sábado, 10 de março de 2018

'Semana do Consumidor' defende direito de pessoas com deficiência em Fortaleza

Procon Fortaleza realiza série de eventos entre 12 e 15 de março.

Por G1 CE

Grupo visitou o centro de terapia com animais de Agudos  (Foto: Reprodução)
Grupo visitou o centro de terapia com animais de Agudos (Foto: Reprodução)

A Semana do Consumidor em Fortaleza será marcada por uma série de eventos que defende o direito de pessoas com deficiência. O evento começa no dia 12 e termina em 15 de março, quando é celebrado o Dia Internacional do Consumidor.

O Procon, órgão de defesa do direito do consumidor, quer esclarecer lojistas e empresários sobre os principais problemas enfrentados pelos consumidores com deficiência. Segundo o Procon, associações e instituições de pessoas com deficiência apresentaram várias demandas na área, como a falta de acessibilidade nos provadores para cadeirantes, rampas de acesso ou elevadores.

"Ouvimos cerca de 10 instituições que representam portadores de deficiência e ficamos sensibilizados com as dificuldades de consumidores que deveriam ter os mesmos direitos do cidadão sem deficiência, como garante o Código de Defesa do Consumidor", afirmou Cláudia Santos, diretora do Procon Fortaleza.

O Brasil possui mais de 45 milhões de pessoas com deficiência, o que representa cerca de 24% da população, conforme censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Serviço
Semana do Consumidor de 12 a 15 de março
Tema: Consumidor com deficiência - dignidade e respeito
12 de março

Evento 1
Abertura da Semana do Consumidor
Horário: 8h30min
Local: Procon Centro

Evento 2
Procon Móvel (abertura de reclamação/denúncia/material educativo)
Horário: das 9h às 12h.
Local: CDL Fortaleza (Rua 25 de março, 882, Centro)
13 de março
Procon Móvel (abertura de reclamação/denúncia/material educativo)
Horário: das 9h às 12h
Local: Associação de Cegos do Estado do Ceará – Acec (Rua Odilon Soares, 39, Bairro Farias Brito.

14 de março
Procon Móvel (abertura de reclamação/denúncia/material educativo)
Horário: das 9h às 12h
Local: Associação dos Moradores do Planalto Itaperi - Ampi (Praça Marechal Rondon, sem número, Parque Dois Irmãos).

15 de março, Dia do Consumidor
Assinatura do Termo "Procon na Regional"; entrega da comenda "Amigo do Consumidor".
Horário: 8h30min
Local: Procon Centro

Fonte: g1.globo.com

Governo alerta brasileiros para casos de paralisia infantil em 22 países

Quem não completou esquema de vacinação contra a poliomielite deve se vacinar antes de viajar, diz Ministério da Saúde. Medida tem objetivo de evitar circulação do vírus no país, que não ocorre desde 1990.

Por G1

Vacinação contra a poliomielite no Paquistão, um dos países com casos da doença  (Foto: OMS)
Vacinação contra a poliomielite no Paquistão, um dos países com casos da doença (Foto: OMS)

Para evitar risco de importação da poliomielite no Brasil, o governo brasileiro está alertando a população para casos da doença em 22 países no globo.

Atualmente, há poliomielite no Afeganistão, Nigéria, Paquistão, Camarões, República Centro-Africana, Chade, Guiné Equatorial, Etiópia, Guiné, Iraque, Quênia, República Democrática Popular do Laos, Libéria, Madagascar, Myanmar, Níger, Serra Leoa, Somália, Sudão do Sul, Ucrânia, Síria e República Democrática do Congo.

Por isso, aqueles que não tomaram todas as doses da vacina, devem procurar um posto de saúde -- principalmente no caso de viagem para um desses países.

No Brasil, a vacina da poliomielite é dada cinco vezes: são três doses nos primeiros seis meses de vida e dois reforços após um ano de idade (aos 15 meses e aos 4 anos).

Já adolescentes ou adultos que não tomaram todas as doses, podem iniciar a imunização imediatamente.

Zé Gotinha, personagem das campanhas de vacinação contra pólio, em material de divulgação do Ministério da Saúde (Foto: Reprodução/Ministério da Saúde)
Zé Gotinha, personagem das campanhas de vacinação contra pólio, em material de divulgação do Ministério da Saúde (Foto: Reprodução/Ministério da Saúde)

"O cenário apresentado demonstra o risco de importação de pólio, especialmente naqueles com baixa cobertura vacinal, bolsões de não vacinados e que mantém viagens internacionais ou relações comerciais com estes países", disse informe do Ministério da Saúde.

O vírus da poliomielite não circula no Brasil desde 1990 e, em 1994, o país recebeu certificação da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

No entanto, em 2016, o país vacinou 84,42% da população-alvo -- cobertura vacinal inferir à meta de 95%.

No entanto, em 2016, o país vacinou 84,42% da população-alvo -- cobertura vacinal inferir à meta de 95%.

Fonte: g1.globo.com

Brasil marca presença na abertura das Paralimpíadas de Inverno

Delegação verde-amarela é representada por três atletas em PyeongChang: Aline Rocha e Cristian Ribera (esqui cross-country) e André Cintra (snowboard)

ESPORTES OLÍMPICOS André Avelar, do R7

Foto: Divulgação/CPB
Quase duas semanas depois do encerramento dos Jogos Olímpicos, é a vez dos Jogos Paralímpicos de Inverno tomarem conta da Coreia do Sul. Atletas de diferentes partes do mundo estivaram presentes nesta sexta-feira (9), no Estádio Olímpico de PyeongChang, para a cerimônia de abertura. O Brasil, claro, também estava presente
Quase duas semanas depois do encerramento dos Jogos Olímpicos, é a vez dos Jogos Paralímpicos de Inverno tomarem conta da Coreia do Sul. Atletas de diferentes partes do mundo estivaram presentes nesta sexta-feira (9), no Estádio Olímpico de PyeongChang, para a cerimônia de abertura. O Brasil, claro, também estava presente

Foto: Carl Recine/Reuters - 9.3.2018
Aline Rocha e Cristian Ribera (ambos do esqui cross-country) e André Cintra são os representantes do País na competição
Aline Rocha e Cristian Ribera (ambos do esqui cross-country) e André Cintra são os representantes do País na competição

Foto: Joel Marklund/Reuters - 9.3.2018
Aline Rocha foi a porta-bandeira da delegação verde-amarela
Aline Rocha foi a porta-bandeira da delegação verde-amarela

Foto: Simon Burty/Reuters - 9.3.2018
A estreia do Brasil será neste sábado (10), com Aline e Cristian disputando as provas de 12km e 15km, respectivamente. Já Andre compete no dia seguinte, no snowboard cross
A estreia do Brasil será neste sábado (10), com Aline e Cristian disputando as provas de 12km e 15km, respectivamente. Já Andre compete no dia seguinte, no snowboard cross

Foto: Thomas Lovelock/Reuters - 9.3.2018
A tocha paralímpica chegou à festa carregada pelos atletas paralímpicos Choi Bogue, da Coreia do Sul, e Ma Yu Chol, da Coreia do Norte
A tocha paralímpica chegou à festa carregada pelos atletas paralímpicos Choi Bogue, da Coreia do Sul, e Ma Yu Chol, da Coreia do Norte

Foto: Thomas Lovelock/Reuters - 9.3.2018
Penúltimo integrante do revezamento no Estádio, o jogador de hóquei sul-coreano Han Min Su emocionou a todos escalando, com sua prótese na perna, a rampa que levava à pira. Representando a paixão que move as pessoas, ele entregou a chama paralímpica aos atletas de curling em cadeira de rodas e curling olímpico Seo Soonseok e Kim EunJung, respectivamente
Penúltimo integrante do revezamento no Estádio, o jogador de hóquei sul-coreano Han Min Su emocionou a todos escalando, com sua prótese na perna, a rampa que levava à pira. Representando a paixão que move as pessoas, ele entregou a chama paralímpica aos atletas de curling em cadeira de rodas e curling olímpico Seo Soonseok e Kim EunJung, respectivamente

Foto: Thomas Lovelock/Reuters - 9.3.2018
Os Jogos Paralímpicos serão o maior da história e reunirão 567 atletas de 48 países
Os Jogos Paralímpicos serão o maior da história e reunirão 567 atletas de 48 países

Regional Rio-Sul do Circuito Loterias Caixa marca retorno de gaúcha a clube de origem

Imagem

Por CPB

Susana Schnarndorf, 51, é a principal atração da etapa regional Rio-Sul do Circuito Loterias Caixa Loterias de Atletismo e Natação. A nadadora gaúcha retornará à piscina do Grêmio Náutico União, clube em que começou sua carreira na década de 1980. O atletismo, por sua vez, será disputado na pista da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ao todo, 388 atletas estão inscritos, sendo 262 do atletismo e 126 da natação, do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e Espírito Santo. O evento tem início às 8h deste neste sábado e segue até domingo, 11.

Susana começou a trilhar seu caminho no Grêmio Náutico União ainda na natação convencional. Ela deixou o esporte convencional em meados dos anos 90, após ser diagnosticada com uma doença degenerativa conhecida como Múltipla Falência dos Sistemas (MSA). Antes, como triatleta, representou o Brasil no Pan-Americano de Mar del Plata, Argentina, em 1995, e disputou 12 edições do Ironman, uma das mais famosas competições de resistência do planeta.

No ano passado, já como nadadora paralímpica, voltou a representar seu primeiro clube. Esta será a primeira ocasião em que poderá competir na piscina da capital gaúcha desde que aderiu ao esporte adaptado. Oportunidade que lhe traz uma ansiedade ainda maior para a competição do fim de semana.

“Estou animada por nadar lá e vai ser muito bom ter minha família e amigos por perto. É muito bom competir em casa e o União era a minha segunda casa quando eu comecei”, comentou a medalhista de prata no revezamento 4x50m livre misto 20 pontos nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016.

Atualmente, Susana treina no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. Neste fim de semana, está inscrita para nadar os 50m, 100m e 200m livre (S5), além dos 100m peito (SB5) e os 200m medley (SM5). A intenção é conseguir bons tempos, a fim de classificar-se para as fases nacionais do Circuito Loterias Caixa, que serão disputadas no segundo semestre, em São Paulo.

Porto Alegre será a segunda parada do Circuito Loterias Caixa. Ainda no mês de março, será realizada a fase regional Norte-Nordeste, do dia 22 a 25, em Aracajú (SE). Goiânia (GO) receberá o último estágio, Centro-Leste, de 12 a 15 de abril. Os atletas que alcançarem os índices estabelecidos pelo departamento técnico do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) garantirão participação nas etapas nacionais do Circuito Loterias Caixa, em junho e agosto. A terceira fase nacional receberá a denominação de Campeonato Brasileiro, em outubro, reunindo os melhores do ano. As três competições serão realizadas no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo.

O Circuito Loterias Caixa também contempla as disputas do halterofilismo, que nesta temporada, terá três de suas quatro etapas realizadas no mesmo fim de semana das Copas Brasil e Campeonato Brasileiro de esgrima em cadeira de rodas. O calendário reserva para a segunda quinzena de março, em Aracaju, Sergipe, a abertura do ano no halterofilismo. Já a esgrima começa em abril, em Goiânia. A mudança no formato do Circuito Loterias Caixa 2018 foi realizada para que atletas das três modalidades possam se hospedar no residencial do Centro de Treinamento Paralímpico durante o período de competição, promovendo uma economia nos custos das equipes.

Imprensa
Os profissionais de imprensa interessados em cobrir a etapa regional Rio-Sul do Circuito Loterias Caixa de Atletismo e Natação não precisam de credenciamento prévio. Bastará dirigir-se à sala de imprensa da arena para identificação.

O Circuito
O Circuito Caixa Loterias é organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e patrocinado pelas Loterias Caixa. Este é o mais importante evento paralímpico nacional de atletismo, halterofilismo e natação. Composto por quatro fases regionais e duas nacionais, tem como objetivo desenvolver as práticas desportivas em todos os municípios e estados brasileiros, além de melhorar o nível técnico das modalidades e dar oportunidades para atletas de elite e novos valores do esporte paralímpico do país. Em 2018, as disputas das fases nacionais serão separadas por modalidade - haverá ainda um Campeonato Brasileiro de cada esporte.

Patrocínios
O paratletismo tem patrocínio das Loterias Caixa e da Braskem.
A natação tem patrocínio das Loterias Caixa.

Serviço
Data: 10 e 11 de março
Cidade: Porto Alegre (RS)
Atletismo: ESEFID – UFRGS. Rua Felizardo, 750 - Jardim Botânico Porto Alegre -RS
Natação: Grêmio Náutico União - Sede Moinhos de Vento. Rua Quintino Bocaiúva, 500 - Moinhos de Vento Porto Alegre - RS

Programação*
Circuito Loterias Caixa de Natação e Atletismo - Etapa Regional Rio-Sul
Sábado (10/3) - 8h às 12h e 14h às 18h
Domingo (11/3) - 8h às 12h
*Sujeita a alterações

Fonte: cpb.org.br

Clássico de Futebol de 5 terá transmissão ao vivo do SporTV neste domingo, 11

Daniel Zappe/MPIX/CPB
Imagem
Semifinal da Copa Loterias Caixa de Futebol de cinco entre AGAFUC-RS e ICB-BA em outubro de 2017.

Por CPB

O clássico entre os baianos do ICB e os gaúchos da AGAFUC, neste domingo, 11, a partir de 10h, em São Paulo, terá a transmissão ao vivo do SporTV, canal 39 das operadoras de TV a cabo. O jogo encerra a Super Copa Brasil de Futebol de cinco, disputada desde a sexta-feira, 9, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, e reúne os times que mais se destacaram na temporada 2017.

A competição contará com a presença de craques da Seleção Brasileira de futebol de cinco. Entre eles, o gaúcho Ricardinho e o baiano Jefinho, eleitos melhores do mundo na modalidade. No jogo de encerramento da competição, os artilheiros dos Jogos Rio 2016 estarão em lados opostos no duelo entre AGAFUC-RS, atual campeã brasileira, e ICB-BA, terceiro colocado, na competição realizada em outubro do ano passado, em Salvador, Bahia.

A partida com dois dos melhores jogadores do mundo em campo será transmitida ao vivo pelo SporTV, em mais uma iniciativa que é fruto do Selo Brasil Paralímpico, parceria entre o Grupo Globo com o Comitê Paralímpico Brasileiro.

“Vai ser um domingo muito especial podermos contar com esta transmissão no CT Paralímpico neste domingo, 11/03, de 10h às 12h. O SporTV já transmitiu o Campeonato Brasileiro no ano passado e recebemos um ótimo feedback do público desde então. Neste final de semana teremos mais uma bela oportunidade de levar ao torcedor um clássico do futebol de cinco da atualidade, com alguns do maiores craques do planeta em ação”, comemorou Mizael Conrado, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, ex-jogador de futebol de cinco, bicampeão paralímpico (Atenas 2004 e Pequim 2008), e eleito o melhor do mundo na modalidade em 1998.

Além de gaúchos e baianos, o campeonato conta com a participação do URECE-RJ e do CESEC-SP, equipe representante da Série B. As quatro equipes se enfrentam entre si e aquela que somar mais pontos fica com o troféu de campeã.

A Super Copa Brasil abre o calendário esportivo do futebol de cinco brasileiro em um ano importante para a modalidade. Em junho, a Seleção Brasileira vai disputar o Mundial, em Madri (Espanha), onde irá buscar o pentacampeonato, além da vaga antecipada para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

Além da Super Copa, o ano para os clubes de futebol de cinco do Brasil terá a Copa Loterias Caixa de Futebol de 5 da série A, que será de 4 a 11 de novembro. A Serie B, por sua vez, terá seu título disputado de 22 a 27 de outubro.

Confira a tabela completa do Super Copa Brasil: http://bit.ly/2Fehma1

Fonte: cpb.org.br

Em PyeongChang, COI e IPC assinam acordo de parceria até 2032 Por CPB

Imagem

Thomas Bach e Andrew Parsons, respectivos presidentes do Comitê Olímpico Internacional (COI) e do Comitê Paralímpico Internacional (IPC), assinaram neste sábado, 9, em PyeongChang, durante os Jogos Paralímpicos, um acordo de parceria até pelo menos 2032. O novo compromisso se baseia na aliança atual de cooperação que foi assinada antes dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Londres 2012.

Como resultado da nova parceria, o COI continuará a definir que a sede dos Jogos Olímpicos também organize os Jogos Paralímpicos. O COI e o IPC também trabalharão juntos para aumentar a visibilidade dos Jogos Paralímpicos e para fortalecer os esportes paralímpicos. As duas organizações ainda vão estreitar a já existente cooperação na implementação da Agenda Olímpica 2020, um roadmap estratégico para o futuro do Movimento Olímpico. Por último, o acordo concederá estabilidade financeira ao IPC por, pelo menos, os próximos 14 anos, beneficiando todo o movimento.

“Fortalecer a cooperação entre os movimentos olímpico e paralímpico foi umas das recomendações chaves da Agenda Olímpica 2020. No entanto, o COI tem o prazer de robustecer seu suporte ao IPC e a todo o movimento paralímpico já que nós compartilhamos tantos valores e objetivos”, disse Thomas Bach.

“Essa era a minha prioridade número um quando fui eleito presidente do IPC em setembro do ano passado. Estou muito feliz que assinamos este histórico acordo de longo prazo. Espero um futuro promissor ao lado do COI. Não há dúvidas de que o movimento paralímpico não estaria onde está agora sem o suporte e a cooperação do Comitê Olímpico”, disse Andrew Parsons. “ As duas organizações dividem a paixão pelo esporte e defendem que ele pode mudar vidas e o mundo.”

O presidente do IPC ainda ressaltou o simbolismo deste acordo ter sido assinado na Coreia do Sul, país que sediou pela primeira vez um edição dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos em 1988.

Fonte: cpb.org.br

Menina ganha mão biônica após doença trágica


Durante uma madrugada, Tilly começou a chorar — até aí, nada de anormal para uma criança com os dentes nascendo — e, além disso estava levemente febril, por isso sua mãe a medicou e voltou a dormir.

Quando amanheceu e ela percebeu que a respiração da filha estava ofegante, logo foi ao médico, que diagnosticou uma infecção no ouvido. Após ter sido medicada, voltou para casa, mas a mãe não estava convencida sobre o problema, pois a menina não conseguia levantar a cabeça sozinha.

Ela foi para a casa dos avós de Tilly, para ter ajuda com a criança, e lá percebeu que existiam manchas escuras nas pernas da menina — ela soube que algo muito ruim estava acontecendo. Por isso, correu para o hospital, e as medidas necessárias foram tomadas.

O diagnóstico foi que Tilly Lockey tinha contraido meningite bacteriana tipo B, com somente 15 meses de idade, sendo um bebê perfeitamente saudável até então. Em questão de horas, seus pais foram informados de que sua vida corria sérios riscos.

Felizmente, e contra todas as previsões, Tilly sobreviveu à doença. Após a cura, seu corpo permaneceu coberto de manchas pretas, além de profundas úlceras na pele. Suas mãos precisaram então ser amputadas, pois estavam comprometidas pela doença. Considerando que as chances de morte eram extremamente altas, no fim ela foi uma vitoriosa.

A prótese biônica

Devido às sequelas, a vida de Tilly não é fácil, sendo a falta das mãos o pior dos problemas. Quando sua mãe soube que a empresa de impressão 3D Open Bionics estava procurando crianças voluntárias para próteses de membros superiores, inscreveu a filha o quanto antes, e ela acabou sendo selecionada para o programa.

Tilly's first couple of minutes wearing a #bionic hand. Tilly's choosing when to close the fingers and how fast.  pic.twitter.com/E53OUBw6Qd
— Open Bionics (@openbionics)  21 de julho de 2016

A empresa fez um modelo de seu braço e criou uma mão biônica que responde aos movimentos dos músculos que restaram, tornando o uso da prótese muito mais natural. A ideia era fazer com que ela tivesse um braço biônico semelhante ao do personagem Adam Jensen, do jogo Deus Ex. A prótese foi apresentada na Comic Con de 2016, em San Diego, nos EUA.

RT for mums of cyborgs.  #Amputees pic.twitter.com/fgDzSutvMw
— Open Bionics (@openbionics) 18 de agosto de 2016

Como próximo passo, a Open Bionics pretende desenvolver uma prótese para as pernas de Tilly, que têm comprimentos diferentes também em virtude da doença, dificultando a locomoção dela. Seu sonho é que próteses sejam utilizadas como um aparato estético, gerando bem-estar e orgulho, e não somente pela questão prática.

Por que as empresas deveriam contratar mais PCDS?


Texto por Marcela Jahjah*.

Eu acredito em um mundo melhor. Por mais clichê que possa soar essa frase, eu vejo o limiar de uma nova era assomando no horizonte. Uma era em que o capitalismo deixa de ser selvagem e passa a ser colaborativo e consciente. Ou seja: eu contribuo com você, você contribui comigo, e ambos nos alavancamos de uma maneira que não poderíamos fazer sozinhos. Quão bom isso poderia ser? E quão aplicável isso é nas circunstâncias atuais?

É inegável que o mundo tem progredido em vários aspectos. A despeito da eterna ladainha dos pessimistas, vemos avanços nas áreas de tecnologia, ciência, educação e muitas outras. Essas mudanças estendem-se à sociedade como um todo: a mentalidade das pessoas e a forma de desenvolvimento dos negócios têm mudado radicalmente. E isso inclui os debates que têm sido travados sobre a inclusão de PCDs e a representatividade das minorias no mercado de trabalho. Percebe-se um olhar diferenciado sobre o assunto, porém, ainda eivado de alguns equívocos.

Desse ponto de vista, eu gostaria de lançar uma nova luz sobre o tema: por que as empresas deveriam contratar mais PCDs, especialmente em cargos de gestão? Aliás, aprimorando ainda mais essa questão: por que as empresas deveriam apostar em diversidade e inclusão como estratégia para alavancar seus negócios? Há vários motivos que valem a pena ser citados, e várias pesquisas comprovam que a diversidade de pessoas gera imensos benefícios para a organização. Sobre isso, há diversos artigos no LinkedIn. Porém, sendo eu mesma uma PCD, eu gostaria de ressaltar pontos específicos sobre isso, que talvez não tenham sido olhados antes.

Sabe-se que pessoas que vêm do mesmo meio social, dividem a mesma cultura e têm a mesma educação pensam e agem de forma similar. Este é o motivo pelo qual, quando vamos a outros países, percebemos detalhes que nem tínhamos nos dado conta de que existiam. Nossa forma de ver o mundo é moldada pela cultura, ambiente, família e amigos. Somente quando saímos do lugar comum é que começamos a questionar o que muitas vezes nem notávamos antes. Assim é um PCD em uma organização: por ter vivido em um contexto diferente, ele pode questionar fatos, ações e formas de agir que passam despercebidos à maioria. Essa visão diferenciada pode ser um grande trunfo para a empresa.

Além disso, justamente por ter algum dos sentidos faltando, um PCD geralmente desenvolve outras habilidades e/ou sentidos para compensar. E isso pode ser o diferencial que faltava na visão de negócios da empresa, a diferença entre o sucesso e o fracasso de um produto ou negociação. Um PCD pode ser alguém capaz de ver completamente fora da caixa, pensar criativamente e criar soluções inovadoras que outros nem sequer cogitariam.

Vamos exemplificar isso em termos práticos. Pense, por exemplo, em uma pessoa com deficiência auditiva (meu caso). Muitos deficientes auditivos estudaram em escolas regulares, nas quais tinham que acompanhar as aulas por meio de leitura labial. Como nem sempre era possível entender tudo que era dito, muitos recorriam aos livros para estudar. Eu mesma fui (sou) uma leitora voraz. O resultado? Uma proficiência em português muito maior do que a média, o que os torna ótimos redatores, revisores, analistas de comunicação e por aí vai. Eles podem escrever criativamente, de forma natural, e ver rapidamente os erros de escrita que outros não veem. A necessidade, nesse caso, forjou uma habilidade.

Deficientes auditivos também costumam ter uma percepção visual muito melhor do que a de pessoas ouvintes. Em uma negociação, estão mais atentos a detalhes que passam despercebidos: o que a linguagem corporal de determinada pessoa diz sobre ela? O que sua expressão facial comunica? Ela está mentindo? Um deficiente auditivo é um verdadeiro agente do FBI infiltrado! Piadas à parte: quão valioso seria para a empresa ter um profissional formado em uma área e com competências em outra?

Que tipo de opinião uma pessoa cega ou com baixa visão poderia dar sobre a textura, o aroma e o sabor de um produto alimentício? Baseados em suas necessidades, um deficiente visual, auditivo ou um cadeirante poderiam ser parceiros valiosos em projetos de tecnologias assistivas. Um designer cadeirante poderia se atentar a detalhes de um projeto que um não-cadeirante não pensou. Uma pessoa com mobilidade reduzida pode pensar melhor nos detalhes de um evento do que uma pessoa com mobilidade normal. Ou seja: em um trabalho em equipe, como a percepção de uma pessoa fora do padrão poderia alavancar um projeto?

Isso não quer dizer que as pessoas com deficiência deveriam limitar-se às atividades que tenham alguma relação com sua deficiência. O foco não é restrição, é ampliação: em vez de focar no que um PCD não pode fazer, por que não focar em habilidades que ele possa ter desenvolvido e nos seus pontos fortes? Uma pessoa com deficiência não é apenas uma pessoa com deficiência: é uma pessoa, com interesses, capacidades, gostos e habilidades únicas. Por que não ver o que as pessoas poderiam agregar de forma única e individual, em vez de ver o que lhes falta? Isso vale não só para PCDs, mas para todas as pessoas. Este é um bom modo de ver a vida: focar nas qualidades, e não nas falhas.

A cultura do vitimismo corporativo precisa acabar: a empresa não está fazendo nenhum favor ao contratar um PCD. Pelo contrário, ela poderá ter benefícios que nem imaginava. E os PCDs precisam assumir seu poder, parar de reclamar que as empresas não lhes dão oportunidades e começar a mostrar seu diferencial, seus pontos fortes e suas habilidades, que muitas vezes são maiores do que eles imaginam.

Vamos criar um mundo melhor juntos? Passou da hora de tirar este clichê do papel.

Marcela Jahjah*
É uma livre-pensadora, artífice das palavras. Como analista de comunicação, redatora e tradutora, acredita que pensar fora da caixa e desafiar os paradigmas vigentes é a estratégia mais eficiente de comunicação.

AGAFUC-RS e ICB-BA estreiam com vitória na Super Copa Brasil de Futebol de 5

Foto: Tadeu Casqueira/CBDV
AGAFUC-RS e ICB-BA estreiam com vitória na Super Copa Brasil de Futebol de 5
Legenda: Cássio Reis cobra tiro livre. Ala marcou dois gols na vitória sobre o CESEC-SP

AGAFUC-RS e ICB-BA dominam adversários e estreiam com vitória na Super Copa Brasil de futebol de 5 nesta sexta-feira, 9, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. Os gaúchos derrotaram a Urece-RJ por 3 a 1, e baianos golearam o CESEC-SP pelo placar de 5 a 1. A competição acontece até o próximo domingo, 11, e a partida de encerramento será transmitida ao vivo pelo SporTV, a partir das 10h.

Com gols de Cássio (2), Jefinho (2) e Maicon, o ICB-BA não deu chances para o CESEC-SP e venceu a partida por 5 a 1, no jogo de abertura da Super Copa. No jogo seguinte, a AGAFUC-RS esteve em quadra para encarar a Urece-RJ. O time de Canoas chegou a abrir 2 a 0 com Ricardinho e Raimundo Nonato. Liwisgton diminuiu para o cariocas, mas RN8 marcou mais um, e decretou a vitória do atual campeão brasileiro por 3 a 1.

“Imaginávamos nessa estreia correria por parte do adversário. Tivemos cuidado por nunca ter jogado contra eles e fomos estudando o jogo. Graças a Deus conseguimos fazer o placar. Perdemos muitos gols, mas o importante é que saímos com a vitória”, comemorou Cássio Reis, ala do ICB-BA.

A segunda rodada da competição acontece neste sábado com mais dois jogos. Às 14h, CESEC-SP x AGAFUC-RS se enfrentam com os gaúchos precisando da vitória para irem para a última rodada com chances de título. Já o CESEC-SP precisa vencer a qualquer custo para não ficar de fora com uma rodada com antecedência.

E às 15h45, o ICB-BA joga contra a Urece-RJ em busca da segunda vitória, que garantirá a equipe andana briga pelo troféu. Para os cariocas só um resultado positivo interesse, já que uma derrota pode lhe custar a eliminação precoce.

“Amanhã teremos um jogo mais difícil, jogo contra a Urece, que sempre está nas finais do Brasileiro. Umas das quatro principais equipes do Brasil. Com certeza será um belo jogo, os caras estão bem e sempre fazem excelentes partidas contra nós. Deram trabalho para AGAFUC, e citando a eles, são uma referencia. Atual campeão brasileiro, repleto de jogadores de qualidade e sem sombra de dúvidas, no domingo, vamos ter mais uma partida difícil, mas vamos pra cima, estamos preparado para isso”, projetou Cássio.

Além da transmissão ao vivo da última partida pelo SporTV, a Super Copa Brasil terá a cobertura completa pela Rádio (clique para acessar).


Fonte: cbdv.org.br

GP Internacional Infraero de Judô Paralímpico acontece no dia 17 de março

Foto: Gustavo Granata/CBDV/Agência Preview
GP Internacional Infraero de Judô Paralímpico acontece no dia 17 de março
Legenda: Lutadores no GP de 2017

O CT Paralímpico de São Paulo recebe mais uma competição internacional na semana que vem. No dia 17 de março, acontece o Grand Prix Internacional Infraero de Judô Paralímpico. Serão mais de 200 atletas, de sete países, em 13 categorias – sendo sete masculinas e seis femininas.

Os judocas da Argentina, dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha, da França, do México e de Porto Rico –, além dos do Brasil, disputarão, na tarde do sábado, a 7ª edição do GP internacional, sendo a 6ª vez em São Paulo.

Além da competição da categoria adulto, também haverá, na parte da manhã, a Copa Infraero de Judô Paralímpico - Antônio Tenório, que é destinada a atletas iniciantes. Essa é a primeira vez que o evento recebe esse nome, uma homenagem ao tetracampeão paralímpico da modalidade.

O Brasil terá representantes de 17 estados, além do Distrito Federal. Os atletas da Seleção Brasileira também estarão presentes representando seus clubes, entre eles Alana Maldonado, Lucia Teixeira e Maria Núbia Lins. As três foram ouro, em fevereiro, no German Open, na Alemanha. Da seleção masculina, estarão Willians Araújo e Tiego Marques, representando suas respectivas equipes.

Patrocínio e apoio ao esporte

Com o patrocínio da Infraero desde 2009, o judô paralímpico brasileiro conta com recursos oriundos desta parceria, fundamentais na execução das fases de treinamento, realização das duas etapas do Grand Prix, intercâmbios dos atletas da seleção, contratação de profissionais para a equipe multidisciplinar, além de atender outros projetos importantes para o crescimento da modalidade no país.

Fonte: cbdv.org.br

Super Copa Brasil de futebol de 5 começa nesta sexta-feira,9, no CT Paralímpico

Foto: Daniel Zappe/CPB/MPIX
Super Copa Brasil de futebol de 5 começa nesta sexta-feira,9, no CT Paralímpico
Legenda: Jefinho, do ICB-BA, e Liwisgton, da Urece-RJ, vão se reencontrar na Super Copa.

Começa nesta sexta-feira, 9, a Super Copa Brasil de futebol de 5 no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, com a participação de equipes da Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e da capital paulista. A última partida da competição, entre AGAFUC-RS x ICB-BA, será transmitida ao vivo pelo SporTV, às 10h, no domingo, 11, no duelo que colocará frente a frente os dois melhores jogadores do mundo: Ricardinho e Jefinho.

A primeira edição do evento nacional terá a presença, além dos times gaúcho, campeão brasileiro, e baiano, terceiro lugar, da Urece-RJ, quarta colocada no nacional, e do CESEC-SP, equipe representante da Série B de 2017. O CEDEMAC-MA, vice-campeão da primeira divisão, e a UBC-BA, campeã da segundona, não puderam participar da competição.

A bola vai rolar para o início da competição nesta sexta, às 14h, no confronto entre CESEC-SP x ICB-BA. O heptacampeão brasileiro chega motivado, principalmente pelo retorno de Jefinho à seleção brasileira. Além do artilheiro da última edição dos Jogos Paralímpicos, os baianos contam com Cássio, Tiago Nascimento e Maicon - este último da seleção de jovens -, em seu elenco. Já o CESEC-SP aposta em Edivan, referência da equipe e que pode decidir.

A partida seguinte será entre Urece-RJ x AGAFUC-RS, às 15h45. O técnico do time de Canoas, Rafael Astrada, considera importante a competição neste início de ano para ajustar a equipe para os próximos desafios, principalmente pela oportunidade de jogar “em uma competição de alto nível”.

“É sempre bom estar jogando, ainda mais em uma competição de alto nível. Nesta competição estamos com dois jogadores novos, o Tiago Paraná e Marcos Braga, e a Super Copa vai ajudar para encaixar esses atletas na nossa equipe”, disse o treinador.

Além da transmissão ao vivo da última partida pelo SporTV, a Super Copa Brasil terá a cobertura completa pela Rádio CFA (clique para acessar).


Serviço

Super Copa Brasil de Futebol de 5 2018

Data: 9 a 11 de março de 2018

Horários: 14h e 15h45 (9 e 10/3), e 8h e 10h (11/3)

Local: Centro de Treinamento Paralímpico

Endereço: Rodovia dos Imigrantes, Km 11,5 – Vila Guarani/SP

Entrada franca

Fonte: cbdv.org.br

Sudeste 2 de goalball passa dos 100 gols no primeiro dia de competição

Foto: Tadeu Casqueira/CBDV
Sudeste 2 de goalball passa dos 100 gols no primeiro dia de competição
Legenda: Alex Sousa, agora no Santos, arremessa a bola na vitória contra a ADEVIG.

O Regional Sudeste 2 de goalball começou na tarde desta quinta-feira, 8, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. Com transmissão ao vivo da Rádio ONCB, o primeiro dia de competição teve nove partidas com 148 gols marcados, e o atual campeão das duas categorias, o Santos, largando na frente com um duplo 11 a 1, sobre a ADEVIG e o ATHLON, na disputa masculina e feminina, respectivamente.

Ainda pelo grupo A, do Alvinegro Praiano, na disputa entre os homens, o LMC superou o CESEC por 11 a 7, em boa partida de Paulinho. Na chave B, o SESI-SP, campeão brasileiro no ano passado, derrotou a AIADV pelo placar de 12 a 2, e começou com o pé direito na competição. Outra equipe que marcou os primeiros 3 pontos na abertura do evento foi a AJEP-PEAMA, de Jundiaí, ao derrotar o SFTIC, de Franca, por 16 a 6. Pelo grupo C, a APADV enfrentou parada dura contra o CEPREVI e venceu por 14 a 10. E por fim, a última peleja do dia foi ATHLON 17 x 7 CADEVI.

A disputa feminina teve três partidas no dia que comemora o Dia Internacional da Mulher. E elas não economizaram nos gols. O Santos passou pelo ATHLON por 11 a 1, na única partida do grupo A. Na outra chave, o SESI-SP não tomou conhecimento da CADEVI e fez 12 a 2, enquanto a APADV também teve vitória confortável contra o CESEC, por 8 a 0.

A competição continua nesta sexta-feira com mais 14 partidas, a partir das 8h30, com o primeiro duelo do dia, entre Santos x LMC pela liderança do grupo A masculino. A programação também marcará a estreia da última equipe na edição de 2018 do Regional, o LMC pela categoria feminina, que enfrenta o ATHLON, às 13h30.

A Rádio ONCB, parceira oficial da CBDV, faz a transmissão ao vivo do Regional Sudeste 2 de goalball com uma cobertura completa, com entrevistas, participação dos ouvintes. Acompanhe todos os detalhes!  Clique para acessar.

Confira a tabela completa da competição:  http://bit.ly/2sFTFBo

Serviço
Regional Sudeste 2 de Goalball

Data: 8 a 11 de março de 2018

Horários: 14h às 20h40 (8/3), 8h30 às 19h40 (9/3), 8h30 às 16h30 (10/3) e 8h às 10h30 (11/3)

Local: Centro de Treinamento Paralímpico

Endereço: Rodovia dos Imigrantes, Km 11,5 – Vila Guarani/SP

Entrada franca

Fonte: cbdv.org.br

sexta-feira, 9 de março de 2018

Seleção Brasileira de Esgrima em CR disputa Copa do Mundo na Itália

Márcio Rodrigues/MPIX/CPB
Imagem

Por CPB

A Seleção Brasileira de esgrima em cadeira de rodas embarcou na quarta-feira, 7, para Pisa, na Itália, para disputar a etapa da Copa do Mundo da modalidade, que acontece entre os dias 9 e 11 de março. Essa é a segunda competição internacional no calendário da modalidade.

Em fevereiro, Jovane Guissone garantiu duas medalhas de bronze na Copa do Mundo de Eger, na Hungria. A expectativa é que ele repita o feito e volte para o Brasil mais uma vez com medalhas.

“Temos boas expectativas, principalmente com o Jovane, que medalhou na espada e florete na última competição, em Eger, e tem chance de medalha novamente”, afirma Ivan Schwantes, técnico nacional da modalidade.

O time brasileiro conta, além de Jovane, categoria B, com Lenilson de Oliveira, categoria A, que compete na provas de espada e florete, e Moacir Ribeiro, categoria A, que estará presente somente nas de espada.

Neste ano ainda acontecem outras quatro Copas do Mundo de Esgrima em Cadeira de Rosas. Em abril, entre os dias 27 e 29, em Montreal, no Canadá, seguido por Varsóvia, na Polônia, entre os dias 5 e 9 de junho. Já no segundo semestre, de 8 a 11 de novembro, ocorrerá em Tbilisi, na Geórgia, e por último, em Kyoto, no Japão, entre os dias 13 e 16 de dezembro.

Fonte: cpb.org.br


Aline Rocha será a porta-bandeira do Brasil na Abertura dos Jogos de Inverno

Imagem

Por CPB

A paranaense Aline Rocha, do esqui cross-country, foi anunciada nesta quinta-feira, 8, como porta-bandeira do Brasil na Cerimônia de Abertura dos Jogos Paralímpicos de Inverno de PyeongChang, marcada para esta sexta, 9, às 8h (horário de Brasília). O país, que conta ainda com o esquiador Cristian Ribera e o snowboarder André Cintra na delegação, será o 15º a desfilar no Estádio Olímpico de PyeongChang. A festa terá transmissão ao vivo no site do Comitê Paralímpico Internacional (paralympic.org) com previsão de duração de 1h50.

Aline, de 27 anos, é a primeira brasileira a disputar uma edição dos Jogos Paralímpicos de Inverno e a única competidora sul-americana na Coreia do Sul. Agora, ela também faz parte do seleto grupo de atletas que tem no currículo Jogos de Verão e de Inverno, já que esteve no Rio 2016, onde disputou três provas no atletismo.

“Ter sido escolhida porta-bandeira é uma grande honra. Fiquei emocionada e muito feliz. Nós, mulheres, temos mostrado nossa força e espero que a minha participação aqui contribua para que outras possam seguir o mesmo caminho. Nós podemos e devemos correr atrás dos nossos sonhos. As mulheres podem ser o que elas quiserem”, disse, com menção à comemoração do Dia Internacional da Mulher, celebrado neste dia 8.

"A escolha da Aline Rocha como porta-bandeira da nossa delegação na Cerimônia é extremamente simbólica, por causa do Dia Internacional da Mulher e para celebrar a primeira mulher brasileira a conquistar uma vaga nos Jogos de Inverno", reforçou Alberto Martins da Costa, diretor-técnico do Comitê Paralímpico Brasileiro.

Nos Jogos, Aline disputará quatro provas no esqui cross-country em diferentes distâncias: 12km, 1,1km, 7,5km e o revezamento misto 4x2,5km, ao lado de Cristian Ribera.

Os Jogos Paralímpicos de Inverno de PyeongChang serão os maiores da história e reunirão 567 atletas de 48 países, mais os neutros. Os Estados Unidos têm a maior delegação, com 68 atletas, seguido por Canadá (52) e Japão (38). Os donos da casa estão em quarto, com 36 competidores. Além do snowboard e do esqui cross-country, estão no programa nesta edição o biatlo, o esqui alpino, o curling em cadeira de rodas e o hóquei em trenó. No total, serão disputadas medalhas em 80 eventos do dia 9 ao dia 18. Toda a competição terá transmissão ao vivo pelo site do Comitê Paralímpico Internacional (paralympic.org).

Perfil:
Aline Rocha – Pinhão (PR)
Data de nascimento: 20/02/1991
Peso: 38 kg
Altura: 1,53
Classe: LW11 (sitting)
Modalidade: esqui cross-country
História: Aline sofreu um acidente de carro aos 15 anos que lhe causou uma lesão medular e a perda dos movimentos das pernas. Iniciou sua trajetória no esporte praticando atletismo, quatro anos após ter se acidentado. Há pouco mais de um ano, passou, também, a competir na neve, já que os movimentos do esqui cross country eram parecidos com o da corrida em cadeira de rodas.

Fonte: cpb.org.br



CPB divulga regulamento da edição de 2018 das Paralimpíadas Escolares, em SP

Imagem

Por CPB

O Comitê Paralímpico Brasileiro divulga nesta quinta-feira, 8, o regulamento da edição de 2018 das Paralimpíadas Escolares. A competição será disputada em São Paulo, de 19 a 24 de novembro, no Centro de Treinamento Paralímpico. O local também foi sede das últimas duas edições do maior evento escolar de esporte adaptado do mundo.


Na edição de 2017, estudantes de todos os Estados brasileiros mais Distrito Federal participaram das Paralimpíadas Escolares. Foi a primeira vez que todas as unidades federativas do Brasil foram representadas no evento, que, mais uma vez, foi um sucesso, com mais de 900 atletas competindo em dez modalidades distintas.

São Paulo foi campeão pela sexta vez neste ano, sendo o primeiro Estado a vencer três Escolares seguidas (2015, 2016 e 2017). Os paulistas fecharam o ranking geral com 458 pontos, puxados sobretudo pelas performances destacadas no atletismo, no goalball e na natação, em que conquistaram as maiores pontuações.

Desde suas primeiras edições, as Paralimpíadas Escolares revelam talentos do movimento paralímpico brasileiro. Participaram desta competição os velocistas Alan Fonteles, ouro em Londres 2012, Verônica Hipólito, prata no Rio 2016, e Petrúcio Ferreira, recordista mundial em 2017 nos 100m (classe T47); a saltadora Lorena Spoladore, prata no Jogos do Rio; o nadador Matheus Rheine, bronze no Rio 2016; o jogador de goalball Leomon Moreno, prata no Jogos de Londres e bronze no Rio 2016, e tantos outros.

Fonte: cpb.org.br

Simpósio internacional sobre Síndrome de Down acontece na Secretaria

Imagem: menina com síndrome de down sorrindo

Nos dias 23 e 24 de março acontece o “8° Simpósio Internacional sobre Síndrome de Down – Trissomia 21, Nutrição, Educação e Saúde”, na sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, em comemoração ao Dia Internacional da Síndrome de Down, celebrado anualmente em 21 de março. O coordenador geral é o renomado geneticista dr. Zan Mustacchi, especialista em síndrome de Down.

Realizado pelo Centro de Estudos e Pesquisas Clínicas de São Paulo (Cepec), o evento terá abertura em 23 de março, a partir das 18h30, e contará com a presença da Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Dra. Linamara Rizzo Battistella. Após a abertura acontecerá o show de Dudu do Cavaco, do Instituto Mano Down.

No sábado, 24 de março, as atividades se iniciam às 7h. As palestras discutirão, entre outros temas, Apraxia da Fala, Transtornos Comportamentais da Trissomia 21 e Esclarecimentos sobre a Febre Amarela.
As inscrições estão abertas no site http://www.sindromededown.com.br/?page_id=1519.

SERVIÇO
8° Simpósio Internacional sobre Síndrome de Down
Data: 23 e 24 de março
Horário: 23 de março – 18h30 / 24 de março – 7h
Local: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência
Endereço: Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564- Portão 10, Barra Funda - São Paulo/ SP.
Programação/inscrições: http://www.sindromededown.com.br/?page_id=1519

Leia entrevista com o dr Zan Mustacchi: https://goo.gl/GUFDrS

quinta-feira, 8 de março de 2018

Judoca de SC com Síndrome de Down é convocado para 1ª competição internacional - Veja o vídeo.

Disputa será na Holanda em abril. Atleta treina em Palhoça, na Grande Florianópolis.

Por G1 SC

Resultado de imagem para Jovem atleta rompe barreiras no judô e é convocado para competição internacional
Jovem atleta rompe barreiras no judô e é convocado para competição internacional

Um atleta catarinense com Síndrome de Down tem rompido barreiras. Tiago Borba, de 30 anos, começou no judô aos 13 e já ganhou troféus no estado e pelo Brasil afora. Agora, ele foi convocado para sua primeira competição internacional, que vai ser na Holanda, nos dias 14 e 15 abril, como mostrou o Jornal do Almoço desta quarta-feira (7).

Click AQUI para ver o vídeo.

“O esporte foi feito para que todos possam praticar. O jovem, o adulto, o velho, o homem, a mulher e, principalmente, as pessoas que mais necessitam de estímulos”, afirmou o coordenador de judô da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), Júlio César de Oliveira Araújo.

Tiago treina em Palhoça, na Grande Florianópolis, e a Síndrome de Down é só um detalhe para esse atleta. “Ele tem curso de culinária, ele tem o segundo grau completo. Ele não tem restrições”, afirmou o coordenador.

'Eu vou ganhar'
Atualmente, o atleta é faixa marrom da modalidade. Para chegar à competição na Holanda, ele precisa lutar também para arrecadar recursos. “Nós fizemos uma campanha pela internet para a arrecadação de doações. Estima-se que o valor total das despesas do Thiago seja de R$ 10 mil. Nós já arrecadamos R$ 4,5 mil”, contou o coordenador.

Tiago confia que a viagem vai ocorrer e, se depender dele, ficará com a primeira colocação na competição. "Eu vou ganhar", resumiu o atleta.

“Eu comentei isso com ele na semana passada: ‘Tiago, lá nós vamos pegar atletas bem preparados como nós estamos e existe essa possibilidade de a gente perder’. Ele olhou para mim e disse: ‘eu sou ouro’. Se ele é ouro, independente da vitória ou da derrota, ele vai continuar sendo”, completou Araújo.

Fonte: g1.globo.com

Autismo: aprender segunda língua pode ajudar criança, diz pesquisa

Um estudo feito no Canadá provou que falar mais de uma língua favorece a flexibilidade cognitiva de crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista)

Por Crescer online

(Foto: Thinkstock)
Nos Estados Unidos, a maioria das crianças vai a escola de ônibus amarelo (Foto: Thinkstock)

Uma pesquisa recente feita pela Escola de Ciências da Comunicação e Distúrbios, da Universidade de McGill (Canadá), mostrou que aprender uma segunda língua pode ser benéfico para crianças com autismo.

No estudo, feito com crianças de 6 a 9 anos - sendo parte delas com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) -, as autistas  bilíngues apresentaram melhor desempenho na parte mais complexa do teste, que tinha como objetivo classificar e organizar objetos. A explicação para o resultado é simples: falar mais de uma língua favorece a flexibilidade cognitiva, o que já foi observado em pesquisas com crianças não autistas.

(Foto: Thinkstock)
Menina escrevendo na escola (Foto: Thinkstock)

O neurologista infantojuvenil Marco Antonio Arruda, do Instituo Glia (SP), faz uma ressalva: "Mesmo com evidências positivas, é cedo para relacionar o bilinguismo com a melhora do autista, pois há diferentes graus de TEA. Os chamados de alto funcionamento, por exemplo, mostram muita habilidade para o aprendizado de novas línguas, enquanto os de baixo funcionamento, mal se expressam verbalmente", conclui.