o local de trabalho foi uma iniciativa da atual legislatura frente a uma dificuldade em tocar a obra original, que está embargada. Fernanda conta que desde 2010, existe o projeto de instalação do elevador, muito antes dela ser eleita. Porém, a obra foi paralisada em 2013, devido a uma ordem do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que considerou ilegais os aditivos feitos ao procedimento.

Após tentativas de solucionar a questão, o atual presidente da Câmara de Vereadores, Dr. Renan Pereira, decidiu iniciar uma nova obra. Ao custo de R$ 155 mil, o equipamento foi instalado, em uma obra que durou 120 dias.

Fernanda afirma que há a intenção de solucionar o problema junto ao TCE. Assim, a vereadora que ficou de fora dos primeiros meses da legislatura terá não uma, mais duas opções para entrar no prédio. "É o meu direito garantido pelo meu local de trabalho", conclui.

                     Eleita pela primeira vez em 2016, Fernanda defende a acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida em seus projetos de lei (Foto: Divulgação)
Eleita pela primeira vez em 2016, Fernanda defende a acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida em seus projetos de lei (Foto: Divulgação)

Fonte:

Encontro em Piracicaba debate desenvolvimento emocional dos filhos

Evento é gratuito e ocorre na sede da Associação de Atendimento a Pessoas com Deficiência Visual a partir de 9h deste sábado.

Por G1 Piracicaba e Região

Encontro abordará desenvolvimento emocional dos filhos na Avistar, em Piracicaba (Foto: Manu Domênico/Avistar)
Encontro abordará desenvolvimento emocional dos filhos na Avistar, em Piracicaba (Foto: Manu Domênico/Avistar)

A 4ª edição do Dedo de Prosa ocorrerá neste sábado (25) entre 9h e 11h30, na Associação de Atendimento a Pessoas com Deficiência Visual de Piracicaba (Avistar). O tema desta edição é "Crescer e amadurecer: vamos falar do desenvolvimento emocional?” e será desenvolvido pela psicóloga Mariana Biffi. A participação é gratuita.

O evento foca na experiência de ter filhos e educar. Durante o encontro, será abordado o desenvolvimento emocional do bebê, da criança e do adolescente, com as necessidades e dificuldades de cada fase.

Mariana Biffi é doutoranda em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas (SP) e atua nas áreas de maternidade e desenvolvimento infantil.

Serviço

O quê: Dedo de Prosa “Crescer e amadurecer: vamos falar do desenvolvimento emocional?”.

Quando: Sábado (25) das 9h às 11h30

Onde: Avistar, localizado na avenida Antônia Pazinato Sturion, 830, Jardim Petrópolis).

Quanto: Entrada gratuita.

Fonte: g1.globo.com

Feira no Recife apresenta cadeira de rodas e óculos que identificam obstáculos para pessoas com deficiência

Projetos foram desenvolvidos pelo Instituto Federal de Pernambuco e podem ser vistos na Mobility & Show Nordeste. Evento tem entrada gratuita e ocorre no RioMar Shopping até domingo (26).

Por Thays Estarque, G1 PE

Protótipo de cadeira de rodas inteligente está em exposição na feira (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)
Protótipo de cadeira de rodas inteligente está em exposição na feira (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

Uma cadeira de rodas que funciona por comando de voz do usuário e, através de um celular com aplicativo, identifica obstáculos à frente, e óculos para cegos que avisam, por meio de um sinal sonoro emitido pelo celular, se há obstáculos no caminho são alguns dos destaques de uma feira voltada para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida que o Recife recebe até domingo (26). Com cerca de 35 estandes, a Mobility & Show Nordeste ocorre no RioMar Shopping, na Zona Sul da cidade, e tem entrada gratuita.

Ambos os projetos foram desenvolvidos pelo Instituto Federal de Pernambuco (IFPE). A cadeira de rodas inteligente foi pensada para pessoas com deficiência motora ou neurológica. Segundo o diretor de extensão do IFPE, Victor Wanderley, tudo foi planejado para que fosse o mais fácil e acessível possível para o usuário. “São comandos simples de voz como frente, trás, esquerda, direita. A tecnologia tem que ser fácil de ser utilizada para que não haja uma barreira para as pessoas que não têm o costume do uso tecnológico”, pontuou.

Um conjunto de sensores de proximidade motora e de ultrassom de percepção forma o protótipo. Já a funcionalidade de identificar obstáculos pelo caminho é feita por meio de um celular com aplicativo, que é acoplado na cadeira. “É extremamente importante ter uma grande quantidade de sensores na cadeira para detectar desníveis nas calçadas e nos obstáculos na rua”, completou.

O projeto está no estágio de buscar parceiros para fabricar e inserir a ideia no mercado. Para Wanderley, a média estimada de preço da cadeira é de R$ 4 mil. Porém, a intenção é baixar o custo o quanto for possível. “Buscamos parceiros tecnológicos que possam desenvolver conosco o produto. Esse projeto não tem nenhum viés financeiro para nós. É um viés extremamente social de uma instituição pública para a sociedade. Queremos que a cadeira de rodas chegue para a sociedade de uma forma justa para que as pessoas possam usufruir dessa tecnologia amplamente”, contou.

Também na feira, o IFPE demonstra óculos para cegos que avisam a existência de obstáculos no caminho por meio de um sinal sonoro emitido pelo celular. “Eles emitem um bipe como se fosse um aviso de ré dos carros. Os óculos estão conectados ao celular por meio do aplicativo e o som sai desse celular”, explica o diretor. Com média de preço estimada em R$ 200, o projeto também busca parceiros para que o produto seja introduzido no mercado.

Medalhista paralímpico Clodoaldo Silva participa de feira voltada para pessoas com deficiência e baixa mobilidade (Foto: Thays Estarque/G1)
Medalhista paralímpico Clodoaldo Silva participa de feira voltada para pessoas com deficiência e baixa mobilidade (Foto: Thays Estarque/G1)

Medalhista paralímpico

Presente no evento, o medalhista paralímpico Clodoaldo Silva, prata na natação nos Jogos Rio 2016, disse ficar feliz por perceber como o assunto vem sendo tratado nos últimos anos. Detentor de seis medalhas de ouro, seis de prata e duas de bronze em cinco Paralimpíadas, o atleta lembra que não havia muitos projetos pensados para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida quando começou no esporte, em 1996.

“Não tínhamos mobilidade urbana. Essas inovações começaram a aparecer em 2004 quando o esporte paralímpico também começou a ter mais visibilidade. O mais legal de tudo isso é que o benefício não foi só para o esporte, foi para as pessoas com deficiência. Por isso, que hoje tem feiras falando de mobilidade e inovações. É uma alegria imensa para mim porque eu olho para trás e vejo que não tinha nada. Hoje, nós temos mais possibilidade de dar direito às pessoas com mobilidade reduzida de ir e vir”, afirmou.

Fonte: g1.globo.com

Notícia falsa sobre saúde de Gerson Brenner assusta familiares do ator

"Essas pessoas são desprezíveis", disse a mulher do artista em nota

R7 DIVERSÃO Aurora Aguiar, do R7

Eduardo Enomoto/R7
Marta e Gerson em foto para o portal R7
Marta e Gerson em foto para o portal R7

Marta Mendonça, mulher do ex-ator Gerson Brenner, está chocada com uma falsa notícia circula na internet a respeito do estado de saúde do marido. Um determinado site de notícias tratou a internação de Brenner — que está em um hospital de São Paulo se recuperando de uma pneunomia e uma cirurgia — com o seguinte título: "Morte de Gerson Brenner é impugnada após passar mal no pós-cirúrgico".

Reprodução/BlastingNews
Manchete que assustou familiares de Gerson Brenner
Manchete que assustou familiares de Gerson Brenner

No texto publicado, informações desencontradas e mentiras sobre o quadro clínico do ex-ator, como por exemplo: "Gerson precisou ser internado às pressas após passar mal depois de cirurgia".

Marta contou ao R7 que o telefone dela não para de tocar.

— O telefone aqui não para de tocar. Foi um susto. Já estamos em contato com nossa advogada que irá cuidar desse assunto. Absurdo!

Em seguida, ela divulgou uma nota oficial.

Leia a íntegra da nota:

"Gostaria de tranquilizar a todos nossos familiares, amigos e fãs que nosso querido Gerson Brenner está se recuperando de uma pneumonia, mas, graças a Deus, está bem, melhorando a cada dia. Ele continua internado, para que saia com total segurança clínica e, para que tenha ainda melhor qualidade de vida. Levamos um susto quando lemos a mentira que foi colocada na mídia. Estamos tomando as medidas cabíveis por conta desse absurdo!! Mais uma vez o sensacionalismo de alguns, levam notícias falsas e em momento nenhum se preocupam com a família e as pessoas que realmente se preocupam e amam o Gerson. Essas pessoas são desprezíveis, com atitudes antiprofissionais e anti éticas. Ainda bem que somos cercados de anjos e amigos de verdade!!! Um grande abraço e um beijo. Fiquem com Deus!!!"

A VERDADE

Gerson Brenner está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital São Luiz, do bairro do Itaim, zona oeste de São Paulo, desde o dia 2 de outubro. Ele passou por uma cirurgia no estômago há cerca de dez dias. O procedimento deu-se para a colocação de uma sonda que vai ajudá-lo a se alimentar de forma mais segura.

Marta Mendonça, psicóloga e mulher do ator há 18 anos, explicou ao R7 a necessidade da operação.

— Gerson precisou ser trazido às pressas ao hospital porque teve uma broncoaspiração. Ele aspirou uma secreção, que além de causar pneumonia, obstrui as vias aéreas. Assim que aconteceu, eu já o trouxe para cá.


A partir desta operação, o ator agora vai se alimentar de duas formas: via oral e a maior parte por meio de um cateter.

— O objetivo todo do procedimento foi arrumar uma forma dele conseguir se alimentar com segurança, justamente para que ele não volte constantemente ao hospital prejudicando mais a saúde dele.

Em junho deste ano, Brenner passou pelo mesmo problema da broncoaspiração, tendo ficado 40 dias internado. Desta vez, o problema foi ainda mais complicado e já são 50 dias de hospital. Marta disse que a gastrostomia — nome da cirurgia feita pelo ex-ator — só não aconteceu antes porque os médicos estavam relutantes pelo fato de Gerson gostar de comer muito bem.

— Mas chegamos a decisão que não dava mais para continuar assim. Eu não quero mais ver ele passando por isso. Foi uma decisão difícil [optar pela cirurgia], e agora o que a gente mais quer é sair daqui do hospital com segurança.

Marta contou ainda que está recebendo treinamento médico para que ela mesma alimente o marido quando for para casa.

Há 50 dias, a rotina de Marta é chegar ao hospital às 9h15. Durante a parte da manhã, ela acompanha o trabalho da equipe médica do hospital que está cuidando do ex-ator. À tarde, ela conduz fonoaudiólogo e fisioterapeuta particular de Gerson. E à noite, ele é observado por um cuidador, também particular.

— Eu só volto para casa depois das 22h.

A psicóloga contou que Brenner está consciente de tudo que está acontecendo com ele e ainda destaca que o marido está bem-humorado.

— Ele já sabe que vai ter o melhor que for para ele. Ele até está brincando aqui do meu lado, mandando beijos.

E por fim, Marta disse que a gastrostomia não é definitiva e os médicos já estudam alta.

— Vamos começar com uma quantidade bem pequena, se a gente perceber que ele está indo bem, tudo pode ser revertido. Tudo o que a gente mais quer, eu repito, é sair com ele daqui com toda segurança.

"Ele é um milagre", disse Willian Farias sobre o filho com paralisia cerebral


O capitão do Vitória, Willian Farias, além de um guerreiro dentro das quatro linhas, também é fora do campo. Ao jornal Correio da Bahia, o jogador falou sobre o drama que vive o filho, o pequeno Enzo Gabriel, de somente 2 anos de vida.

“Ele nasceu perfeito. Com 40 dias, teve uma doença autoimune. Ele ficou com os níveis de plaqueta e hemoglobina muito baixos, ficou muito debilitado e, quando foi fazer uma transfusão, teve uma parada cardiorrespiratória. Ele ficou quase meia hora sem respirar. Os médicos depois de 10 minutos desistem, porque a criança não tem mais chance ou pode lesionar muito. Mas não desistiram dele. Meu filho é um milagre”, disse o jogador.

Willian Farias ainda conta que estava fora do Brasil quando Enzo enfrentou a primeira batalha: “Quando ia voltar para o Brasil, a delegação voltaria pela tarde e minha passagem era a única para a manhã. Ali eu tive medo. Cheguei, meu filho foi colocado em coma induzido, na UTI, eu não sabia o que estava acontecendo direito. Procurei a médica e pedi para me contar tudo. Quando perguntei das sequelas, ela disse ‘não sei nem se seu filho vai sobreviver. Em qualquer momento posso te ligar e dizer que ele veio a óbito’. Foi um tombo”.

Atualmente Enzo faz fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia. À reportagem, Farias ainda afirmou que tem o sonho de abrir uma clínica de reabilitação, em Salvador, para crianças com paralisia cerebral.

Fontes: redacao@varelanoticias.com.br - nandoacesso.blogspot.com.br

Lei obriga agências bancárias a garantir atendimento em Libras e entrada de cão-Guia em PE

Norma, publicada no Diário Oficial de Pernambuco nesta quarta-feira (15), contempla pessoas com mobilidade reduzida e pessoas de doenças graves.

(Foto: Reprodução/TV Globo)
Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco

Uma nova lei obriga as agências bancárias localizadas no estado de Pernambuco a garantir atendimento em Língua Brasileira de Sinais (Libras) para pessoas com deficiência auditiva. No caso de deficientes visuais, o estabelecimento ainda tem que permitir a entrada e a permanência de cão-guia, solicitando, apenas, a carteira de vacinação atualizada do animal.

A norma também contempla pessoas com outras deficiências, com mobilidade reduzida e com doenças graves. Publicada no Diário Oficial do Legislativo desta quarta-feira (15), a lei de número 16.203 de 2017 entrou em vigor na terça-feira (14).

Pessoas com doenças graves também passam a ter atendimento prioritário garantido. Para isso, elas precisam apresentar o laudo médico assinado contendo sua condição.

As agências terão que afixar um cartaz com tais medidas em um local visível no estabelecimento. As informações precisam estar escritas em negrito. “Pessoas com deficiência, mobilidade reduzida, inclusive idosos, gestantes, lactantes, pessoas com criança de colo e obesos, ou diagnosticadas com doenças graves, devidamente comprovadas por meio de laudo médico, têm direito a tratamento diferenciado e atendimento preferencial”, deve conter o texto.


O banco que não cumprir a lei será advertido. Ele será multado no valor de R$ 1 mil a R$ 5 mil, levando em consideração o porte dele e as circunstâncias da infração. Em caso de reincidência, o valor da penalidade será aplicado em dobro.

Fontes: G1 - fernandazago.com.br

Adiado o prazo para ACESSIBILIDADE nos cinemas


Prazo para que salas comerciais de cinema ofereçam recursos de acessibilidade visual e auditiva foi estendido até 16 de novembro de 2018 pela Agência Nacional do Cinema (Ancine). Até 16 de setembro de 2019, todos os complexos e salas de cinema devem estar adequados às necessidades. Entre as opções que devem ser oferecidas pelos cinemas estão legendagem, legendagem descritiva, audiodescrição e Libras (Língua Brasileira de Sinais). Agência atendeu a pedido de exibidores por mais tempo para a definição de padrões técnicos

A Diretoria Colegiada da ANCINE decidiu prorrogar o prazo para a entrada em vigor de dispositivos da Instrução Normativa nº 128 que tratam da obrigação de provimento de recursos de acessibilidade visual e auditiva nas salas comerciais de cinema. O normativo fixava o dia 16 de novembro para o fim da carência e determinava que 50% das salas de grupos exibidores com mais de 20 salas e 30% dos espaços de grupos com menos de 20 salas estivessem adaptadas até a data. Com a decisão da Diretoria, foi editada a Instrução Normativa nº 137 determinando a data para o cumprimento das obrigações para o dia 16 de novembro de 2018. Também ficou determinado o dia 16 de setembro de 2019 como prazo limite para que todo o parque exibidor brasileiro ofereça os recursos de acessibilidade.

A decisão pelo adiamento foi tomada após as discussões da Câmara Técnica instalada pela ANCINE sobre o assunto. Em março de 2017, a Câmara produziu um Termo de Recomendações que dispõe sobre padrões técnicos relativos aos formatos de produção e entrega dos recursos de acessibilidade. Após a publicação deste Termo, a Digital Cinema Initiatives (DCI), entidade internacional responsável pela gestão do padrão tecnológico de cinema digital, emitiu recomendações relativas à disponibilização de tecnologias de acessibilidade, que conflitam em parte com o documento final da Câmara Técnica. Para dirimir as divergências, a ANCINE decidiu então reabrir os debates da Câmara Técnica sobre acessibilidade com o intuito de amadurecer as discussões e buscar uma solução consensual.

Na primeira reunião após seu reestabelecimento, em 27 de outubro, os membros da Câmara propuseram à ANCINE a prorrogação, por um ano, dos prazos das obrigações incidentes sobre os agentes exibidores por conta da insegurança associada ao investimento na adaptação do parque exibidor, num contexto de incerteza quanto aos parâmetros de interoperabilidade a serem adotados pelo Brasil. A Diretoria Colegiada resolveu atender ao pleito e decidiu editar nova Instrução Normativa alterando a data para a obrigação de provimento dos recursos de acessibilidade pelas empresas exibidoras aos consumidores.

A partir de novembro de 2018, os cinemas deverão oferecer recursos de legendagem descritiva, audiodescrição e libras

De acordo com a Instrução Normativa nº 128, as salas de exibição comercial deveriam dispor de tecnologia assistiva voltada à fruição dos recursos de legendagem, legendagem descritiva, audiodescrição e LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais. Os recursos devem ser providos em modalidade que permita o acesso individual ao conteúdo especial, sem interferir na fruição dos demais espectadores. Cabe ao exibidor dispor de tecnologia assistiva em todas as sessões comerciais, sempre que solicitado pelo espectador. O quantitativo mínimo de equipamentos e suportes individuais voltados à promoção da acessibilidade visual e auditiva varia em função do tamanho do complexo.

O que foi alterado pela decisão de agora diz respeito aos prazos para a adequação à nova regra. Os grupos exibidores com mais de 20 salas de cinema têm até o dia 16 de novembro de 2018 para adaptar um mínimo de 50% das suas salas aos recursos de acessibilidade. Para os grupos de menor porte, a exigência para a data citada é de 30% de suas salas. Fica determinado o dia 16 de setembro de 2019 como prazo final para que todo o parque exibidor brasileiro ofereça ao público os recursos implantados de legendagem descritiva, audiodescrição e libras.

Aos distribuidores cabe disponibilizar cópias com os recursos de acessibilidade em todas as obras audiovisuais por eles distribuídas. Neste caso, as exigências previstas no normativo já estão plenamente em vigor.

Esta norma compõe o conjunto de ações empreendido pela ANCINE voltado à promoção do acesso visual e auditivo ao conteúdo audiovisual, que inclui também a Instrução Normativa nº 116, que dispõe sobre a obrigatoriedade da apresentação de recursos de acessibilidade nos projetos financiados com recursos públicos federais gerenciados pela Agência.

Fontes: Ancine - fernandazago.com.br

Brasil inicia ciclo em busca de título do Campeonato das Américas de goalball

Foto: Washington Alves/CPB/MPIX
Brasil inicia ciclo em busca de título do Campeonato das Américas de goalball
Legenda: Brasil vibra com a conquista do bronze nos Jogos Paralímpicos Rio 2016

Pouco mais de um ano após o encerramento dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, no qual conquistou a medalha de bronze na categoria masculina, o goalball brasileiro vai iniciar a caminhada rumo a Tóquio 2020 em busca do título do Campeonato das Américas IBSA 2017, entre os dias 29 de novembro e 3 de dezembro, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo.

Anfitrião, o Brasil receberá em seus domínios as seleções da Argentina, Canadá, Costa Rica, México, Peru, Estados Unidos e Venezuela, e a expectativa é que a competição tenha a participação de 75 atletas, nas categorias feminina e masculina. No entanto, duas seleções só vão entrar na disputa para os homens, casos dos argentinos e venezuelanos.

Na última edição da competição, em Colorado Springs, nos Estados Unidos, o Brasil ficou com a prata, na categoria feminina, e o bronze, no masculino. Quatro anos depois o pensamento é continuar no pódio, mas dessa vez o objetivo é conseguir um lugar no degrau mais alto.

“Colocamos como meta a medalha de ouro. Esse foi o objetivo para este ano. Até pela posição que o Brasil se mantém. A gente sabe que esse Campeonato das Américas vai ser o mais difícil de todos os tempos. Eu acredito que Brasil, Estados Unidos e Canadá são os mais fortes sem sombra de dúvidas, porém, nossa grande diferença é o talento, a gente tem atletas extremamente talentosos. Jogo se decide dentro de quadra, a competição vai ser muito forte, não vai ser fácil, mas a nossa meta é sempre ganhar a medalha de ouro”, projetou o técnico da seleção masculina, Alessandro Tosim.

Medalhistas paralímpicos

O Campeonato das Américas IBSA de goalball terá a presença de 11 medalhistas dos Jogos Rio 2016. Os Estados Unidos contam com seis atletas, três em cada categoria. Os homens bateram na trave e ficaram com a prata, enquanto as mulheres levaram a melhor sobre o Brasil na disputa do bronze.

O seleto grupo de medalhistas tem ainda cinco jogadores do goalball masculino brasileiro, formado por Alex Souza, José Roberto Oliveira, Josemarcio Sousa, Leomon Moreno e Romário Marques. A seleção canarinho ficou com o terceiro lugar no Rio.

Fórmula de disputa

As oito seleções da categoria masculina foram dividas em dois grupos com quatro equipes cada. No Grupo A, o cabeça de chave é o Brasil, que terá a companhia de Argentina, Venezuela e Peru. A chave B foi composta por Estados Unidos, Canadá, Costa Rica e México.

As oito seleções têm vaga garantida nas quartas de final da competição, sendo assim, os jogos da fase de grupos vão decidir os confrontos. Os vencedores avançam para as semifinais e os vencedores decidem, no dia 3 de dezembro, o título da competição, Haverá ainda disputas para a definição do bronze, 5º e 7º lugares.

A corrida pelo título da categoria feminina tem seis seleções em grupo único, onde todas se enfrentam entre si. As quatro melhores se enfrentam nas semifinais (1º x 4º e 2º x 3º). Os vencedores fazem a partida que valerá o troféu de melhor das américas.

Confira a tabela completa: http://bit.ly/2A9RjuN

Fonte: cbdv.org.br

Seleção Brasileira de futebol de 5 vai ao Chile em busca do hexa da Copa América

Imagem

Por CPB

Favorita e invicta em competições oficiais há mais de uma década, a Seleção Brasileira de futebol de cinco embarca neste sábado, 25, em São Paulo, rumo a Santiago, no Chile, onde vai disputar a Copa América IBSA 2017, entre os dias 28 de novembro e 3 de dezembro.

O time dirigido pelo técnico Fábio Vasconcelos buscará o hexacampeonato, sendo a terceira taça consecutiva. O Brasil foi campeão em 2013 (Santa Fé-ARG), 2009 (Buenos Aires-ARG), 2003 (Bogotá-COL), 2001 (Paulínia-BRA) e 1997 (Assunção-PAR). Só não faturou as edições de 2005 (São Paulo-BRA) e 1999 (Buenos Aires-ARG).

Fora os atuais bicampeões, vão participar da competição Argentina, Chile, Colômbia, México e Peru.

“É uma competição difícil. A gente perdeu o Jefinho, que está lesionado e só volta no próximo ano, é um dos melhores jogadores do mundo, isso faz falta. Mas estamos indo com uma seleção muito forte, experiente. Não fiz muitas mudanças, pelo contrário, mantive a base que jogou a Paralimpíada, só acrescentei o Bill, mas é um jogador experiente”, falou o treinador.

Além de Bill, jogador da (APACE-PB), Fábio convocou os goleiros Luan (AGAFUC-RS) e Vinicius (APADV-SP), os fixos Cassio (ICB-BA) e Damião (AGAFUC-RS), os alas Marquinhos (APACE-PB), Mauricio Dumbo (AGAFUC-RS) e Tiago Paraná (URECE-RJ), o ala/pivô Nonato (AGAFUC-RS), e o pivô Ricardinho (AGAFUC-RS).

O Brasil não sabe o que é perder um torneio oficial desde 2006, quando acabou derrotado pelos argentinos na Copa do Mundo disputada em Buenos Aires. De lá para cá, conquistou nada menos do que 24 títulos, incluindo três Paralimpíadas, dois Mundiais, três Jogos Parapan-Americanos, entre outros.

Regulamento e Novidade

A Copa América IBSA 2017 será jogada no formato de todos contra todos, em turno único. As duas equipes com mais pontos ao fim desses confrontos garantem vaga na final, no dia 3 de dezembro. Também haverá disputa de terceiro e quinto lugares. O Congresso Técnico que definirá ordem e datas das partidas será no domingo, às 20h (você poderá acompanhar a cobertura do evento em tempo real no nosso Twitter, que é o @cbdvoficial).

As equipes também testarão, pela primeira vez na modalidade, a mudança na regra referente ao aumento no tamanho das balizas: as traves passaram de 3 m de largura e 2 m de altura para 3,66m x 2,14m.


Confira a  tabela completa.

Com informações da CBDV

Fonte:

Judoca que se divide entre esporte e música participa de suas últimas Escolares - Veja o video

Leandro Martins/CPB/MPIX
Imagem

Por CPB

Pablo Borges, 17, se despede das Paralimpíadas Escolares, evento realizado no CT Paralímpico, nesta edição de 2017. O judoca potiguar encerrou nesta sexta-feira, 24, seu ciclo na competição para jovens ao faturar a prata na categoria até 81kg e o bronze no absoluto acima de 73 kg. Além das medalhas, o garoto também recebeu muitos aplausos na Cerimônia de Abertura das Escolares, onde ele expôs sua outra vocação: a música, com uma performance de guitarra do Hino Nacional Brasileiro.

Cego de nascença em decorrência de uma má formação, o garoto participou de todas as edições das Paralimpíadas Escolares desde 2012, exceto a de 2013, quando passou por uma cirurgia para tratar o ceratocone. Em 2014, chamou a atenção no hotel da competição ao tocar em um piano disponível no local.


"Graças às Paralimpíadas, eu cheguei aonde cheguei. Estou construindo a minha história. Agora estou na Seleção de base, desde o começo do ano, e é graças às Paralimpíadas Escolares, aos anos que eu participei", disse Pablo.

O destaque no torneio ao longo dos últimos anos permitiu que ele disputasse o Grand Prix INFRAERO de Judô Para Cegos no fim do ano passado, em Belém, e, depois, fosse convocado para a Seleção Brasileira de jovens para disputar os Jogos Parapan-Americanos deste ano, em São Paulo.

O judoca disse que, agora, a meta é alcançar a Seleção principal. “Cada vez mais eu tento chegar no meu melhor resultado, fazendo tudo da melhor maneira possível, sem tentar passar por cima de ninguém. Quero representar o Brasil em Jogos Paralímpicos."

No esporte desde pequeno, Pablo já jogou goalball e também já praticou karatê. Foi no judô, no entanto, que se encontrou e entrou no universo paralímpico, aos 12 anos. Já na música, o potiguar de Natal não escolheu um caminho específico. Toca vários instrumentos, sendo eles baixo, guitarra, piano, bateria, violão e teclado. E ainda canta! “Estes instrumentos são os que eu domino melhor, mas arranho um pouco de cada coisa. Toco praticamente de tudo”, conta o jovem.

Ele relata ainda que começou a se interessar por música por estímulo de um tio, que era um tecladista famoso na região onde mora, conhecido como "Pinguim". “Eu via ele tocando e fiquei curioso. Ele tocava demais, era de impressionar. Como eu era muito fã de comida quando era criança, meu tio me estimulou a começar a tocar através disso. Ele dizia ‘po, se você acertar essa música aqui eu te dou um pão a mais’, aí eu fui aprender os instrumentos sozinho. Só o piano que eu tive aulas”, contou.

A edição que marca sua última participação em Paralimpíadas Escolares foi especial, já que pôde unir suas duas paixões ao tocar na cerimônia de abertura do evento e ganhar medalhas. “Quero fazer história no esporte e na música. A história é importante. Se você não faz história, você não é lembrado”, finaliza Pablo.

Fonte: cpb.org.br

São Paulo vence as Paralimpíadas Escolares 2017 e leva o hexacampeonato

Alexandre Urch/CPB/MPIX
Imagem
Por CPB

São Paulo conquistou, nesta sexta-feira, 24, o seu sexto título das Paralimpíadas Escolares. A 11ª edição da maior competição de jovens de esporte adaptado do mundo se encerrou hoje no Centro de Treinamento Paralímpico, na capital paulista. O Estado anfitrião sagrou-se pela terceira vez seguida campeão - já havia vencido em 2015 e 2016. É a primeira vez que alguém vence as Escolares em três anos seguidos (confira a lista completa dos vencedores abaixo).

Os paulistas fecharam o ranking geral com 458 pontos, puxados sobretudo pelas performances destacadas no atletismo, no goalball e na natação, em que conquistaram as maiores pontuações. A delegação de São Paulo contou, ao todo, com 119 atletas. A segunda posição foi para Santa Catarina, vencedor da edição de 2014 das Escolares, com 381 pontos. O carro-chefe do desempenho catarinense foi a bocha. Fechou o pódio a equipe do Distrito Federal, que acumulou 379 pontos - com boa atuação no basquete e no tênis em cadeira de rodas.

"As Paralimpíadas Escolares têm um papel fundamental na formação de jovens talentos e também no desenvolvimento do paradesporto no Brasil. É com grande satisfação que entregamos o troféu de campeão a São Paulo, um estado parceiro e que faz um grande trabalho não só esportivamente, mas também com as pessoas com deficiência. Parabéns a São Paulo e a todos os participantes de mais uma edição das Escolares", disse Mizael Conrado, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro.

A cerimônia de encerramento ainda contou com a entrega de kits de bocha e placares a todas as delegações. Os Estados foram simbolizados por Piauí, uma das Unidades da Federação que não haviam estado presentes na edição anterior do evento.

A Paralimpíada Escolar também marcou a apresentação de Tom como mascote oficial do Comitê Paralímpico Brasileiro. Sua primeira aparição ocorreu na abertura, em que acendeu a pira paralímpica. Durante os três dias de competição, Tom fez a alegria do público, com aparições nas arenas e fotos com as pessoas ao longo do CT Paralímpico.

Cerca de 900 atletas de 26 Estados mais o Distrito Federal estiveram em ação nas Paralimpíadas Escolares. Dez modalidades compuseram o programa da competição: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, futebol de 5, futebol de 7, goalball, judô, natação, tênis de mesa e tênis em cadeira de rodas.

Desde suas primeiras versões, o evento revela talentos do paradesporto brasileiro. Os velocistas Alan Fonteles e Petrúcio Ferreira, a saltadora Lorena Spoladore, o nadador Matheus Rheine e o atleta do goalball Leomon Moreno, todos eles medalhistas em Jogos Paralímpicos e Mundiais, são alguns dos que despontaram na competição.

CAMPEÕES
2006 – São Paulo
2007 – Rio de Janeiro
2008 - Não houve
2009 – São Paulo
2010 – Rio de Janeiro
2011 – São Paulo
2012 – Rio de Janeiro
2013 – Rio de Janeiro
2014 – Santa Catarina
2015 – São Paulo
2016 – São Paulo
2017 - São Paulo

Patrocínio
As Paralimpíadas Escolares 2017 têm patrocínio das Loterias Caixa.

Fonte: cpb.org.br

Ouro no tênis de mesa das Escolares sonha com Tóquio 2020

Leandro Martins/CPB/MPIX
Imagem

Por CPB

No último dia das Paralimpíadas Escolares 2017, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, o destaque do tênis de mesa foi Maria Laura Freitas, 16, de Minas Gerais. Ela garantiu o ouro na classe 3 (para cadeirantes) ao vencer Sara Barros, do Pará, por 2 sets a 0 na manhã desta sexta-feira, 24. A prata foi para Ana Paula Alves, também de Minas Gerais, e o bronze para Sara de Araújo, do Pará.

Laura sofreu um acidente de carro, aos oito anos, quando ia ao casamento do irmão. Como o veículo pegou fogo, a família tirou a menina às pressas, o que provocou uma lesão aguda na coluna, levando à perda do movimento dos membros inferiores.

Durante sua recuperação, a mineira de Capitão Andrade experimentou a natação e o basquete em cadeira de rodas. “Me chamaram para brincar um pouco de tênis de mesa, eu fui e gostei muito e não quis largar mais”, contou Laura como iniciou no tênis de mesa.

Por conta dos resultados nas Paralimpíadas Escolares 2016, em que foi medalhista de ouro, Maria Laura foi convocada para os Jogos Parapan-Americanos de Jovens São Paulo 2017. “Não foi o resultado que eu esperava no Parapan, mas foi uma experiência fora do comum por ser mimha primeira competição. Agora eu vou treinar muito para ir aos Jogos de Tóquio."

Participando pela quarta vez consecutiva das Paralimpíadas Escolares, a atleta fez uma campanha impecável. Estreou com vitória de 2 sets a 0 sobre a catarinense Júlia Vitória Batista. Em seguida, enfrentou sua colega de delegação Ana Paula Alves, de quem ganhou por 2 sets a 0. Por fim, se despediu das Escolares com a medalha dourada no peito.

A 11ª edição das Paralimpíadas Escolares se encerrou nesta sexta-feira, 24. O evento também contará com uma cerimônia de encerramento, a partir das 20h30, no Pavilhão Oeste do Anhembi.

Fonte: cpb.org.br

Programa Ágora é lançado em São Paulo: fomento à inserção profissional de pessoas com deficiência

Lara Souto, coordenadora da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Aconteceu nesta sexta-feira, 24 de novembro, a cerimônia para apresentação do Programa Ágora Brasil e do lançamento da Web Rádio ONCB, no Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro, capital paulista. A ação foi idealizada pela Organização Nacional de Cegos no Brasil, em parceria com a Fundação ONCE para Solidariedade com Pessoas Cegas da América Latina (FOAL), a Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Visuais (CBDV) e o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), contando com o apoio da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

O ponto focal foi a apresentação dos parceiros do Programa Ágora, além de fomentar a ação. Trata-se de um programa digital para fomento à inclusão profissional de pessoas com deficiência visual. Está presente em 14 países da América Latina e visa contribuir com a orientação e capacitação de pessoas cegas e/ou com baixa visão e com o desenvolvimento de estratégias para inserção no mercado de trabalho.

Segundo o Censo/2010 do IBGE, no Brasil há 35,7 milhões de pessoas com deficiência visual no Brasil; e no estado de São Paulo, são mais de 7 milhões. Desse total do Estado de São Paulo, 16% declararam ser pessoas com deficiência visual severa ou total.

O programa Ágora pode ser comparado ao “Linkedin”, plataforma profissional para pessoas com e sem deficiência, porém o Ágora será voltado aos profissionais com deficiência visual das várias áreas, concentrando informações para gerar oportunidades de emprego.

No Brasil, o Ágora chega com um desenho pensado para atender às demandas e potencialidades locais. Sua concepção foi planejada e alinhada com a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência e a Lei Brasileira de Inclusão, objetivando promover estratégias de orientação para o empreendedorismo e o mundo do trabalho, acesso à formação profissional contínua, bem como o apoio à busca, obtenção e manutenção do emprego.

O lançamento contou com a participação de Antônio Muniz, presidente da Organização Nacional de Cegos no Brasil; a diretora da Fundação ONCE, Maria de Jesus Varela; Ivaldo Brandão, vice-presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro; Helder Maciel, secretário geral da Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Visuais; e Lara Souto, coordenadora, representando a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

Antônio Muniz explicou sobre a escolha do Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro como sede da apresentação do Programa Ágora, assemelhando a luta da pessoa com deficiência no contexto esportivo, indo ao encontro da luta e motivação de uma pessoa com deficiência para conseguir emprego. “A nossa batalha é pelo fortalecimento da empregabilidade de pessoas cegas aqui no Brasil, e com esses espaços já fortalecidos dos nossos parceiros, tendemos a estimular o crescimento desse programa”, relata.


A coordenadora Lara Souto destacou o quanto o Ágora pode ser positivo, pois “o programa não vai mudar apenas a vida das pessoas com deficiência, mas a sociedade”.

Em audiência com a Secretária de Estado, Dra. Linamara Rizzo Battistella, no dia anterior ao lançamento, os coordenadores do Programa Ágora entenderam que várias ações mantidas pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo podem contribuir com a efetivação do Programa no Brasil, como o Programa de Bibliotecas Acessíveis, em que o Governo de São Paulo beneficiou mais de 60 bibliotecas e seus usuários poderão se cadastrar no Ágora.



Outras ações também foram consideradas como possibilidades de fomento à plataforma, como o Prêmio Melhores Empresas para Trabalhadores com Deficiência, em que empresas e profissionais podem encontrar no Ágora novas possibilidades de acesso a empregados e a empregos, respectivamente. Também o Programa Sebrae Acessível, do Governo do Estado de São Paulo, pode ser uma possibilidade de conexão.

WEB RÁDIO ONCB É LANÇADA

Na ocasião também foi lançada a Web Rádio ONCB, em parceria com a Organização dos Estados Ibero Americanos (OEI), por meio da Secretaria Nacional da Pessoa com Deficiência (SNDP). Sob o slogan “O som de todas as vozes”, a rádio vai funcionar via internet e contar com programas, músicas, e informações sobre a pessoa com deficiência visual.

Com o propósito de abrir espaço para debates, entretenimento, bem como tratar informações difundidas pela própria Organização Nacional de Cegos no Brasil (ONCB), a web radio tem fácil acesso e busca ser uma alternativa de interagir com a organização. “Haverá um diálogo transversal com outras áreas, para campanhas educativas, transmissões de palestras e cursos, entre outros”, destacou o coordenador da web rádio e vice-presidente da ONCB, Beto Pereira.

A Web Rádio ONCB já está disponível, a princípio, também para celular na versão Android. O aplicativo pode ser baixado gratuitamente.

Para mais detalhes sobre o Programa Ágora e acesso à Web Rádio ONCB, confira em: http://www.oncb.org.br

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Aposentadorias de deficientes e por invalidez sofrerão redução de valor com Reforma da Previdência


A reforma da Previdência proposta pelo governo federal e que está em discussão no Congresso Nacional prevê o fim das aposentadorias integrais para trabalhadores que ficam incapacitados (aposentadoria por invalidez), a não ser em caso de acidente de trabalho. Pelas regras atuais, o trabalhador que fica incapaz de trabalhar por qualquer motivo: acidente de trabalho, acidente de trânsito ou doença tem direito a benefício equivalente à 100% da média do salário de contribuição, limitado ao teto. Após a reforma, apenas os que tiverem sofrido acidente de trabalho terão direito a benefício integral. Os demais (trânsito, vítima de violência ou doença) terão 51% do valor do benefício com mais 1% por ano de contribuição.

Com as mudanças, portanto, um trabalhador que fique inválido após um acidente de trânsito, por exemplo, e que tenha 10 anos de contribuição em vez de ter 100% da média do benefício passará a ter 61% da média. Digamos que o salário médio seja de R$ 2.500. Este trabalhador passaria a receber R$ 1.525, uma diferença grande para quem contribuiu mas já não pode mais trabalhar.

Além disso, o trabalhador que se aposentar por invalidez após acidente de trabalho também sofrerá uma redução no valor. Isso porque a regra atual faz a média de salários descartando 20% dos salários menores, elevando o valor do benefício. Já com a reforma, o valor será obtido pela média de todas as contribuições, sem tirar os 20% menores salários.

Pessoas com deficiência

A reforma da Previdência também penaliza os deficientes, elevando de 15 para 20 anos o tempo de contribuição mínimo para a aposentadoria por idade das pessoas com deficiência. Segundo dados do Movimento das Pessoas com Deficiência atualmente a média salárial de pessoas com deficiência é de 85% do valor do salário. Com a reforma, a média do benefício passaria a 71% com cinco anos a mais de contribuição.

Surdo desde os dois anos, pai se emociona ao ouvir a voz da família pela primeira vez - Veja o vídeo.

Ele disse que conseguiu até ouvir o coração


(Foto: reprodução facebook/Eduardo Favaro)
(Foto: reprodução facebook/Eduardo Favaro)

REDAÇÃO PAIS&FILHOS

A gente não lembra, mas ouvir os primeiros barulhos deve ser assustador, mágico e emocionante ao mesmo tempo. Agora, imagina só ouvir os barulhos depois de 33 anos sem escutar nada? Mais, a voz da sua filha! A gente se emociona só de pensar.

Esta é a história do professor Eduardo Favaro que era surdo desde quando tinha 1 ano e 8 meses. Ele teve meningite e acabou ficando com surdez profunda bilateral. Desde então, Eduardo vem sentindo cada vez mais vontade de ouvir. A família foi crescendo e ele finalmente achou uma solução: um procedimento cirúrgico de implante coclear. São pequenos dispositivos eletrônicos implantados cirurgicamente, eles pegam e processam os sons e levam até o cérebro.



E no dia 17 de novembro aconteceu a magia: ele fez a ativação e conseguiu ouvir os barulhos logo nesse primeiro dia. Quando ouviu a voz da filha Maria Eduarda, não deu outra, a emoção tomou conta de todo mundo que estava presente: sua mulher, as filhas, o pai, a mãe e a esposa!

“Gostaria de expressar o momento marcante da minha vida! Eu tive meningite quando tinha 1 ano e 8 meses de idade, ficando com surdez profunda bilateral. Quando fui crescendo foi surgindo a vontade de ouvir, como na minha família não havia nenhum surdo, eu queria ouvir como eles.

Mesmo depois de várias tentativas em alguns centros especializados em audição e tendo resposta de que não teria possibilidade no meu caso, eu não perdi a esperança.

Quando temos um grande sonho Deus coloca as pessoas certas na nossa Vida. Através de um grande amigo, o Serginho, eu conheci o Dr Fayez e ele foi o único médico que me deu esperança e confiança em realizar o procedimento cirúrgico de Implante Coclear. Fiz a cirurgia no dia 19 de outubro e foi bem sucedida, tendo resposta de todos os 22 eletrodos, que são colocados dentro da coclea. Fiz somente de um lado, o direito. Aguardei ansioso o período de cicatrização e no dia 17 de novembro fiz a ativação! Eu nem acreditei que eu poderia captar sons no primeiro dia e de fato acorreu! Eu sempre acreditei ser possível, por mais que alguns achavam que seria impossível, só não sabia como tudo isso aconteceria.

Então, quero expressar todo meu sentimento de gratidão a Deus, ao meu pai Ângelo Favaro, à minha mãe Aleny Lopes Favaro, ao Dr Fayez BJuniore toda a equipe do Instituto Brasilense de Otorrinolaringologia, ao amigo Sérgio Rodrigues Moreira, à minha esposa Fabrícia Chaves Favaro e minhas filhas, aos meus irmãos e a toda nossa família, aos meus alunos e amigos torceram e fizeram orações por mim

Implante minúsculo poderia devolver movimentos a pacientes.

Divulgação

Aparelho é projetado para transmitir pensamentos com tecnologia wireless a um dispositivo robótico externo
Aparelho é projetado para transmitir pensamentos com tecnologia wireless a um dispositivo robótico externo

Jason Gale Da Bloomberg

Imagine um implante cerebral do tamanho de um palito de fósforo que pudesse contornar medulas espinhais danificadas e ajudar pessoas com paralisia a recuperarem a mobilidade -- com seus próprios pensamentos.

A tecnologia futurista, que usa um dispositivo minúsculo contendo um emaranhado de eletrodos, demonstrou que consegue registrar atividades neurais em ovelhas. O próximo passo será testá-lo em cinco voluntários, possivelmente já a partir de setembro de 2018, segundo Nick Opie, engenheiro biomédico da Universidade de Melbourne e diretor-técnico do projeto australiano.

O stentrode, como o aparelho é chamado, está projetado para transmitir os pensamentos com tecnologia wireless a um dispositivo robótico externo, como um exoesqueleto ou uma prótese, a fim de permitir que o paciente controle o movimento e a locomoção com o cérebro. O procedimento faz parte de um campo crescente da robótica destinado ao aperfeiçoamento humano que, de acordo com uma projeção do McKinsey Global Institute em 2013,poderia ajudar mais de 50 milhões de pessoas com mobilidade reduzida no mundo desenvolvido e gerar até US$ 2 trilhões por ano em benefícios econômicos até 2015.

"Nosso objetivo é devolver a mobilidade, a independência e a comunicação a alguns desses homens e mulheres", disse Opie. "Estamos usando o dispositivo para extrair informações que já foram geradas pelo cérebro e para contornar os nervos danificados."

Tecnologia

O stentrode é feito de eletrodos em um stent de malha expansível que é inserido em um vaso sanguíneo sobre o córtex motor, a parte do cérebro que controla o movimento, por meio um cateter fino inserido na virilha.Uma vez posicionado, o cateter é retirado, permitindo que o stentrode se expanda contra a parede do vaso sanguíneo, criando um tubo de arame oco com forma de charuto, que registra a atividade cerebral.

O procedimento de instalação é praticamente idêntico ao utilizado pelos neurorradiologistas para remover coágulos de vítimas de AVC e pode ser realizado em 30 a 40 minutos, disse Opie.O stent, feito de uma liga de níquel e titânio, é flexível e muito elástico, o que possibilita manobras através dos vasos sanguíneos sem cirurgias invasivas.

A Synchron, empresa criada por Opie e seus colegas para desenvolver o stentrode, disse em abril que levantou 10 milhões de dólares australianos (US$ 7,6 milhões) para uma rodada de financiamento série A.

Uma vez confirmado que o método é seguro em humanos, a Synchron buscará inscrever cerca de 30 pessoas para um teste global, possivelmente em 2019, disse Opie, acrescentando que é muito cedo para estimar o preço do dispositivo.